Tempo atual:0:00Duração total:3:51

Transcrição de vídeo

Digamos que temos aqui a empresa A e ela toma um empréstimo de um milhão de dólares e paga uma taxa de juros variável nesse empréstimo ela paga LIBOR mais 2% LIBOR é: London Interbank Offered Rate (Taxa Interbancária do Mercado de Londres) é uma das principais referências para taxas de juros variáveis. E então ela paga um pouco para o credor, essa é a pessoa que emprestou dinheiro para a empresa A. Ela paga uma taxa de juros variável a cada período. Por exemplo, se no período 1, se a LIBOR está a 5%, nesse período a empresa A pagará 7% ou $70 mil ao credor nesse período. No período 2, se a LIBOR cai um pouco para 4%, então a empresa A vai pagar 4+2, que é 6% ou 6% que é $60 mil de juros. Digamos que temos outra empresa, a empresa B, logo aqui, ela também empresa um milhão de dólares mas empresta a uma taxa fixa de 8%. 8% de juros fixo. Então em cada período, independentemente do que acontecer com a LIBOR ou qualquer outra referência e aqui temos um credor diferente um credor diferente da pessoa que emprestou para A e poderia ser outro banco, ou uma empresa ou algum outro tipo de investidor Vamos chamá-los de credores 1 e 2 Então, independentemente do período agora a companhia B vai pagar 8% de 1 milhão de dólares em cada período o que é exatamente $80 mil em cada período. Digamos agora que nenhum dois lados está feliz de verdade com a situação. A empresa A não gosta da variação da imprevisibilidade e do que acontece com a LIBOR. Eles não conseguem planejar quanto precisam pagar. A empresa B acha que estão pagando demais em juros. Eles pensam: "uau, as pessoas que estão pagando juros variáveis, estão pagando uma quantia menor em todo período." E talvez a empresa B também pense que as taxas de juros vão cair ou que no curto prazo, o juros variável vai cair, a LIBOR vai cair. Essa é uma razão ainda maior para que eles queiram adotar a taxa de juros variável. Então o que eles podem fazer, nenhum deles pode se livrar desses acordos de empréstimo, mas o que eles podem fazer é fazer um acordo em trocar parte ou todo o pagamento de taxas de juros. Então por exemplo, eles podem entrar em acordo. Isso se chamaria "swap de taxas de juros", na qual a empresa A concorda em pagar B. Vamos ver em números aqui. 7% em um empréstimo de um milhão de dólares nocionais. Então esse um milhão de dólares não trocarão de dono, mas a empresa A concorda em pagar B 7% dos um milhão nocionais ou $70 mil por período e em troca a empresa B concorda em pagar A uma taxa variável, digamos que seja LIBOR mais 1%. E nesse pequeno acordo eles concordam em fazer isso por uma quantia. Novamente: é LIBOR mais 1% em um milhão nocional. E essa palavra esquisita "nocional", significa que o um milhão não trocará de dono, apenas irá trocar o pagamento de juros sobre o um milhão de dólares. E esse acordo aqui é chamado de swap de taxas de juros. Vou parar por aqui e nos próximos vídeos vamos explorar as mecânicas para ver que "A" está realmente pagando juros fixos quando você põe todos os diferentes pagamentos tanto para swap quanto para credor e a empresa "B" depois de entrar nesse acordo está pagando uma taxa de juros variável. [Legendado por Erick Yoshida] [Revisado por Marília Figueira]