Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Resgate 4: Marcação a modelo X marcação a mercado

Diferentes formas de contabilização de um ativo. Marcação a modelo vs. marcação a mercado. Versão original criada por Sal Khan.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA13JL - Olá, tudo bem com você? Você vai assistir agora a mais uma aula de economia, e, nesta aula, nós vamos conversar sobre a diferença entre a avaliação de um valor de um ativo através de modelos e a avaliação do valor através do preço estabelecido pelo mercado. Para isso, vamos observar aqui o balanço de uma instituição financeira chamada Banco A. Aqui nós temos todos os ativos dessa empresa, em particular estes 4 bilhões em CDOs residenciais. Inclusive, é no que vamos nos concentrar aqui neste vídeo. Mas, de qualquer maneira, o total em ativos é 26 bilhões. Pelo menos de acordo com a contabilidade em nosso balanço, temos um total em ativos de 26 bilhões de dólares. Já o total em passivos é 23 bilhões de dólares. Então, se a gente subtrair 23 dos 26 bilhões, teremos o valor contábil do patrimônio dessa empresa. Se você acredita em todos os números no balanço da empresa, a empresa vale 3 bilhões de dólares. Isso é o que os acionistas possuem, eles possuem essa participação acionária. E se houver 500 milhões de ações, teremos 6 dólares para cada uma dessas ações. Agora, se o mercado estiver negociando a 12 dólares, ou seja, se está havendo uma troca de ações entre as pessoas que fazem parte do mercado, lembre-se, o mercado secundário, o mercado de ações, possui em em sua maioria pessoas que não estão relacionadas com a empresa negociando ações. Não é uma transação com a empresa. De vez em quando, existem transações com a empresa. É por isso que o valor de mercado é importante. Mas, na maior parte do tempo, quando olhamos para cotação de uma empresa, o que estamos vendo é apenas a transação entre duas partes não afiliadas com a empresa, inclusive, pode ser entre você e eu. Eu tenho minha conta em uma corretora, você tem a sua em outra, aí realizamos uma operação e trocamos o dono da ação. Para aquele segundo em que houve essa negociação, definimos o preço da ação. E, com isso, o valor do Banco A. Então, se o valor de mercado de uma ação é de 12 dólares por ação, temos um capital de mercado de 6 bilhões. O mercado, pelo menos para esse momento, ou pelo menos a pessoa que acabou de transacionar ou apenas negociar essas ações, está dizendo isso: "Não, eu não acho que essa empresa tem apenas 3 bilhões de patrimônio. Na verdade, eu acho que ela tem 6 bilhões de patrimônio líquido." Pode ser pelo fato de ela ter algum tipo de grande marca, o equivalente a ter carisma e boa aparência, e isso não pode ser quantificado em um balanço, ou talvez um desses ativos valham mais, talvez eles tenham apreciado desde a última vez que o banco realizou seu balanço patrimonial, ou talvez desde a última vez que o banco avaliou o valor do ativo, tenha acontecido alguma coisa que mudou o cenário, e isso é muito relevante para o que está acontecendo no mundo de hoje. Agora o que acontece se o valor de mercado estiver abaixo do valor contábil? Por exemplo, podemos ter o caso em que o mercado esteja negociando a 3 dólares por ação, e 3 dólares por ação vezes a metade de 1 milhão de ações é o valor de mercado de 1,5 bilhão de dólares. Ou seja, esse é o valor do patrimônio visto pelo mercado. Inclusive eu vou escrever isso aqui, esse é o valor de mercado. E o que o mercado está dizendo com isso? Ou pelo menos a pessoa que está comprando e a pessoa que está vendendo a ação bem neste exato momento, o que elas estão dizendo? Bem, elas estão dizendo isto: "Ok, o banco A diz que o seu total em ativos menos o seu total em passivos vale 3 bilhões, mas eu não acho que isso seja verdade. Eu acho que eu total em ativos menos o total em passivos é igual a 1,5 bilhão." Claro, não podemos ler a mente de ninguém, não sabemos por que essas pessoas pensam isso. Talvez elas pensem que a empresa tem menos ativos ou talvez que tenha mais em passivos. Enfim, não sabemos dizer. Mas vamos supor que somos capazes de ler a mente de alguém, vamos supor que estamos fazendo isso nesta linha bem aqui. Sabendo disso, vamos supor que essa pessoa, que pode ser eu ou quem sabe você, não ache que isso vale 4 bilhões. Eu acho que isso aqui possui um valor de 2,5 bilhões. E se isso vale 2,5 bilhões, então o total em ativos é igual a quanto? Há 1,5 bilhão a menos aqui. Então, temos um total de ativos igual a 24,5 bilhões. Eu sei que isso é um pouco confuso, mas se o mercado