If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:6:52

Transcrição de vídeo

No último vídeo, vimos uma realidade em que a conversão entre, ou a taxa de câmbio entre o yuan e o dólar começou em 10 para 1. E a essa taxa de câmbio, a China estava exportando mais produtos em termos - não importa se você mede em dólares ou em yuan - estavam exportando mais do que os E.U.A. do que os E.U.A. exportando para a China E, por causa disso, vimos um desequilíbrio entre as moedas. O Yuan ficou mais caro, ou o dólar ficou mais barato, até que eventualmente o preço dos produtos chineses estava caro o suficiente para haver menor demanda nos E.U.A. e os produtos americanos ficaram baratos o suficiente para aumentar a demanda na China, e o comércio voltou ao equilíbrio. Agora: está tudo bem se todos querem ter um comércio equilibrado, mas e se o governo chinês não quisesse isso? Eles disseram "Ei, precisamos nos desenvolver, os Estados unidos já são desenvolvidos. Queremos uma base industrial, queremos um mercado para onde vender nossos produtos. Queremos exportar mais aos Estados Unidos do que importamos deles. Queremos crescimento baseado em exportação". Eles não gostaram da dinâmica que viram, não gostaram do valor de conversão, não gostaram do Yuan ficando caro. Então digamos que o governo chinês - deixe-me voltar um pouco pra cima - o governo chinês queira manter a taxa de câmbio indexada a - fiquei sem espaço aqui - a 10 yuans por dólar. E querem isso, eles querem essa situação para sempre, para que a China continue a exportar mais para os E.U.A. do que os E.U.A. exportam para a China, ou talvez quisessem ainda mais. Que a China continuasse exportando mais e mais para os E.U.A. do que os E.U.A. para a China, para que a China pudesse construir sua base industrial. E acho que a visão mais sombria é a de que o objetivo era que a base industrial americana ficasse empobrecida. Que os chineses produzam tudo mais e mais barato, até que os fabricantes americanos não possam competir. Falaremos mais sobre isso em mais vídeos, não é claro que isso seja 100% vantajoso só para um lado. Na verdade, existem vantagens que os Estados obtém com isso também, e discutiremos mais isso. É um pouco mais complexo. Como eles poderiam fazer isso? Vamos dizer que o governo chinês queira essa realidade, e a queiram congelada. Eles não querem uma realidade em que o comércio se altera. Como eles podem interferir nos mercados de câmbio para que as mudanças não ocorram? Porque, como dissemos, se mais bens chineses são comprados, há mais demanda pelo Yuan, o Yuan deve valorizar, o dólar desvalorizar. Mas como conseguir ambos? Como manter e comer o seu pedaço do bolo? Como ter mais produtos exportados para os Estados Unidos do que o contrário, sem que o Yuan valorize? E a maneira de se fazer isso é pelo governo chinês ou mais especificamente devemos falar do Banco Central Chinês. O Banco Central Chinês, que é parte do governo chinês pode dizer "ei, para manter o Yuan desvalorizado, vamos imprimir dinheiro." Deixe-me desenhar o Banco Central Chinês. O Banco Central da China O Banco Central da China... Deixe-me descer até aqui. O Banco Central da China... Farei isso com uma cor nova. Bem aqui temos o Banco Central Chinês. O que eles fazem, eles podem apenas imprimir dinheiro. Tínhamos esse cenário, que destaquei nos últimos dois vídeos, onde havia esse desequilíbrio. Havia demanda para mil yuans, mas oferta de apenas 500 yuans. O que eles podem fazer é simplesmente equalizar isso. Eles poderiam simplesmente imprimir 500 yuans e então convertê-los em dólares. E tentar, ou melhor, converter em dólares. Então o que aconteceu? De repente, nós temos cem dólares que estão tentando ser convertido em mil yuans, se essa taxa de câmbio fosse constante. Há demanda por mil yuans. Antes do Banco Central Chinês se envolver, havia uma oferta de apenas 500 yuans. Mas agora o Banco Central Chinês diz: "Ok, há demanda para 1.000 yuans, tem apenas 500 de oferta, vamos produzir mais 500. Podemos literalmente imprimi-los". Depois vão converter o que imprimiram em dólares. Então simples assim, você tem um equilíbrio de oferta e demanda. Você tem 1.000 yuans. 500 aqui e 500 aqui que querem ser convertidos em dólares, e então tem 100 dólares que querem ser convertidos em 1.000 yuans. Então se fizessem isso, a moeda não se alteraria. A taxa de câmbio não se alteraria. A oferta e demanda das duas moedas seria igual. E isso funcionaria, e, francamente é o que eles tem feito por algum tempo já. Mas há uma sacada aqui. Durante todo o tempo que eles tem feito isso, o que está acontecendo? Bem, eles continuam exportando mais para os Estados Unidos e os Estados Unidos importando para a China. Eles caras continuam tendo que imprimir Yuans e comprar dólares com esses Yuans para manter a moeda chinesa barata. Então essas pessoas vão continuar acumulando dólares. Eles continuam imprimindo Yuans e continuam acumulando dólares. Deixe-me desenhar aqui. O Banco Central Chinês continua simplesmente começa a acumular muitos dólares. Eles podem imprimir Yuans o quanto quiserem, esses Yuans são trocados por dólares, então esses caras começam a acumular mais e mais dólares aqui. E quanto mais eles querem que esse desequilíbrio ocorra, e quanto maior o período, mais dólares terão que acumular. Logo eles tem que continuar fazendo isso, não podem parar. Eles tem que continuar para manter o balanço comercial como está. Depois falarei sobre o que eles precisam fazer com esses dólares, porque eles não podem manter em dinheiro, o que eles precisam fazer com esses dólares e qual efeito isso tem sobre a economia dos Estados Unidos. Então podemos falar sobre como isso pode se desenrolar, mas vamos ver que é muito difícil para esse cenário se desenrolar, uma vez que ele começou. [Legendado por: Erick Yoshida] [Revisado por: Karoline]