Sarah Northway, desenvolvedora de jogos e nômade

Foto de Sara com um chapéu de lagosta
Sorrindo com um chapéu de lagosta
Olá, meu nome é Sarah Northway!

Com o que você trabalha?

Sou designer e programadora de jogos de vídeo game. Meu jogo mais conhecido é o Rebuild, um jogo pós-apocalíptico de estratégia para navegadores e dispositivos móveis. Não é o tipo clássico de jogo de zumbis no qual você tem que atirar na cabeça deles; ao invés disso, você gerencia uma cidade de sobreviventes e precisa tomar decisões para mantê-los vivos. Ele está codificado em Adobe Flash (AS3 / AIR) e eu levei cerca de um ano para criá-lo. I'm currently working on Rebuild 3, which I raised money for on Kickstarter.
O jogo Rebuild, jogado em um celular
Jogando Rebuild em um celular
Eu amo ser uma desenvolvedora de jogos, porque eu não tenho um chefe, então eu posso criar o tipo de jogo que eu quiser, e posso criá-lo seguindo meu próprio cronograma. Eu também preciso usar vários chapéus, como dizem; Fui eu que fiz tudo, desde a arte e o som até o serviço de atendimento ao cliente. Isso significa que eu nunca fico entediada, mas alguns chapéus são mais divertidos que outros. Programar é minha parte favorita.
O jogo Rebuild, jogado em um celular
Jogando Rebuild em um iPad nas Filipinas

Como você aprendeu a programar?

Eu gostava de computadores desde jovem, nos anos 80 e 90, porque eu amava os jogos que podia jogar neles. Eu aprendi sobre shell script, então eu podia rodar os jogos, aprendi como usar BBSes, para que eu pudesse baixar jogos, e então aprendi HTML, para que eu pudesse criar sites sobre... Vou deixar vocês adivinharem. Eu criei meu primeiro programa real no primeiro ano da faculdade e me apaixonei pelo mundo dos desafios e das linguagens que existe dentro de cada software. Para mim, a programação é um jogo.
Me formei em ciência da computação, o que envolve muito mais matemática, teoria e placas de circuito do que eu gostaria. Eu aprendi muito mais trabalhando em projetos que me interessavam do que com os livros e professores. Meu projeto favorito foi um jogo que eu desenvolveu com um garoto (meu futuro esposo!) sobre a evolução dos insetos.
O jogo Rebuild, jogado em um celular
Programando no Panamá

O que você faz quando não está programando?

A melhor parte de ser um desenvolvedor de jogos é poder viajar. Meu marido Colin e eu vendemos todas as nossas coisas quatro anos atrás e começamos a viajar pelo mundo criando jogos desde então, vivendo em países como Japão, Tailândia, Turquia, Honduras, e (agora) Brasil. Até criamos outro jogo juntos, chamado Incredipede, e ele também é sobre insetos... mais ou menos.
Lauren e Colin, vivendo em um barco na Escócia
Vivendo em um barco com Colin, na Escócia
Sou louca por mergulho, caminhada, culturas e lugares exóticos, comidas e criaturas estranhas. Gosto da cidade e do campo de forma igual, e amo os outros desenvolvedores de jogos que conhecemos por todo o mundo.
Lauren caminhando pelas montanhas da Grécia
caminhando pelas montas da Grécia

Qual é o seu conselho para novos programadores?

Hoje, se eu estivesse começando a aprender, eu escolheria algo que eu realmente quisesse fazer (provavelmente um curso sobre jogos) e daria um passo de cada vez, aprendendo ao longo da caminhada. Há vários recursos gratuitos hoje em dia, e várias ferramentas que facilitam a vida do programador. Tudo que você precisa é de motivação, e o desejo de criar coisas é o que me motiva.
Deixo vocês com essa foto, usando uma concha como chapéu:
Lauren usando uma concha como chapéu