está dizendo isso, teremos aqui 4 dólares por ação. Com isso, o valor de mercado vai ser de 1,5 bilhão. E não sabemos por que o mercado está dizendo isso. Ele está dizendo isso porque ele acha que essa coisa não vale 4 bilhões, ele acha que vale apenas 2,5 bilhões, ou seja, o mercado acha que isso vale 1,5 bilhão a menos. Sendo assim, isso vale 2,5 bilhões de dólares. Com isso, ao somar tudo isso, teremos 24,5 bilhões menos 23 bilhões em passivos, aí o resultado disso vai nos levar ao valor de mercado do patrimônio. O valor de mercado do patrimônio é de 1,5 bilhão. Isso levanta uma pergunta interessante. Como as pessoas decidem ou como especialmente os bancos decidem o quanto alguns desses ativos valem? E em particular, essas CDOs? Bem, existem duas formas de fazer isso. Na verdade, existem todos os tipos de diferentes escolas filosóficas de economia que possuem formas diferentes de decidir o valor de um ativo. A gente poderia, por exemplo, colocar aqui o quanto que pagamos por isso. Talvez o banco tenha pagado originalmente 4 bilhões porque esperava que o valor disso fosse subir. Pelo menos era assim que todo mundo pensava. Todas essas CDOs pareciam ser ativos de alto rendimento. Com base nessas suposições, o banco disse: "Vou pagar 4 bilhões para isso." Com isso, foi colocado nos livros contábeis os 4 bilhões. Isso nunca mais foi reavaliado. Então, apenas foi colocado 4 bilhões, que foi o valor de compra. E aí, claro, as pessoas têm todo o direito de questionar esse número, inclusive podem pensar em algum momento que esse valor não faz sentido, afinal, como sabemos, os preços das habitações podem cair. Nós sabemos disso, especialmente para essa fatia mais arriscada de CDOs em que podemos ter esse valor sendo completamente eliminado, mesmo tendo um número relativamente pequeno de inadimplência em hipotecas. E sabemos que você, como CFO ou CEO do seu banco, tem todos os incentivos para não escrever o valor real aqui, principalmente porque você quer sustentar o valor da ação, já que você tem muitas opções na empresa e você acaba sendo avaliado através do preço das ações também. Enfim, eu posso fazer algum outro vídeo sobre incentivos em outro momento, afinal, não é o objetivo deste vídeo agora. Mas, de qualquer maneira, essa é uma forma de fazer isso, a avaliação foi feita com base no custo. Agora eu vou apresentar algumas palavras que você pode ter ouvido no noticiário, que são palavras que se referem a duas outras formas de avaliação de um ativo. A primeira é a avaliação chamada "market-to-model", ou avaliação por modelo. Essa forma de avaliação de um ativo, em especial esse ativo que eu marquei aqui, é feita com base em um modelo que eu tenho. Eu contratei vários PhDs das melhores escolas do país, eles são cientistas de foguetes, e alguns deles realmente são. Eles podem colocar o homem na Lua. Aí, eles vão fazer modelos de computador com algumas suposições. Esses modelos, com base nas suposições, vão me dizer quanto esse ativo vale. Os modelos vão basicamente modelar o comportamento, quantas dessas hipotecas serão pagas e quantas não, dentre outras coisas. Aí, utilizando certas premissas, os modelos vão me dizer que isso vale 3 bilhões de dólares. E se isso acontecesse em algum período, a empresa iria realmente ter que reavaliar isso. Os líderes dessa empresa terão que dizer o seguinte: "Olha, isso aqui não é mais 4 bilhões, nós vamos ter que alterar esse valor." Nós pensávamos que esse ativo valia 4 bilhões. Talvez seja o que pagamos originalmente por isso, mas aí reexecutamos o nosso modelo com base em novas suposições. Agora, de acordo com as nossas novas suposições em nosso modelo, temos um ativo de 3 bilhões de dólares. Ou seja, tivemos uma baixa de 1 bilhão de dólares. Originalmente, a gente tinha nos livros contábeis 4 bilhões. Talvez esse valor fosse baseado em antigas suposições que aplicamos ao nosso modelo. Porém, agora, nós atualizamos as suposições, ou até mesmo nosso modelo. Quando isso é feito, imediatamente você deve suspeitar, porque, mais uma vez, você está sendo dependente dos bancos para relatar sobre si mesmo. Claro, eles podem até ser bem-intencionadas. Mas, no final do dia, esse valor está sendo definido por um modelo onde suposições são colocadas naquele modelo, e francamente eu não me importo o quão complexo seja o modelo do banco e quantos doutores eles tenham para fazer esse modelo. No fim do dia, a pessoa sempre pode manipular os números com base nas suposições que ela fez. E, francamente, o mercado não tem muita transparência em relação a quais suposições