Amy Quispe, gerente de dados e relatora de desenvolvimento

Foto de Amy Quispe
Olá, sou a Amy Quispe!

Com o que você trabalha?

Quando eu estava na escola em Carnegie Mellon, eu trabalhava com dados abertos. Eu via que vários alunos tinham grandes ideias para melhorar a comunidade, mas não podiam agir quando tinham que acessar coisas como as grades dos cursos, ou reservar salas, etc - e mesmo que pudessem acessar esses dados, eles teriam problemas para usá-los, ou os encontrariam em um formato ruim e difícil de trabalhar. Eu pressionei minha universidade - e muitas outras! - a abrir seus dados, e reuni um grupo de alunos chamados de ScottyLabs para gerenciar esses dados e torná-los de fácil uso para os alunos.
Agora, eu trabalho no Google no grupo de Relação dos Desenvolvedores. Eu ainda me dedico a facilitar a vida de outros desenvolvedores para que eles criem o que quiserem, mas agora eu faço isso para o Google. Eu trabalho tanto com a equipe de engenharia que desenvolve o AdMob SDK, quanto com os desenvolvedores de fora do Google que querem usar o SDK.

Como você aprendeu a programar?

Eu conheci a programação através do meu professor de matemática do sexto ano, que me passou um tutorial QBASIC. Naquela época, eu pensava que programação era legal apenas porque ela me ajudaria a fazer meu dever de casa mais rápido. Eu não sabia da existência da ciência da computação até entrar no ensino médio, quando eu aprendi muito mais sobre programação e vi quanta coisa poderia ser feita através dela. E mesmo assim, quando fui para a faculdade, vi que havia muito mais sobre programação do que eu havia imaginado.
O curso de ciência da computação era realmente desafiador, e mesmo com a minha experiência anterior, as coisas começaram a ficar melhores no segundo ano. Então todos começamos a encontrar coisas diferentes com as quais estávamos entusiasmados, e nosso entusiasmo foi traduzido em trabalho duro e desenvolvimento de habilidades. Um bom amigo meu está fazendo PhD em Processamento de Linguagem Natural. Outro está muito interessado em segurança e performance. Eu pude explorar meus interesses em dados abertos, ferramentas de desenvolvimento, hackathons e startups. E depois de todo esse tempo, fico feliz em dizer que ainda estou aprendendo a programar, e espero continuar aprendendo!

O que você faz quando não está programando?

Tenho tentado várias coisas novas ultimamente. Recentemente, participei de uma corrida de karts pela primeira vez:
Foto de Amy em um macacão de Kart
Equipada e pronta para a corrida
e também experimentei minha mira no arco e flecha:
Foto de Amy com um arco
Arco na mão, pronta para atirar
Eu também gosto de tocar piano. Se eu vejo um piano, não consigo resistir e sento para tocar alguma coisa.

Qual é o seu conselho para novos programadores?

Não deixe que os outros te intimidem. Todo mundo aprende continuamente, e as pessoas provavelmente vão usar ferramentas e linguagens muito diferentes dentro de poucos anos. Esse campo é extremamente amplo, mas também é extremamente novo, não estamos nem perto de descobrir todas as coisas que podemos fazer, e alguns anos e um ego grande não são tão importantes quanto poder aprender continuamente.