If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Grande altar de Zeus e Atena em Pérgamo

Altar em Pérgamo, ca. 200-150 a.C., 35,64 x 33,4 metros, período helenístico (Museu Pergamon, Berlim). Oradores: Dr. Steven Zucker e Dr. Beth Harris. Criado por Beth Harris e Steven Zucker.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

Eu amo escultura grega, eu amo o arcaico Eu amo o clásicco e toda sua limitação e harmonia, mas tenho que te dizer que realmente amo o Helenístico -- e a razão disso são dois fragmentos de um grande friso de Pérgamo. Um tem Atenas no seu centro e outro Zeus. Posso ver porque você ama essas esculturas. Elas combimam o que é mais maravilhoso na escultura Grega antiga em relação ao amor ao corpo, mas também o sentido de expressividade e drama que nós associamos tanto com o Helenistico. O Helenístico está associado ao último período da art Grega, a última fase da arte Grega. Após a morte de Alexandre, o Grande; agora Alexandre, cujo o pai tinha sido rei ao Norte da Grecia na Macedônia foi capaz de conquistar toda a Grecia, e no fim das contas um enorme território bem além das fronteiras originais da Grécia. E assim tendo feito, expandiu a influência da cultura Grega em uma área consideravelmente mais ampla. Correto, de certa maneira ele ajudou a Helenizar esta área, ou torná-la Grega. A expansão de seu território alcançou as antigas civilizações Egípcias e todo o caminho para a fronteira entre a Persia e a Índia até o Vale dos Indus. Era um território enorme mas depois que ele morreu, todo seu império foi dividido entre seus quatro generais, e um desses generais viu um morro perto da costa da Turquia, que acreditava ser uma importante posição defensiva, e lá foi fundada a guarnição do Pérgamo, que se tornou por fim, o reino de Pérgamo. E essas são as pessoas que construíram este maravilhoso altar e esculpiram este fabuloso friso. Então, o que está representado aqui é um batalha entre os gigantes e os deuseus e deusas do Monte Olimpo de enormes proporções. Esta é uma grande batalha mítica, onde os gigantes lutaram com os Deuses Olímpianos pela supremacia da terra e do universo. Então, vamos dar uma olhada mais de perto. Vamos começar com o fragmento que tem Atenas no seu centro Ela é graciosa e bela mesmo lutando contra um feroz gigante, um Titã. Está claro quem irá ganhar. Atenas parece em controle total. Ela agarrou Alcyoneys pelo cabelo puxando-o para fora da terra tirando-lhe o poder. Sua mãe do outro lado, completamente incapaz de ajudá-lo, apesar de selvagem em razão do medo sobre o que está para acontecer com seu filho. Repare a maneira como o artista, quem quer que seja, de fato, construi esta imagem. Meus olhos começam com Atena, onde sua cabeça estaria. Depois, rolam para baixo seguindo o belo braço de Atenas até o ponto em que é agarrado quase de maneira carinhosa por Alcyoneus. Meu olhos contiuam contornando o cotovelo de Alcyoneus e depois pelo seu rosto e mais abaixo seu peito. Notei que uma das cobras de Atenas o está mordendo no seu lado direito. Meus olhos então descem por seu belo corpo, seu tronco que leva a suas pernas, mas diminui sua velocidade quase em staccato na interseção da roupa profundamente entalhada que pertence a Atena. E é claro, isso nos leva de volta a mãe do Alcyoneus, É como se Atena, esta forte, e em controle deusa, estivesse cercada nos dois lados por estas veementes, selvagens figuras que estão sendo derrotadas e ao mesmo tempo, Atena está sendo coroada por uma nike que vem de trás com uma coroa para sua cabeça. Então há de fato uma sensação de que as figuras estão vindo de trás, de figuras vindo de baixo, de algo que está em fluxo, de algo que está completamente em movimento com um incrível sentido de drama. É como se a inteira superfície do mármore estivesse girando em uma espécie de movimento anti-horário em torno do escudo de Atena que está perfeitamente no centro. Está cheio de diagonais que ativam sua superfície. Está cheio de entalhamentos profundos que criam este brilhante contraste entre as partes iluminadas dos corpos expostos e as escuras sombras atrás deles. Mas, o que também é impressionante