Carregando

Transcrição de vídeo

Nos últimos vídeos vimos que olhar puramente para a capitalização de mercado pode ser um pouco incorreto, ao ver empresas que têm boa alavancagem ou que têm boa quantia de dívidas. Por exemplo, se esses são os ativos de uma empresa, e digamos que eles tenham essa quantia de dívidas. E esse seja o patrimônio deles. E digamos que eles tenham excesso de caixa. Dinheiro que não é necessário para operar o negócio. Vou desenhar isso aqui. Então isso é excesso de caixa. Algum dinheiro é necessário e, muitas vezes, as pessoas não sabem distinguir. E elas apenas veem isso tudo como dinheiro. Mas nós realmente queremos separar o valor da empresa do valor de mercado do patrimônio ou do valor de dívida. Vou escrever isso. Isso aqui, esse é o valor do negócio. O valor da empresa (EV). Isso é a dívida. A dívida. E esse é o patrimônio. E isso é um pouco de, eu diria, tecnicidade. E você não tem que se preocupar se isso está te confundindo. Quando eu escrevo "valor da empresa" aqui, esse é o valor do negócio em si. É o patrimônio operacional líquido dos passivos operacionais. É literalmente -- Se você tivesse que ir nos dois exemplos passados e comprar a pizzaria, quanto você teria que pagar por aquela pizzaria? E é isso que estamos tentando compreender aqui quando falamos de valor de empresa. E vimos nos últimos vídeos como calcular, mas não faz mal revisar. Esse é um daqueles cálculos menos intuitivos na primeira vez que se vê, então não faz mal fazer isso de novo. A primeira coisa a se achar é: como você descobre o valor de mercado do patrimônio? O valor contábil do patrimônio é fácil. No balanço contábil da empresa você acharia um número. A empresa dirá "isso é o que nossos contadores dizem que é o valor contábil do patrimônio." Mas o valor de mercado, você descobre a partir do que o mercado paga por uma ação. Então o valor de mercado de patrimônio ou o market cap... é igual ao preço por ação vezes a quantidade de ações. E esse é o valor de mercado desse patrimônio. E você pode ver, a partir desse diagrama, que o valor da empresa mais o capital não-operante, ou investimentos, investimentos líquidos, como você preferir. O valor da empresa mais excesso de caixa é igual: a dívida... mais, digamos, market cap. Porque o que queremos saber, quando olhamos para um preço, queremos poder descobrir quanto que o mercado está dizendo que é o valor da empresa? Qual é o valor de mercado da empresa? Então dívida mais... ao invés de patrimônio, vou escrever capitalização de mercado, porque é a mesma coisa. Capitalização de mercado é o valor de mercado do patrimônio. Mais market cap. Nós conhecemos o market cap. Nós podemos procurar a dívida no balanço contábil da empresa. Podemos procurar o caixa em excesso. Subtraímos o caixa dos dois lados e temos que valor da empresa é igual a... Colocarei market cap primeiro. Market cap... mais dívidas, menos caixa. Nós estamos colocando caixa apenas no lado direito dessa equação. Menos caixa. Então por exemplo, se eu tenho uma ação a um preço de, digamos que o preço seja $10. E digamos que existam 1 milhão de ações. E que a empresa tenha $50 milhões em dívidas. E que ela tenha $5 milhões de caixa excedente. Qual é o valor da empresa? Primeiro, você descobre qual o market cap. O market cap é $10 por ação vezes um milhão de ações. Então isso dá $10 milhões em ações. Esse é o market cap. Você soma a dívida. Então, mais $50 milhões. E de novo, disse isso no último vídeo. É pouco intuitivo quando você descobre o valor da empresa e soma à divida. O racional é que, se alguém quisesse comprar a empresa dos stakeholders e não ter dívidas, eles teriam que pagar a essas pessoas o valor total da dívida, e eles teriam que pagar a essas pessoas o valor total de mercado. Então eles teriam que pagar a dívida mais o patrimônio. E eles conseguiriam um reembolso do dinheiro. Isso seria algo extra que eles comprariam e pelo qual poderiam receber dinheiro de volta. Você tem que pagar pelo patrimônio, pela dívida dos proprietários, e receberia um