Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Os leões caçadores de Assurbanipal

Leões caçadores de Assurbanipal, relevo em gesso do salão do Palácio do Norte, Nínive, ca. 645-635 a.C., escavação iniciada por H. Rassam em 1853 (British Museum)

Oradores: Dr. Steven Zucker & Dr. Beth Harris

.
Criado por Beth Harris e Steven Zucker.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

(música de jazz) Estamos no Museu Britânico em Londres e estamos vendo uma série de magníficos baixos-relevos. Esses mostram uma dramática caçada a leões e quem os mata é o rei da Assíria. Os assírios emergiram na Mesopotâmia antes de 1.000 A.C. mas aumentaram seu poder e na época em que os relevos foram feitos no século VII A.C. os Assírios eram dominantes e estavam no auge de sua civilização. Os Assírios tinham muitos palácios reais e cidades capitais: Nínive, Nimrud e Khorsabad. As cenas que estamos vemos agora são do palácio real de Nínive. Podem ter decorado um corredor. Assim, você poderia caminhar pela cena e ver diferentes momentos no tempo. Os reis assírios decoraram seus palácios com esses baixos-relevos representando cenas de batalha, de caça. Todas elas falam sobre o poder dos reis assírios, mas esse grupo de relevos em particular é especialmente naturalista e dramático. São considerados obras-primas da escultura assíria. É uma caçada a leões. É importante entender o simbolismo. Os leões que eram nativos da Mesopotâmia, na verdade, uma espécie um pouco menor que hoje está extinta, eram símbolos da violência da natureza. E o rei matando os leões... A propósito, havia uma lei que dizia que apenas o rei poderia matar leões. O rei matando leões era um ato simbólico importante que falava do rei dominando a natureza, mantendo sua cidade segura. Mesmo ao ver o rei matar leões aqui, ele os mata em uma arena. Ele não os mata na selva. Vamos nos mover pela história. De um lado do corredor vemos o rei se preparando para a caçada. Podemos identificar o rei pela coroa específica que usa E ele também é maior que as outras figuras que o ajudam a se preparar para a caçada. Vemos uma figura com rédeas puxando os cavalos, duas outras figuras virando na mesma direção do rei O lado esquerdo foi obviamente danificado. Estou impressionado com os cavalos. Os cavalos são esculpidos de forma muito mais natural. Ainda mais se observar a musculatura do rosto, dos olhos. Muitos detalhes. E emoção. Eles parecem resistir a usar rédeas para essa caçada. Podemos ver uma delas sendo apertada e outras duas figuras tentando acalmar os cavalos. Tudo isso acontecendo em um espaço fechado. E podemos ver outros ajudantes segurando algum tipo de cerca para encurralar os animais. Agora eles são representados abaixo da cena com o rei, mas somos levados a entender que eles estão ao redor do rei. Temos figuras humanas que embora estejam caminhando para a frente, existe uma formalidade em suas poses, mas estranhamente uma informalidade, eu acho, para os cavalos. Veremos também na representação dos leões, que são representados distintamente do grande senso de formalidade que o rei ou seus ajudantes possuem. Temos essa divisão entre o homem e o controle do homem e depois da natureza e sua selvageria. Conforme avançamos para o meio dos painéis vemos uma cena muito diferente. Somos puxados pra trás. Nossa visão, mais distante e vemos figuras muito menores agora. Vemos uma colina com muitas figuras. No topo, o que parece ser um monumento ao rei, mostrando ele mesmo um relevo de uma caçada com um rei em uma biga matando leões. É uma representação de uma representação da caçada. É o relevo de um relevo. Adoro isso. A cena é caótica. Figuras gesticulando de diferentes formas, escalando, algumas olhando para trás, outras para frente. Elas parecem subir a colina com pressa. Podem estar fugindo ou tentando conseguir uma posição melhor para assistir à caçada. Esses podem ser espectadores. Pensamos ver homens e mulheres, mas, na verdade, é tão velho que, em parte, se trata de adivinhação. Claro, isso era mais fácil de ser lido no palácio onde o relevo foi pintado. Foram feitos com muito brilho. Realmente teria se destacado. Conforme avançamos para direita, chegamos à arena, à caçada em si. Podemos ver que os leões ficarão parados no lugar por uma fila dupla de soldados com escudos e lanças. Além disso, para assegurar que os leões não fossem longe há outra fila de soldados com cães. Estão segurando lanças e os cães vão garantir que os leões não passem. Apesar dessas figuras serem representadas uma em cima da outra, podemos entendê-las como enfileiradas em profundidade no espaço. Adoro a representação dos cães. Você pode ver a agitação contra a coleira. Temos que ir à outra extremidade agora para ver como os leões entraram na arena. Vemos outra fila dupla da guarda real e vemos uma criança libertando um leão que parece muito ameaçador na caçada ao leão. Então é uma caçada totalmente forjada. E controlada. Vemos o rei na biga. Ele atira uma flecha. Vemos a flecha no ar e depois, claro, vemos os leões morrendo à nossa volta. Feridos, perfurados, alguns no chão, alguns pulando, representados com tanta simpatia. A variedade é incrível. O detalhe é incrível. Você notará que o rei corre certo perigo. Há um leão que estava ferido, mas volta para atacar, porém os assistentes cuidam da retaguarda. Isso tudo fala sobre poder, sobre a autoridade do rei sobre a natureza e a representação desse poder para o seu povo. (música de jazz) Legendado por Pedro Mota Byrro Revisado por Jessica Mazzini