If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:2:56

Transcrição de vídeo

RKA11C Por mais de 400 anos o problema persistia. Como Alice poderia criar uma cifra que esconda sua impressão digital, impedindo assim, o vazamento de informações? A resposta é a aleatoriedade. Imagine que Alice joga um dado de 26 lados para gerar uma longa lista de mudanças aleatórias e compartilha essa com Bob, em vez de uma palavra-chave. Agora, para encriptar essa mensagem, Alice utiliza a lista de mudanças aleatórias. É importante que a lista de mudanças seja tão longa quanto a mensagem, para evitar qualquer repetição. Então ela envia para Bob, que decifra a mensagem utilizando a mesma lista de mudanças aleatórias que ela tinha dado a ele. Agora, Eve terá um problema, pois a mensagem encriptada resultante terá duas propriedades poderosas. Primeiro, as mudanças nunca demonstram um padrão repetitivo. Segundo, a mensagem encriptada terá uma distribuição de frequência uniforme. Por não haver um diferencial de frequência e, portanto, nenhum vazamento, agora é impossível para Eve quebrar a criptografia. Esse é o método de criptografia mais forte possível. Ele surge no final do século 19, e é conhecido como cifra de uso único. A fim de visualizar a força dessa cifra, precisamos entender a explosão combinatória que acontece. Por exemplo, a cifra de César mudava cada letra pelo mesmo oposto, que era algum número entre 1 e 26. Então, se Alice encriptasse seu nome, ele resultaria em 1 de 26 criptografia possíveis, um número pequeno de possibilidades, fáceis de serem checadas, conhecido como pesquisa de força bruta. Compare isso com a cifra de uso único, onde cada letra seria mudada por um número diferente entre 1 e 26. E, agora, pense no número de criptografias possíveis. Seria 26 multiplicado por ele mesmo 5 vezes, o que resultaria em quase 12 milhões. Às vezes é difícil de visualizar, então imagine que ela escreveu seu nome em uma única página, e no topo empilhasse todas as criptografias possíveis. Quão alto você acha que seria? Com quase 12 milhões de sequências possíveis de 5 letras, essa pilha de papel seria enorme, com mais de 1 km de altura. Quando Alice encriptou o seu nome usando a cifra de uso único, foi o mesmo que ela escolher uma dessas páginas aleatoriamente. Na perspectiva de Eve, a decifradora, toda palavra de 5 letras criptografada que ela possui, é igualmente provável de ser qualquer uma nesta pilha. Ou seja, esse é o sigilo perfeito em ação.