If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Os fundos de hedge são ruins?

Pensando sobre como os fundos de garantia são diferentes de outras instituições. Versão original criada por Sal Khan.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

Fundos hedge são muito falados na imprensa, geralmente usando um tom meio suspeito ou negativo, então o que quero nesse vídeo é pensar ou nos mostrar como pensar sobre se um fundo hedge, ou qualquer tipo de organização financeira ou instituição é realmente boa ou ruim. Eu tentarei não tomar um lado ou outro e apenas fornecer alguns fatos pra pensar sobre. A primeira coisa que às vezes se reclama quando se fala de fundos hedge é da estrutura de compensação porque esse fundo fica com 20% do lucro em caso de retorno, mas, se o fundo meio que explodisse e fosse a zero, o gestor do fundo hedge não é responsável por 20% das perdas. As pessoas argumentam que isso incentiva os gestores de fundo hedge a tomar níveis desproporcionais de risco, o que é verdade até certo ponto. No entanto, que também é verdade sobre os fundos hedge é que normalmente se espera que o gestor ou o sócio também arrisque a própria pele no jogo. Por exemplo, eu desenhei um fundo "Peter Capital Fund 1" onde o gestor está comprometido em 10% dos fundos. Mas o mais importante, é que em vez de % total do fundo, a questão é: Qual percentual do patrimônio líquido total do Pete está no fundo? Alguns gestores alocam grande quantia do próprio patrimônio líquido no fundo, então mesmo que eles recebam 20% dos ganhos, se o fundo tiver um desempenho muito ruim, se ele explodisse, o gestor geralmente será muito afetado. E esse é o trabalho dos sócios limitados, nós mencionamos antes que, em comparação com o fundo de investimento, os sócios limitados de um fundo hedge devem ser sofisticados, precisam ter credibilidade, ter um Patrimônio Líquido, e também devem ter entendimento destes tipos de investimento. Então é função dos sócios limitados e é do interesse deles garantir que estão investindo em um fundo em que primeiro, o Pete seja um cara confiável, assim o Pete arrisca a própria pele no jogo e espera-se uma quantidade substancial de de investimento relativo ao Patrimônio Líquido dele. O Pete tenha tem uma reputação, e eles têm que decidir se confiam na transparência do Pete. Muitos fundos hedge não contam aos investidores muito do que estão fazendo com $100 milhões, às vezes dão um pouco mais informação ou um pouco menos, isso pode ser negativo, claro, por que quem sabe? Talvez estejam indo a Las Vegas e fazendo apostas, mas é aí que a reputação do gestor importa muito, mas os segredos podem até ser algo bom para os sócios limitados porque às vezes, se todos sabem exatamente o que se passa no fundo, e essa informação é vazada, poderia haver outras pessoas que de alguma forma operariam contra o fundo, ou investiriam igual ao fundo ou se, for um fundo grande, se antecipariam ao fundo e tentariam comprar todas as opções do fundo antes dele mesmo. Então há prós e contras a manter segredo, mas definitivamente há risco, e ,algo que acho interessante mencionar, é que essa ideia de ganhar uma porcentagem do lucro e ter um lado negativo limitado não é algo único aos fundos hedge. De fato, essa é a realidade para a maioria dos executivos. A maior parte dos executivos provavelmente não arrisca tanto a pele. Todos já ouvimos sobre o pára-quedas de ouro e todo o resto, que se os CEOs vão bem, eles geralmente recebem bônus muito, muito grandes mas se vão mal e são demitidos, ainda recebem o pára-quedas de ouro, o que não ocorre com a maioria dos gestores de fundo hedge. Então esse conceito de uma porcentagem do lucro, sem a mesma porcentagem do prejuízo, não é único a gestores de fundo hedge isso ocorre com executivos de empresas, ocorre com chefes de bancos, com banqueiros em geral em que recebem bônus enormes em um ano, mas no ano seguinte, se o banco quebrar, ninguém lhes pede para devolver o bônus. Então não vou defender, apenas