são feitas. Por isso é muito difícil de acreditar, principalmente quando eles estão a todo momento reajustando o valor, Já que em situações como esta os modelos continuam tendo que fazer cenários mais pessimistas. Aí, com isso, talvez eles estejam apenas ganhando tempo. Talvez a primeira vez em que os membros do banco rodaram o modelo, eles realmente chegaram à conclusão de que isso vale zero. Nesse caso, ele não teriam patrimônio, porque se isso vale zero, eles têm apenas 22 bilhões em ativos e 23 bilhões em passivos, e isso faz com que eles tenham um patrimônio negativo, o que significa que eles estão insolventes, o que significa que eles devem ir à falência. Mas eles não querem fazer isso, eles não querem ser responsáveis por executar a falência da empresa. Então, eles não querem admitir, de repente, que tudo isto vale zero. Talvez eles admitam que não vale quatro, mas sim três. Aí eles vão ao mercado e tentam arrecadar mais dinheiro. Eu vou explicar isso em outro momento, porque eu sei que pode ficar muito complicado aqui. Enfim, isso que fizemos aqui foi uma avaliação por modelo, ou "market-to-model". Você já deve ter ouvido sobre isso, não é um conceito tão novo assim e nem tão complexo. Os modelos podem até ser complexos, mas a ideia é simples. Nesse tipo de avaliação, sou eu que vou fazer as minhas próprias suposições para descobrir o quanto um ativo vale. E como você pode imaginar, não podemos dar muito crédito ao próprio em relação às suposições para dar o valor a tudo isso que pertence ao próprio banco. Enfim, a outra proposta para precificar um ativo é através da avaliação a mercado, ou "market-to-market". Inclusive, podemos colocar aqui "MTM", que é a sigla para "market-to-market". Isso basicamente diz... Bem, se isso é um instrumento que é negociado em algum mercado, claro, digamos que essas CDOs vão ser negociadas em algum mercado e que essas CDOs serão precificadas de acordo com o mercado. Então, vamos supor que eu tenha aqui 1 bilhão dessas CDOs e que o preço de mercado dessas CDOs seja 1,5 dólar. Eu estou apenas inventando números aqui, ok? Mas, nesse caso, o valor de mercado disto aqui será de 1,5 bilhão. Aí, claro, fazendo a avaliação a mercado, a gente teria que colocar o valor disso aqui aqui em 1,5 bilhão. E aí você teria que anunciar isso aos acionistas. Agora, por que não é todo mundo que faz isso? Na verdade, eu acho que é uma pergunta muito boa, eu vou dizer por que os bancos não querem fazer isso. Bem, antes de tudo, algumas coisas no mercado, uma vez que ninguém quer comprar essas coisas, porque talvez as pessoas pensem que essas coisas realmente valem zero, acabam desaparecendo. E as poucas pessoas que vão vendê-las geralmente vão vendê-las porque estão angustiadas de alguma forma, ou seja, elas estão realizando uma liquidação. Com isso, as pessoas podem argumentar que o preço de mercado não está refletindo no verdadeiro valor desses títulos. Elas argumentam dizendo que as poucas pessoas que transacionaram fizeram isso por desespero. Por tanto, esse valor de 1,5 bilhão para essas CDOs, o valor de mercado dessas CDOs, não é verdadeiramente preciso. Aí, diante de um cenário como esse, essas pessoas dizem o seguinte: "Não, eu não posso admitir o que o mercado, o que o capitalismo me diz em relação ao preço", mesmo que essas sejam as mesmas pessoas que estiveram pelos últimos 30 anos dizendo: "Deixe o mercado determinar tudo, eu ganho 20 milhões de dólares por ano porque eu sou capitalista e porque eu corri riscos, e eu mereço esse dinheiro." Agora temos exatamente as mesmas pessoas dizendo para não acreditar no valor atribuído pelo mercado, no valor de mercado, porque agora o mercado está errado? Dizendo que os PhDs que fizeram os modelos que estão corretos? Se você pensar sobre isso, é uma maneira muito comunista de se pensar, porque em governos comunistas, eles não acreditam nos mercados, eles acreditam na contratação das pessoas mais inteligentes que eles puderem encontrar, ou seja, os PhDs que os seus ou os demais países possam ter, para essencialmente projetar seus mercados e determinar o quanto as coisas valem, sem deixar o mercado definir o preço. Enfim, eu não estou aqui para desabafar, mas sim para instruir você. O meu objetivo aqui não é deixar você com raiva, embora eu ache que só de estudar isso um pouco, você pode acabar ficando com raiva. Mas de qualquer forma, essa é a avaliação a mercado, "market-to-market". Eu espero que você tenha compreendido tudo direitinho e mais uma vez eu quero deixar para você aqui um grande abraço, e até a próxima!