If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:2:41

Transcrição de vídeo

(Música de piano) - [Beth] Os artistas do Renascimento estavam interessados em representar o mundo que vemos, apresentando-o naturalisticamente. E mundo natural não quer dizer a natureza. Não significa apenas árvores e grama. Quer dizer tudo o que observamos no mundo, e uma das ferramentas que eles usaram para fazer isso é algo chamado escorço, que é uma das formas como vemos o mundo. - [Steven] E escorço significa mostrar um objeto longo de frente para que pareça comprimido. - [Beth] Ou outra maneira de pensar sobre isso é que, quando você está olhando para a pintura, parece que algo na pintura volta para o espaço ilusório, ou sai em direção a você. - [Steven] Mas que estamos olhando para ele mais ou menos de frente, então, não vemos todo o comprimento dessa forma. Vamos dar uma olhada na Escola de Atenas, de Rafael porque existem alguns bons exemplos de escorço aqui. Provavelmente, o mais óbvio é na mão da figura de Aristóteles, no centro da pintura. - [Beth] E por causa da aparência do seu antebraço, como se estivesse vindo em nossa direção, temos imediatamente a sensação de uma ilusão de espaço, porque, se mão dele se move em nossa direção, deve haver espaço, ou uma ilusão de espaço, para ele se mover de volta, e sabemos que essa ilusão de espaço era crucial para os artistas do Renascimento. - [Steven] Rafael pintou uma ilusão tão convincente que podemos imaginar que é possível entrar nesse espaço, e se fizermos isso e caminharmos para a direita ou a esquerda desses personagens, veríamos a extensão completa desse braço. Mas em vez disso, temos esse braço comprimido. É uma ilusão bem sucedida, mas se nos concentrarmos só nele, parece um pouco engraçado. - [Beth] Nossa mente interpreta o que vemos, e por isso sabemos que não estamos apenas à procura de um homem que não tem antebraço com a mão presa no cotovelo, mas nossa mente interpreta isso como um braço que existe no espaço. - [Steven] Então, como é que o artista realmente executa essa ilusão? Se você olhar bem de perto, pode ver que as pontas dos dedos de Aristóteles estão iluminadas. Há luz sobre elas, mas o lado inferior dos dedos está na sombra. Há um pouco de luz que toca as faces do polegar e da palma da mão, mas depois há sombra de novo sob seu antebraço. Dois outros óbvios exemplos de escorço nesta pintura são Diógenes, que parece recostar-se nas escadas. Se você olhar para sua coxa, não vê sua extensão integral. Novamente, está em escorço. Ou a representação de Heráclito que escreve sentado em primeiro plano, e se você olhar para sua coxa, pode ver que ela também está em escorço. - [Beth] Como o pedaço de pedra em que ele está encostado. E assim, o escorço é uma ferramenta em que os artistas do Renascimento realmente confiavam para criar uma ilusão convincente de naturalismo, do mundo natural. - [Steven] E aí está: escorço. (Música de piano)