vou dizer que isso não é único a fundos hedge. Agora, outros aspecto que as pessoas às vezes falam relativamente a fundos hedge é a ideia de sigilo. Porque como ele não é regulamentado, o gestor do fundo hedge pode decidir sobre o que fazer aqui e esse sigilo, vou botar um pequeno asterisco aqui, porque para essas pessoas se disporem a comprometer o fundo delas, o gestor do fundo deve lhes contar algo do que ele tem feito com o dinheiro, então depende do gestor do fundo hedge. Mas algumas pessoas argumentam que o sigilo, o sigilo do fundo hedge, atrelado ao fato de que lhes é permitido investir em mais, pode-se dizer, itens exóticos, eles não precisam, e devo ser claro que muitos fundos hedge, mesmo com essa estrutura, com a taxa de administração de 2%, e 20% de participação nos lucros, muitos fundos hedge, e os seus reais investimentos, podem parecer muito com fundos de investimento de fato, alguns podem ser mais conservadores que fundos de investimentos, então nem sempre é o caso de fundos hedge fazendo maluquices por aí. Porém, alguns estão. Assim a combinação do sigilo, de que podem estar especulando nisso ou naquilo ou comprando todo tipo de contratos derivativos, faz as pessoas sentirem que deve haver algo nebuloso acontecendo aqui. E, como eu penso sobre isso, se o fundo hedge é relativamente pequeno, e $100 milhões seria de fato um fundo hedge de pequena escala, outro modo de pensar nisso é: "Se os ativos sob controle são relativamente pequenos, já que devido a derivativos sofisticados com $100 milhões você pode controlar muito mais que $100 milhões em valor nocional, mas, se o valor nocional dos ativos que o fundo hedge controla é relativamente pequeno, então o sigilo, e qulaquer coisa que o fundo hedge faça coloca os investidores do fundo hedge em risco. Então é a função dessas pessoas, isso não põe a sociedade como um todo em risco. Quando os fundos hedge se tornam perigosos, ou potencialmente perigosos, o exemplo mais comum disso é a gestão de capital a longo prazo como nos fim dos anos 90 deixa-me escrever isso, LTCM, ainda vou fazer vários vídeos sobre isso. Porém, LTCM controlou tanto em fundos nocionais, agora falamos de centenas de bilhões ou mesmo trilhões de dólares, que esse fundo se tornou grande demais para falhar. E acho que você sabe da última crise financeira, que isso não acontece só com fundos hedge e então você tem essa noção que, quando qualquer instituição financeira passa a controlar trilhões ou centenas de bilhões de dólares, ela pode iniciar uma cascata em todo o sistema financeiro, isso não é uma coisa boa. Isso não é algo bom. Isso não é bom, porque quando algo é grande demais pra falhar as pessoas não deixam falhar e isso vai contra tudo que sabemos de capitalismo. Capitalismo, que premia as pessoas se forem bem, mas quando as pessoas falham, lhes deixa falhar. O que eu quero ressaltar é que isso não é único a fundos hedge. A AIG, que é um dos principais culpados na última crise financeira, era uma seguradora. Você tem agências de classificação de risco, que não eram grandes assim, mas que ajudaram a validar alguns desses atores grandes demais pra falhar. Havia todos esses bancos grandes demais pra falhar. Então acho que o princípio geral aqui é que um fundo hedge pode ser bom ou ruim, e o que é diferente de um fundo de investimento é que eles tendem a ser mais privativos. Eles têm mais apoio, devem ter investidores mais sofisticados, mas o que fazem com dinheiro pode ser exatamente o mesmo que um fundo de investimento faria. Podem até ser mais conservadores que outros fundos, podem, por exemplo, usar instrumentos sofisticados pra tomar menos risco que um fundo de investimento e acho que o ponto, ao menos na minha cabeça, é que qualquer um desses, fundos hedge, seguradores, bancos, até algumas corporações, se tornam ruins quando ficam tão grandes que a falha não afeta somente os seus investidores, mas afeta toda a sociedade. [Legendado por Laura Drachmann] [Revisado por Marcus Mota]