Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:3:56

Transcrição de vídeo

Estamos no Museu Britânico e estamos admirando um dos objetos mais importantes da coleção a Pedra de Roseta. Ela está em uma caixa de vidro cercada por pessoas tirando fotografias... As pessoas a adoram! Certamente. Há souvenirs na loja de presentes sobre ela... Você pode ter sua própria Pedra de Roseta, Você pode comprar posters da Pedra de Roseta, canecas, acho que você pode até comprar um capacho com a Pedra de Roseta. Mas, a história em si é incrivelmente importante. Ela nos permitiu, pela primeira vez, sermos capazes de entender, ler e traduzir hieróglifos. Hieróglifos foram a língua escrita dos Antigos Egípcios. E, até o metade do século dezenove, nós realmente não sabíamos o que eles significavam. A escrita era pictórica, e, na verdade, isso levou a uma grande confusão, porque eu acho que os arqueólogos acreditavam, e os linguistas acreditavam que os desenhos que eles viam, tais como os pássaros e cobras, e outros desenhos variados, na realidade, faziam referência à coisas específicas do mundo real. Correto. Portanto se você via um pássaro, de alguma forma ele fazia referência ao pássaro. E isso não é verdade. Essa é uma escrita muito mais sofisticada. A Pedra de Roseta foi o que realmente ajudou os arqueólogos a entenderem que os hieróglifos Egípcios não se referiam aos desenhos, eles não são pictográficos. Na verdade, eles são fonéticos. Portanto, todos aqueles desenhos, na verdade, representam sons, e foi assim que eles foram finalmente capazes de deduzir e traduzir os hieróglifos dos antigos egípcios. E o motivo pelo qual fomos capazes de traduzir, foi porque a Pedra traz o mesmo decreto três vezes em três escritas diferentes. As três escritas são: Grego Antigo, que está na parte inferior. Essa era a escrita da administração, isto é, era a escrita do governo. E o motivo pra isso é porque Alexangre o Grande havia conquistado o Egito, e estabeleceu a escrita grega na era Helenística, que se manteve no Egito Antigo. Lembremos que estamos falando dos anos 200 a.C. aproximadamente. Que, na verdade, é uma data próxima do fim dos hieróglifos também. Ele ainda durou mais algumas centenas de anos antes de desaparecer completamente. Portanto, esse é o fim dessa língua escrita de três mil anos. Bem, a parte do meio é Demótica, que significa Linguagem do Povo, e era a escrita popular utilizada pelos egípcios. Na parte de cima, é claro, estava a escrita sagrada: os hieróglifos. Essa era a língua escrita que não conseguíamos ler até a descoberta da Pedra de Roseta. E pudemos ver, entre os escritos da Pedra de Roseta, cartuchos que continham os nomes dos governantes. Cartuchos eram desenhos em formato oblongo que continham o nome do governante. Nesse caso era o nome de Ptolomeu V. Através do reconhecimento do nome do governante nas três escritas, nós encontramos uma forma de iniciar a tradução dos hieróglifos. Bom, isso levou décadas. Foi uma tarefa incrivelmente difícil. E nós ainda nem comentamos sobre como a Pedra foi encontrada. Napoleão tinha o seu exército no Egito. Napoleão levou com ele alguns acho que podemos chamá-los de arqueólogos. E, uma das pessoas que acompanharam Napoleão achou, ou esbarrou acidentalmente na Pedra de Roseta. Ela estava sendo usada como parte da fundação de um forte. E claro, ela foi, originalmente, parte de um templo, ou talvez, esteve próxima a um antigo templo egípcio. E, suponho que seja importante dizer que a Pedra de Roseta é a parte inferior de uma estela muito maior, ou uma espécie de coluna de pedra, que teria sido incrivelmente alta. Assim, Napoleão a recolheu... Exceto, espere um minuto, não estamos no Louvre, estamos em Londres, no Museu Britânico. Como isso aconteceu? Bem, os Britânicos derrotaram Napoleão e tomaram posse da Pedra, e um ou dois anos mais tarde, talvez 1801 ou 1802, ela foi levada ao Museu Britânico, e está aqui desde então. Bom, ela ainda é, claramente, muito popular.