If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Resumo da aula: desemprego

Neste resumo de aula, revise e relembre os principais termos e cálculos usados para medir o desemprego, a força de trabalho, a taxa de desemprego, a taxa de participação da força de trabalho e a taxa natural de desemprego. Os tópicos incluem os desempregos cíclico, sazonal, friccional e estrutural.

Panorama da lição

O desempenho econômico de um país é medido por meio de três indicadores principais, sendo a taxa de desemprego um deles. Quando adultos que estão dispostos e aptos a trabalhar não conseguem encontrar emprego, isso pode ser um sinal de uma economia que está produzindo menos do que sua capacidade. Por outro lado, o desemprego também é um fenômeno natural experimentado até mesmo por economias saudáveis. Embora a taxa oficial de desemprego seja útil para representar o estado da força de trabalho de um país, ela tem algumas deficiências que devem ser consideradas, como a exclusão dos trabalhadores desmotivados.
De acordo com as definições dos economistas, existem três tipos de desemprego: friccional, estrutural e cíclico. Durante os períodos de recessão e expansão, a quantidade de desemprego cíclico varia. O desemprego cíclico está intimamente relacionado ao ciclo dos negócios e ocasiona os desvios da taxa de desemprego atual em relação à taxa de desemprego natural.

Termos-chave

Termo-chaveDefinição
desempregoquando as pessoas não estão trabalhando, mas estão ativamente procurando emprego; por exemplo, João não trabalhou semana passada, embora tenha procurado emprego; portanto, ele é considerado uma pessoa desempregada.
desempregadotermo que descreve uma pessoa que poderia estar trabalhando e deseja trabalhar, mas não está trabalhando. Para ser considerado um desempregado, você deve fazer parte da população elegível, não estar trabalhando e estar ativamente procurando emprego.
taxa de desempregoa porcentagem da força de trabalho que está desempregada.
força de trabalhoo número de pessoas em uma população que estão empregadas ou desempregadas.
população elegívelsão as pessoas consideradas qualificadas para fazer parte da força de trabalho; por exemplo, nos Estados Unidos, a população elegível é qualquer pessoa com 16 anos ou mais que não esteja institucionalizada (ou seja, na prisão) e não esteja no serviço militar.
taxa de participação na força de trabalhoa porcentagem da população elegível que está na força de trabalho.
trabalhadores desmotivadospessoas que não têm emprego, mas aceitariam um se recebessem uma proposta. Contudo, elas desistiram de procurar emprego e, portanto, não são contabilizadas na força de trabalho; por exemplo se Carolina desistir de procurar emprego porque está tendo dificuldades de encontrar, ela não será mais considerada parte da força de trabalho, passando a não ser contabilizada como desempregada.
subempregadopessoas que trabalham meio período, mas que gostariam de trabalhar em período integral se encontrassem um trabalho em tempo integral; por exemplo, Paulo quer trabalhar em tempo integral como engenheiro, mas só consegue encontrar trabalho com carga horária de meio período.
produto a pleno emprego(também chamado de produto real a pleno emprego) a quantidade de produto produzido em uma economia quando ela está usando todos os seus recursos de maneira eficiente. O produto a pleno emprego seria uma combinação do produto que está na CPP (Curva de Possibilidade de Produção) de um país.
taxa natural de desempregoa taxa de desemprego existente quando uma economia está produzindo produto a pleno emprego. Quando uma economia está em recessão, a taxa de desemprego atual é maior do que a taxa natural. Nos períodos de expansão, a taxa de desemprego atual é menor do que a taxa natural.
desemprego friccionalo componente da taxa natural de desemprego resultante da não instantaneidade do processo de procura por emprego; por exemplo, após Rosa se formar na faculdade de odontologia, ela demorou algumas semanas até encontrar um trabalho como dentista. Durante esse período, ela estava friccionalmente desempregada.
desemprego estruturaldesemprego que ocorre como resultado de uma mudança estrutural na economia, como o desenvolvimento de uma nova tecnologia ou setor, que faz parte da taxa natural de desemprego. Por exemplo, Cláudio encontra a cura para todas as doenças dentárias; consequentemente, Rosa perde seu trabalho como dentista e agora está estruturalmente desempregada.
desemprego cíclicoo desemprego associado às recessões e expansões, podendo ter um valor positivo ou negativo. A taxa de desemprego atual dependerá da taxa natural de desemprego e da quantidade de desemprego cíclico da época.

Pontos principais

A taxa de participação na força de trabalho (TPFT)

A taxa de participação na força de trabalho (TPFT) é outra medida da atividade no mercado de trabalho na economia. A TPFT é a porcentagem da população adulta que está na força de trabalho. A força de trabalho inclui todos os empregados e desempregados. A população adulta é definida como qualquer pessoa com 16 anos ou mais que poderia fazer parte da força de trabalho. Pessoas com menos de 16 anos, que estão no serviço militar ou que estão institucionalizadas não são consideradas parte potencial da força de trabalho, não sendo contabilizadas neste cálculo.
Quando as pessoas entram na força de trabalho, a TPFT aumenta, e quando as pessoas saem da força de trabalho, a TPFT cai. Quando ocorre uma queda na TPFT e na taxa de desemprego ao mesmo tempo, pode ser um sinal de que existem mais trabalhadores desmotivados.

Limitações da taxa de desemprego

A taxa de desemprego, da forma como é medida oficialmente, sofre críticas constantes por minimizar o nível de desemprego, já que exclui qualquer pessoa que está trabalhando de alguma forma ou que não está procurando emprego. Especificamente, a taxa de desemprego oficial exclui trabalhadores desmotivados e subempregados. As pessoas que desistiram de procurar emprego porque estão convencidas de que não conseguem são consideradas trabalhadores desmotivados. Algumas pessoas são contabilizadas como empregadas porque estão trabalhando meio período, ainda que desejem trabalhar em período integral.