reembolso pelo caixa. Então qual o valor da empresa? $60 milhões menos 5. Isso é $55 milhões. Pronto. Essa foi uma revisão do vídeo sobre valor da empresa. Mas a questão é: agora que você descobriu o valor da empresa, como você sabe se esse é um valor justo? Quando você olhou para a capitalização do mercado, você comparou isso aos lucros. A relação preço / lucros. Você estava fazendo isso por ação. Esse é o preço por ação dividido por lucro por ação. Essa razão é equivalente ao market cap... dividido pelo lucro da empresa. Onde, se multiplicar o numerador e denominador pelo número de ações, terá o market cap e o lucro. Esse é o EPS. P/E é, na verdade, o preço por ação dividido por lucro por ação. É uma forma de enxergar isso. Poderia comparar duas empresas. E vimos que há diferenças se elas têm estruturas de capital diferentes. A que você compara o valor de empresa? Aqui fizemos market cap com o lucro. O valor da empresa deveria ser comparado com o quê? Eu expliquei no último vídeo que, se estamos olhando para a empresa nós devemos olhar basicamente para os lucros que estão vindo dessa empresa. Nós devemos olhar para os lucros vindo desse ativo aqui. No primeiro vídeo sobre declaração de renda, eu inferi que-- Façamos um balanço contábil. Você tem sua receita. A receita poderia ser 100. Você tem o custo dos produtos vendidos. O custo dos produtos vendidos poderia ser, digamos, que seja 50. E lhe mostrarei outra convenção. Alguém comentou e sugeriu que utilizasse essa convenção. Que é, realmente, a convenção mais usual para contadores e analistas financeiros. Ao invés de escrever negativo, se escreve entre parênteses. Que significa negativo. 50 negativo (gastos). Então, o lucro bruto seria 50. Na verdade, eu quero fazer algo interessante. Digamos que o custo dos produtos vendidos, não envolva depreciação ou amortização. Assista a esses vídeos se essas palavras lhe deixam confuso. E toda a apreciação e amortização ocorrem em nível corporativo. Digamos que há algum VA&G (vendas, administrativo e encargos gerais) Mas isso sem depreciação e amortização. Digamos que sejam custos de 10. Digamos que há alguma depreciação e amortização também. D&A. Depreciação e amortização. Nos últimos vídeos, eu meio que agrupei os dois. E esse tende a ser o caso. Em muitos demonstrativos, não se separam a depreciação e amortização. Você precisaria olhar na demonstração de fluxo de caixa para diferenciar. Farei isso em um vídeo futuro. Mas digamos que temos essa separação. Às vezes acontece. E digamos que tem outros 5. Talvez esses sejam milhares. E então você fica com o lucro operacional. Nesse caso, que é 50 menos 15, que é 35. Depois você tem coisas abaixo disso. Tem juros. Vou fazer isso... Você tem lucro não-operacional e juros e tudo mais. Juros. Digamos que sejam 5 mil também. E então você tem lucros antes dos impostos. Não inclui o lucro não-operacional. Vamos pensar que o caixa não está gerando dinheiro. Então o lucro antes dos impostos é 30 mil. Está ficando meio bagunçado. Depois você tem os impostos. Pode ser 1/3 disso. São 10 mil de impostos. E aí você tem o lucro. 30 menos 10 é 20 mil. Então eu sugeri, qual parte do demonstrativo de resultados depende apenas desse pedaço aqui? Depende apenas desse pedaço. Toda essa parte com juros depende da dívida. E essencialmente os impostos dependem da dívida. Porque quanto mais juros se tem, mais você pode descontar. Então tudo isso aqui depende da estrutura do seu capital. Se você quisesse olhar o que o valor da empresa está rendendo, ela está gerando o lucro operacional. Ela está gerando o lucro operacional logo aqui. Sugeri que essa é uma proporção muito boa, apesar de não ser tradicional. Não é tão pouco tradicional, mas não se ouve falar muito disso por aí. Eu diria que você poderia olhar para o valor da empresa sobre lucro operacional como uma boa métrica. Valor da empresa sobre lucro operacional. O que em muitos casos é o inverso de retorno sobre ativos como defini no primeiro vídeo. Existem várias definições de retorno sobre