para mim é a complexidade da composição dos seus corpos. Atena que se move para esquerda, mantem seu braço para direita e, em seguida, Alcyoneous ergue sua cabeça, torce seus ombros suas pernas voltadas para trás, nós realmente estamos falando sobre um virtuoso esculpir do corpo humano. Imagine como isto era quando ainda estava pintado. Voce sabe, normalmente pensamos em esculturas Gregas como sendo brilhantes mármores brancos. Mas temos que lembrar que tudo isto era brilhantemente pintado. Vamos dar uma olhada no fragmento que tem Zeus no centro. Como Atena, ele parece sereno e totalmente no controle, mesmo se posicionando para frente. Não temos dúvida de que ele é o vitorioso aqui. Zeus é uma figura extremamente forte. Nós temos este belo peito e abdomem exposto e esta selvagem, quase viva roupagem que parece se enrolar nas suas pernas, e está lutando não apenas contra um mas três gigantes ao mesmo tempo. Mas felizmente ele é o rei dos deus e possui coisas como águias e raios para ajudá-lo. Correto, se você olhar na parte superior a direita poderá ver que uma águia, emblema do Zeus, está atacando o titã mais forte. Enquanto a águia ataca o gigante, Zeus vira sua atenção para o gigante aos seus pés que estã de joelhos e será em breve vencido. Você pode ver que do outro lado, Zeus acabou de vencer um gigante que quase parece estar sentado em um pedra. Ele tem encravado em sua coxa, o que parece ser uma tocha, mas é de fato a maneira como os Gregos representavam os raios de Zeus. Ai, isso deve doer... (risos) Sem dúvida, há uma de heroísmo, de equilíbrio, e até uma sensação de momento e uma espécie de excitação que realmente nos atrai. Voce sabe, a história dos deuses e gigantes era realmente importatne para os Gregos. Era de fato um conjunto de símbolos que falava dos temores Gregos mas também um certo otimismo de que os gregos poderiam superar o caos. Então, essa batalha, é de fato uma metáfora para a vitória da cultura Grega sobre o desconhecido, sobre as caóticas forças da natureza. Certo, e também representa as conquistas militares sobre outras culturas que eles não entendiam e também temiam. Então, vamos subir as escadas do grande altar, para a parte mais sacrada onde o fogo, presumivelmente de Zeus, estaria aceso e sacrifícios seriam oferecidos. Você mencionou anteriormente que as figuras parecem sair da parede, e acredito que podemos perceber isso facilmente enquanto subimos as escadas. Há momentos em que as figuras entalhadas em alto relevo de fato, descansam seus joelhos na escada, literalmente entram em nosso espaço. Por exemplo, uma das ninfas cujas pernas acabam na cauda de uma grande serpente, repousa sua cauda em um dos degraus. Há este maravihoso jeito de literamente se derramar para o nosso mundo E então, toda essa trama está se desdobrando a nossa volta, se movendo para dentro do nosso espaço, e deve ter sido um impressionante cenário -- Uma das perguntas que surge é a razão dessas esculturas estarem aqui em Berlim, e a resposta pode ser encontrada nas ambições políticas da Prussia no período. Eles queriam ser iguais aos Franceses e Ingleses, e isso significava em parte, ter grandes museus que expressavam as civilizações passadas para que de certa maneira fossem herdeiros das grandes tradições clássicas que eram tão reverenciadas no século 19. Voce sabe, Berlin de certa maneira queria ser a nova Roma. E uma das grandes coisas sobre estar no Pergamo Museu em Berlin é que ao inves de apenas colocar o que restou dos frisos na parede eles reconstruiram o altar e o quanto possível dos frisos e realmente podemos quase sentir como era na cidade de Pergamo no 3º século A.C. Correto, no terceiro século. Nós estariamos na Acrópole, este morro, na cidade de Pergamo em torno de 32 kilometros da costa onde é hoje a Turquia. Nos subiriamos esta colina, e encontrariamos o altar de Zeus cercado por esta biblioteca que segundo relatos teria 200.000 manuscritos. Uma guarnição de soldados, e o palácio real para o rei. Então, toda esta trama se desenrola a nossa volta, movendo-se para o nosso espaço deve ter sido uma coisa impressionante de ser vista no século 2 antes de Cristo.