Três tipos de desemprego

Os economistas se concentram, essencialmente, em três tipos de desemprego: cíclico, friccional e estrutural. O desemprego cíclico é o desemprego associado aos altos e baixos do ciclo dos negócios. Nos períodos de recessão, o desemprego cíclico cresce, aumentando a taxa de desemprego. Durante as expansões, o desemprego cíclico cai, provocando uma queda na taxa de desemprego.

A taxa natural de desemprego

A taxa natural de desemprego (TND) é a taxa de desemprego existente quando a economia produz o produto real a pleno emprego. A TND é igual à soma do desemprego friccional e do desemprego estrutural. Quando uma economia estiver produzindo uma quantidade eficiente de produto (o que significa que está operando em sua CPP), a taxa de desemprego será igual à taxa natural de desemprego. Mesmo que uma economia possa estar operando de maneira eficiente, ainda haverá desemprego. Por isso, a taxa natural de desemprego nunca será igual a zero.

Variações na taxa natural de desemprego (TND)

A taxa natural de desemprego (TND) pode variar gradualmente com o passar do tempo devido a eventos, como mudanças nas características da força de trabalho. A TND pode variar em decorrência de mudanças no desemprego estrutural e friccional. Por exemplo, uma empresa pode querer contratar menos trabalhadores porque as competências desses trabalhadores não são mais tão necessárias como eram antes. Isso gerará mais desemprego estrutural, provocando um aumento na taxa natural de desemprego.

Principais equações

A força de trabalho:

A força de trabalho é composta pelo número de pessoas desempregadas e pelo número de pessoas empregadas:
FT=nº Desempregados+nº Empregados
Para ser empregado, você deve ter trabalhado (no mínimo uma hora) na "semana de referência" (a semana a respeito da qual você está sendo questionado). Para ser contabilizado como desempregado, você não deve ter trabalhado na semana de referência e estar ativamente procurando emprego.

A taxa de participação na força de trabalho (TPFT)

A TPFT é a porcentagem da população elegível que está na força de trabalho.
TPFT=FTPopulação Elegível×100%
Não são consideradas parte da população elegível pessoas que não estão na idade de trabalho (definida em 16 anos ou mais), institucionalizadas (por exemplo, na prisão) ou no serviço militar.

A taxa de desemprego (TD)

A taxa de desemprego é a porcentagem da força de trabalho que está desempregada.
TD=nº Desempregadosnº na Força de Trabalho×100%

Equívocos comuns

  • Nem todos que estão fora do mercado de trabalho estão desempregados. Para ser contabilizado como desempregado, você precisa estar fora do mercado de trabalho, procurando emprego e estar apto a aceitar um trabalho caso receba um proposta. Se você está fora do mercado de trabalho e não está procurando emprego, você é considerado como "fora da força de trabalho", e não como desempregado.
  • Nossa tendência é pensar no desemprego como uma coisa indesejável, mas uma certa quantidade de desemprego faz parte de uma economia saudável. O desemprego estrutural ocorre quando novos setores são criados e setores antigos se tornam obsoletos. Por exemplo, quando deixamos de usar cavalos e carroças para usarmos carros, esse evento colocou muitos construtores de carroças na categoria de desemprego estrutural.
  • O desemprego friccional pode não parecer muito legal, mas pense no que significa ter zero desemprego — as pessoas nunca mais procurariam emprego, permaneceriam sempre no mesmo trabalho! Na verdade, vários romances distópicos foram escritos em que todos em uma sociedade são automaticamente designados para uma carreira fixa (como a série Divergentes). Essas sociedades também são muito desagradáveis se você não estiver feliz com sua carreira!
  • Uma queda na taxa de desemprego não é necessariamente um sinal de uma economia crescente. Quando as pessoas param de procurar emprego e saem da força de trabalho, como os trabalhadores desmotivados, a taxa de desemprego diminui mesmo que a situação de emprego verdadeira não tenha melhorado. Por isso, é importante olhar para as variações na taxa de desemprego e nas taxas de participação na força de trabalho. Ao olhar para essas duas variações, você consegue ter uma ideia mais completa das mudanças na situação de emprego.

Perguntas para discussão:

  1. Um inventor no Brasil desenvolveu uma nova máquina fantástica de ditado que grava perfeitamente a fala e transforma as falas num documento digitado. Infelizmente, isso significa um aumento no desemprego dos digitadores que trabalham nos escritórios. Que tipo de desemprego é esse? Explique.
  2. O país Perfeitolândia tem uma população de 120.000 pessoas. Dessas, 20.000 são crianças com menos de 16 anos, 72.000 têm empregos, 8.000 não têm trabalho e estão procurando emprego, e 20.000 pessoas estão aposentadas. Pressupondo-se que todos esses civis não estão institucionalizados, calcule a taxa de participação na força de trabalho e a taxa de desemprego.
  3. Explique por que uma queda na taxa de desemprego pode ser um sinal de um mercado de trabalho difícil.
Explicação: se os trabalhadores desempregados desistirem de procurar emprego, se tornarão trabalhadores "desmotivados" e não serão mais considerados parte da força de trabalho. Mas uma vez que não são mais desempregados, a taxa de desemprego do país sofre uma queda. Nesse cenário, uma queda na taxa de desemprego é um sinal de um mercado de trabalho difícil (e uma economia fraca).

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.