ativos. Mas basicamente, para cada dólar de lucro operacional, quanto você está pagando para a empresa. O que eu acho que é uma métrica muito boa. Agora, a métrica mais convencional que você verá quando se fala de valores de empresas, é o valor de empresa sobre LAJIDA (EBITDA). E se você encontrar um trabalho como analista de pesquisas em alguma empresa, é uma coisa que espera-se que você calcule para uma empresa. E que você saiba conversar de forma inteligente sobre isso. A primeira pergunta, para falar de forma inteligente sobre qualquer coisa é, o que é LAJIDA? LAJIDA é Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização. Então vejamos quanto seria isso aqui. Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Antes disso tudo. Na verdade, vamos comparar a uma coisa que vimos antes. Então há o LAJIDA. Há o LAJIDA. E há o LAJIR. LAJIR é lucro antes de juros e imposto de renda. Então LAJIR é lucro. Você soma de volta os juros e impostos. Você tem o lucro operacional. E vimos isso no passado, mas a diferença entre lucro operacional e LAJIR, é que o LAJIR pode incluir lucro não- operacional, que não incluí aqui. Mas se esse caixa estiver gerando algum lucro, não-relacionado ao negócio, estaria incluído no LAJIR. Não seria lucro operacional. Mas eles são bem parecidos se estamos tratando de, digamos, um tipo de negócio não-financeiro. Esse é o LAJIR. Se você quiser o LAJIDA, você apenas soma de volta a depreciação e a amortização. O LAJIDA estaria aqui. Então o LAJIR é 35 mil. Se você adicionar de volta, seriam 40 mil. O LAJIDA nesse caso seria 40. Minha unidade é em milhares, é 40 mil. A questão agora é: por que as pessoas se importam com LAJIDA? Por que é usado o LAJIDA ao invés de lucro operacional? A lógica é que a depreciação e amortização-- --fizemos isso nos vídeos de depreciação e amortização-- são custos espalhados, não necessariamente são gastos do período. Nós vimos que essa depreciação e amortização-- Talvez eu tenha comprado um objeto de $100 ou $100.000 há dez anos. E a cada ano, eu deprecio 1/20 do objeto. Mas o dinheiro foi gasto há 20 anos. Então essa é a depreciação e amortização nesse período, não são necessariamente gastos de agora. De fato, não é um gasto atual. Falaremos em vídeos futuros sobre como descobrir qual o dinheiro "saindo pela porta" em um dado período. Assim, é considerado uma despesa não-monetária. Quando você descobre o LAJIDA, quando adiciona de volta os impostos, adiciona de volta os juros e adiciona de volta a depreciação e amortização. O que resta basicamente é: quanto dinheiro bruto a empresa está ganhando? E muitas pessoas ligam para isso porque essa é uma indicação de, primeiro, a habilidade da empresa de fazer coisas. Para depois, fazer coisas como pagar os juros, pagar impostos ou investir no próprio negócio. Outra forma de ver isso: se você olhar o valor da empresa sobre LAJIDA, você está dizendo: para cada dólar bruto que esse negócio produz-- E digamos que não reinvestirei no negócio nem comprarei equipamento novo-- São apenas dólares brutos, quanto estou pagando na empresa? Como regra geral, e faremos isso mais vezes no futuro. Acho que ultrapassei o meu tempo limite regular. É que para um negócio estável, simples, não-decrescente e não-crescente, cinco vezes o LAJIDA é considerado um bom valor. Mas o que importa mais é o quanto valem outras companhias na mesma indústria. Então essas proporções são melhores para usar como métricas de valor relativo. No futuro mostrarei como fazer uma análise de fluxo de caixa descontado, ou fluxo de caixa livre descontado, ou modelo de desconto de dividendos, ou algo assim. Para que se possa descobrir um valor absoluto. Mas quando você está olhando em mercados públicos, quando você decide comprar algo, você implicitamente decide não comprar outras coisas. Quando escolhe vender algo, escolhe implicitamente não vender outras coisas. Então o valor relativo passa a importar um pouco mais. Enfim, espero que você tenha achado isso útil. [Legendado por Erick Yoshida] [Revisado por Joyce Vázquez]