If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Cabeça de bronze da estátua do imperador Adriano

Cabeça em bronze de uma estátua do Imperador Adriano, século II d.C., bronze, 43 cm de altura, Bretanha Romana © Curadores do Museu Britânico
Adriano (reinou entre 117 e 138 d.C.), anteriormente um tribuno (oficial superior) em três diferentes legiões do exército Romano e comandante de uma legião em uma das guerras de Trajano, foi muitas vezes mostrado em uniforme militar. Ele era claramente interessado em ressaltar a imagem de um soldado sempre preparado, mas outras conclusões foram tiradas das suas estátuas que sobreviveram.

Definindo as fronteiras do Império

Quando Adriano herdou o Império Romano de seu antecessor, as campanhas militares de Trajano o tinham aumentado enormemente. Rebeliões contra o governo Romano explodiam em várias províncias e o império estava em grave perigo. Ele sufocou impiedosamente as rebeliões e reforçou suas fronteiras. Construiu barreiras defensivas na Germânia e no norte da África.
O primeiro imperador de Roma, Augusto (reinou de 27 a.C.a 14 d.C.), também tinha sofrido graves reveses militares e tomou a decisão de parar a expandir o império. No início do reinado de Adriano, Augusto foi uma importante referência. Ele tinha um retrato de Augusto no seu anel selo e mantinha um pequeno busto de bronze dele entre as imagens dos ídolos da família no seu quarto.
Como Augusto antes dele, Adriano começou a definir os limites do território que Roma podia controlar. Ele retirou o seu exército da Mesopotâmia, atual Iraque, onde uma grave revolta tinha acontecido, e abandonou as recém conquistadas províncias da Armênia e Assíria, bem como outras partes do império.

As viagens de Adriano

Adriano também é famoso como o imperador que construiu o muro de oitenta milhas (~ 130 km) de extensão através da Bretanha, de Solway Firth até o Rio Tyne em Wallsend: "para separar os bárbaros dos Romanos" nas palavras de seu biógrafo. Esta cabeça é proveniente de uma estátua de Adriano que provavelmente estava situada em um espaço público da Londres Romana, como um fórum. Ela devia ter um tamanho 1,25 vezes maior que o real.
Esta estátua pode ter sido erguida para comemorar a visita de Adriano à Bretanha em 122 d.C.; Adriano viajou muito extensivamente por todo o Império, e as visitas imperiais geralmente deram origem ao programa de reconstrução e embelezamento das cidades. Há muitas estátuas de mármore conhecidas dele, mas este exemplo feito em bronze é um sobrevivente raro.
Nascido em Roma mas de ascendência espanhola, Adriano foi adotado por Trajano para ser seu sucessor. Tendo servido com distinção no Danúbio e como governador da Síria, Adriano nunca perdeu seu fascínio com o império e suas fronteiras.
Em Tivoli, a leste de Roma, ele construiu um palácio enorme, um microcosmo de todos os lugares diferentes que tinha visitado. Ele era um entusiasmado construtor público, e talvez seu edifício mais famoso seja o Panteão, o edifício romano mais preservado do mundo. A Muralha de Adriano é um bom exemplo de sua devoção às fronteiras de Roma e os limites que ele estabeleceu foram retidos por quase trezentos anos.

Um amante da cultura

Adriano foi o primeiro imperador romano a usar uma barba cheia. Isso foi visto frequentemente como um sinal de sua devoção à Grécia e à cultura Grega.
Adriano exibia abertamente seu amor pela cultura Grega. Alguns senadores desdenhosamente se referiam a ele como Graeculus ("o Greguinho"). As barbas eram consideradas uma marca da identidade Grega desde os tempos clássicos, enquanto que o rosto bem barbeado era considerado mais Romano. No entanto, nas décadas antes de Adriano se tornar imperador, as barbas vinham sendo usadas pelos jovens Romanos ricos e parecem ter sido particularmente prevalecentes entre os militares. Além disso, uma fonte literária, a Historia Augusta, afirma que Adriano usava uma barba para esconder manchas no seu rosto.
Adriano adoeceu seriamente, talvez de uma forma de edema (inflamação causada pelo excesso de líquido) e se retirou para a estância balnearia de Baiae na Baía de Nápoles, onde morreu em 138 d.C.

A imagem do Imperador Romano

Torso de uma estátua do imperador Adriano usando uma couraça, c. 130-141 d.C., 137 cm de altura, de Cirene, norte da África © Curadores do Museu Britânico. Nesta estátua vemos Adriano apresentado como o comandante em chefe. Sabemos de fontes literárias antigas que Adriano era particularmente interessado em mostrar uma forte imagem militar.
O culto ao Imperador combinava elementos religiosos e políticos e foi um fator vital na administração civil e militar Romana. Governantes falecidos eram frequentemente deificados, e embora o imperador vivo, que era o sacerdote-chefe do estado, não fosse ele mesmo adorado como um Deus, seu "numen," o espírito do seu poder e autoridade, era.
A imagem do soberano e a informação sobre suas realizações foram espalhadas principalmente através das moedas. Além disso, estátuas e bustos, em pedra e bronze e ocasionalmente até mesmo metais preciosos, foram colocados em vários lugares oficiais e públicos. Eles variavam em tamanho: colossal, tamanho natural e menor. Tais imagens simbolizavam o poder do estado e a unidade essencial do Império.
Assim como a importância política das representações do Imperador, sua aparência física e da sua consorte e família eram conhecidos pelas pessoas por todo o Império. Isso influenciou a moda e tais representações podem ajudar o arqueólogo e o historiador da arte modernos. Por exemplo, barbas tornaram-se chiques após a ascensão de Adriano, e os penteados das Imperatrizes e outras mulheres Imperiais podem ser vistos nos retratos privados e na arte decorativa, mesmo em províncias remotas como a Bretanha.
© Curadoria do Museu Britânico

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.