If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Exemplo de cálculo de IPC e inflação

Neste vídeo, resolvemos um exercício para praticar o cálculo do IPC e da inflação.

Quer participar da conversa?

  • Avatar blobby green style do usuário Bruno Soares
    Se a "Taxa de Inflação" mede a VARIAÇÃO PERCENTUAL entre os níveis de preço ao longo do tempo, o cálculo da alínea d está incorreto. Nesse caso, a inflação teria sido de 24%, e não 124%, como mostrado no vídeo (5m:06s)!
    (3 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar blobby green style do usuário Júlio Vilela
    Exatamente. A resposta D está errada. A inflação foi de 24% e não 124%. Para ser de 124% os preços mais do que teriam que dobrar, o que só de bater o olho já dá para perceber que não aconteceu
    (3 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA3JV - O IPC ou o índice de preços ao consumidor é usado para medir o custo de uma cesta básica de bens de consumo. Digamos que a família típica de Pindorama compra 4 pães, 3 potes de margarina e 8 livros por semana. Os preços destes produtos nos anos de 2018, 2019 e 2020 podem ser observados na tabela abaixo. Na sequência, temos algumas questões. Qual é o IPC em 2020, usando 2019 como ano-base? Qual é o IPC de 2018, usando 2019 como ano-base? Qual a taxa de inflação entre 2018 e 2019? Qual a taxa de inflação entre 2019 e 2020? E como última pergunta, uma reflexão. Por que a taxa de inflação observada entre 2019 e 2020 pode mudar o custo de vida das famílias? Agora, pause o vídeo e veja se você consegue responder tudo isto antes de eu continuar. Muito bem, vamos fazer estes cálculos passo a passo, ok? As duas primeiras questões, pedem que calculemos o IPC em 2020 e em 2018, adotando 2019 como ano-base, certo? Então, como fazemos isso? Eu vou criar uma coluna nova aqui ao lado, e esta vai ser a coluna do custo de vida. Nós sabemos que as famílias de Pindorama compram 4 pães, 3 potes de margarina e 8 livros por semana. Beleza! Cada pão custava 1 dinheiro em 2018, certo? Então, 4 vezes 1 igual a 4. As famílias compravam 3 potes de margarina em 2018 e cada pote custava 3 dinheiros. 3 vezes 3 igual a 9. 4 mais 9 igual a 13. E as famílias compravam 8 livros por semana em 2018. Que bom, hein! As pessoas lá de Pindorama gostam muito de ler! Então, temos aqui 8 vezes 10 igual a 80, com os 13 somamos 93. Muito bem, 93 dinheiros era o custo da cesta básica semanal das famílias de Pindorama em 2018. E em 2019? A cesta básica é a mesma, o que muda são os preços dos produtos. Os pães, agora, custam 2 dinheiros. Então, 4 vezes 2 é igual a 8. Os potes de margarina custam, em 2019, 6 dinheiros. 3 vezes 6 igual a 18. E os livros passaram a custar 20 dinheiros. 8 vezes 20 igual a 160. Olha só, somando o que as famílias passaram a gastar para suprir suas necessidades de consumo em 2019, temos 8 + 18 + 160, isto dá 186. Beleza, agora vamos fazer a mesma coisa em 2020. Você já sabe, 4 vezes 3 igual a 12, 3 vezes 6 igual a 18, 8 vezes 25 igual a 200 12 mais 18 é igual a 30, mais 200, é igual a 230. Com estes dados, agora podemos calcular o IPC. Nosso ano-base é 2019, certo? Então, 2019 equivale a 100%. O cálculo do IPC considera o custo de vida de um ano, dividido pelo custo de vida do ano-base vezes 100. 2019 é o ano-base. Então, o cálculo aqui seria 186/186 = 1, vezes 100 igual a 100. Por isso, 100%. E nos outros anos? Em 2018, o custo de vida era de 93. O custo do ano-base é 186. 93 é metade de 186. Então, 93/186 é 0,5, vezes 100 é igual a 50. O custo da cesta básica em 2020 foi 230, dividido por 186, vamos ver quanto dá isso. Faça aí na sua calculadora! Você vai ver que 230 por 186 não dá um número inteiro. 1,24, mais ou menos. 1,24 vezes 100. E temos um IPC de, aproximadamente, 124 em 2020. Então, em "a", temos: calcule o IPC de 2020 usando 2019 como ano-base. 124. Em "b", calcule o IPC de 2018, usando 2019 como base, 50. Em "c", é pedido que calculemos a taxa de inflação entre 2018 e 2019. Se você observar, verá que IPC passou de 50 em 2018 para 100 em 2019. Ou seja, os preços dobraram de um ano para o outro. Olha lá! O pão era 1, passou para 2. A margarina passou de 3 para 6. Os livros foram de 10 para 20. Inflação é o crescimento dos preços, e os preços destes bens simplesmente dobraram de 2018 para 2019. Inflação 100%. Bom, e em "d"? Aí temos que avaliar o IPC de 2019 e o de 2020. Então, vemos que de 100, os preços subiram para 124. É como se multiplicássemos 100 por 1,24. Então, podemos afirmar que o crescimento da inflação de 2019 para 2020 foi de 124%. Finalmente, em "e", temos que avaliar por que essa taxa de inflação, observada entre 2019 e 2020, poderá provocar mudanças consideráveis no custo de vida das famílias de Pindorama. Estamos nos referindo à questão "d", certo? Então, que tal dar aquela pausa no vídeo e ver se você consegue responder esta questão. Pois bem, chegou a uma conclusão? Olha é simples, veja só! O pão passou de 2 para 3 dinheiros em 2020, não passou? O preço do pão cresceu 50% de um ano para o outro. E os livros? Eram 20 dinheiros em 2019, são 25 em 2020. 5 dinheiros a mais equivalem a um aumento de 25% no preço dos livros, certo? Só que, olha só, o preço da margarina não cresceu! Aliás, nem mudou. Um pote de margarina em 2020 custava a mesma coisa que um pote de margarina em 2019. O crescimento foi zero. Dá para imaginar o cenário? As famílias consomem 4 pães e os pães agora são 50% mais caros do que eram no ano passado. As famílias consomem 8 livros por semana e os livros ficaram 25% mais caros do que no ano anterior. E as famílias consomem 3 potes de margarina que têm exatamente o mesmo preço que tinham no ano passado. Isso pode mudar radicalmente a cesta básica das famílias de Pindorama. Talvez elas passem até a consumir menos pães e menos livros e aumentem o consumo de margarina. Poderíamos escrever assim, a cesta básica pode se alterar dando maior peso aos bens cujos preços sofreram menor impacto inflacionário como, por exemplo, a margarina. Porque estes preços parecem relativamente mais baratos para o consumidor. Esta última questão vale a pena a gente lembrar que o IPC não é um indicador perfeito. Se há itens diferentes na cesta básica e os preços desses itens variam individualmente, então, não dá para dizer que os itens destas cestas serão sempre consumidos da mesma forma ou nas mesmas quantidades. Por isso, esta cesta tem que ser revista e reequilibrada constantemente. Muito bem, ficamos por aqui. Eu espero que você tenha entendido como funciona o cálculo do IPC da inflação. Até mais!