Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Escultura assíria

Relevo do Espírito Protetor do Palácio Noroeste de Assurnasirpal II , 883-859 a.C., Neo Assírio, alabastro, 224 x 127 x 12 cm (restante), Nimrud (antiga Kalhu), norte do Iraque © Curadores do Museu Britânico. Parte de um par que guardava a entrada dos aposentos particulares de Assurnasirpal II. A figura de um homem com asas pode ser a figura sobrenatural chamada de apkallu em textos cuneiformes. Ele usa um kilt com tiras e um robe bordado e com franjas. Seu bigode frisado, cabelos longos, e barba são típicos de figuras dessa época. Através do corpo aparece a "Inscrição Padrão" de Assurnasirpal II, que registra alguns dos títulos do rei.
Embora a civilização Assíria, centrada no fértil vale do Tigre do norte do Iraque, possa ser rastreada até pelo menos o terceiro milênio a.C., algumas de suas ruínas mais espetaculares datam do primeiro milênio a.C., quando a Assíria dominava o Oriente Médio.

Assurnasirpal II

O rei assírio Assurnasirpal II (883-850 a.C.) estabeleceu Nimrud como sua capital. Muitas dos principais pátios e salas de seu palácio eram decorados com placas de gesso, com imagens esculpidas em relevo do rei como o sumo sacerdote e como um caçador e guerreiro vitorioso. Muitas destas peças estão expostas no Museu Britânico.
Estátua de Assurnasirpal II, Período Neo-Assírio, 883-859 a.C., de Nimrud (antiga Kalhu), norte do Iraque, magnesita, 113 x 32 x 15 cm
(Museu Britânico)
Este raro exemplo de estátua Assíria independente estava localizado no templo de Ishtar Sharrat Niphi para lembrar a deusa Ishtar da devoção do rei. Assurnasirpal II segura uma foice em sua mão direita, do tipo como os deuses são às vezes representados usando combatendo monstros. O bastão em sua mão esquerda mostra sua autoridade como vice regente do deus supremo Assur. A inscrição cuneiforme entalhada no seu peito proclama os títulos e a genealogia do rei, e menciona também sua expedição ocidental para o Mar Mediterrâneo.
Assurnasirpal II, cujo nome (Assur-nasir-apli) significa, "o deus Assur é o protetor do herdeiro", subiu ao trono Assírio em 883 a.C. Ele era de uma linhagem de reis enérgicos cujas campanhas trouxeram grande riqueza para a Assíria, e a estabeleceram como uma das grandes potências do Oriente Médio.
Assurnasirpal montou pelo menos catorze campanhas militares, muitas das quais para o norte e o leste da Assíria. Governantes locais enviavam ao Rei ricos presentes e recursos fluíram para o país. Esta riqueza foi usada em impressionantes obras realizadas numa nova capital em Kalhu (Nimrud moderna). Uma cidadela no topo foi construída e coroada com templos e o chamado Palácio Noroeste. Sucessos militares levaram a campanhas posteriores, desta vez para o ocidente, e laços estreitos foram estabelecidos com estados no Levante Norte. Fortalezas foram criadas nos rios Tigre e Eufrates e equipadas com guarnições.
Quando Assurnasirpal morreu, em 859 a.C., a Assíria havia recuperado muito do território que ela perdera por volta de 1100 a.C. como resultado dos problemas políticos e econômicos do fim do período Assírio Médio.

Painéis em relevo

Os reis posteriores continuaram a embelezar Nimrud, incluindo o filho de Assurnasirpal II, Salmanaser III, que ergueu o Obelisco Negro retratando a oferta de tributo vindo de Israel.
O Cerco e Captura da Cidade de Laquis em 701 a.C., painel 8-9, Palácio Sudoeste de Senaqueribe, Nínive, norte do Iraque, Neo Assírio, c. 700-681 a.C., alabastro, 182,880 x 193,040 cm (Museu Britânico)
Parte de uma série que decorava as paredes de uma sala no palácio do Rei Senaqueribe (reinou entre 704 e 681 a.C.). Os soldados Assírios prosseguem no ataque a Laquis. Eles levam um trono, uma carruagem e outros bens do palácio do governador da cidade. Na frente e abaixo deles algumas das pessoas de Laquis, transportando os bens que eles puderam salvar, se movem através de uma paisagem rochosa cravejada de videiras, figueiras e talvez oliveiras. Senaqueribe registra que como resultado de toda a campanha ele deportou 200.150 pessoas. Isto era a política padrão Assíria, e foi adotada pelos babilônios, o próximo Império dominante.
Durante os séculos VII e VIII a.C. os reis Assírios conquistaram a região desde o Golfo Pérsico até as fronteiras do Egito. O prédio mais ambicioso deste período foi o Palácio do Rei Senaqueribe (704-681 a.C.) em Nínive. Os relevos de Nínive no Museu Britânico incluem uma descrição do cerco e o sítio e captura de Laquis em Judá.
O Leão Agonizante, painel do Palácio Norte de Ashurbanipal, c. 645 a.C., Neoassírio, alabastro, 16,5 x 30 cm, Nínive, norte do Iraque
© Curadores do Museu Britânico. Parte de uma série de painéis de parede que mostra uma caçada real. Atingido por uma das flechas do rei, o sangue jorra da boca do leão. Havia uma longa tradição de caça real ao leão na Mesopotâmia, com cenas semelhantes conhecidas do final do 4o milênio a.C.
Os melhores entalhes, no entanto, são os famosos relevos da caça ao leão do Palácio Norte em Nínive referentes a Assurbanipal (668-631 a.C.). As cenas foram originalmente realçadas com tinta, a qual em alguns pontos sobrevive, e funcionam como as histórias em quadrinhos modernas, começando em uma extremidade seguindo ao longo das paredes para a conclusão.
Os assírios usavam uma forma de gesso para os relevos e o esculpiam utilizando ferramentas de cobre e ferro. A pedra é facilmente corroída quando exposta ao vento e à chuva, e quando era usada no exterior, se presume que os relevos devem ter sido protegidos por verniz ou tinta. É possível que esta forma de decoração tenha sido adotada pelos reis Assírios após as suas campanhas para o oeste, onde os relevos de pedra eram utilizados nas cidades Neo Hititas como Carquemis. Os relevos Assírios faziam parte de um esquema decorativo mais amplo, que também incluía pinturas em mural e azulejos.
Os relevos foram inicialmente usados extensivamente pelo rei Assurnasirpal II (cerca de 883-859 a.C.) em Kalhu (Nimrud). Esta tradição se manteve nos prédios reais nas capitais posteriores de Khorsabad e Nínive
© Curadoria do Museu Britânico

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.