If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Introdução à análise histórica da arte

Pelo Dr. Robert Glass
Por que uma obra de arte é assim? Quem a fez e por quê? O que ela significa? Essas questões e outras como estas estão no coração da pesquisa histórica da arte. Historiadores da arte usam vários tipos de análise para fornecer respostas. Estas têm variado ao longo do tempo e continuam a evoluir, mas em geral, três categorias podem ser identificadas. Nos ensaios e vídeos do Smarthistory, diferentes tipos de análise são usados, muitas vezes sem identificá-los explicitamente. Se você se familiarizar com as três categorias abaixo, você será capaz de reconhecê-los.
Figura sentada, terracota, século XIII, Mali, região interior do Delta do Níger, povos da cidade de Djenné, 25,4 x 29,9 cm (Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque)
Figura sentada, terracota, século XIII, Mali, região interior do Delta do Níger, povos da cidade de Djenné, 25,4 x 29,9 cm (Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque)

Arte como objeto físico

À esquerda: Mulher com tabuletas de cera e caneta, aprox. 50 d.C., afresco (Museu Arqueológico Nacional, Nápoles) (foto: Carole Raddato, CC BY-SA 2.0); ao centro: Justiniano (detalhe), Justiniano e Assistentes, mosaico, parede norte da abside, São Vital, Ravena, Itália, aprox. 547 (foto: Dr. Robert Glass); à direita: rei Davi (detalhe), janela de lanceto transepto norte, Catedral de Notre Dame de Chartres, aprox.1145 e 1194-aprox.1220, Chartres (França) (foto: © Dr Stuart Whatling)
À esquerda: Mulher com tabuletas de cera estilete, c. 50 d.C., afresco (Museu Arqueológico Nacional, Nápoles) (foto: Carole Raddato; ao centro: Justiniano (detalhe), Justiniano e Criados, mosaico, parede norte da abside, São Vital, Ravena, Itália, c. 547 (foto: Dr. Robert Glass); à direita: rei Davi (detalhe), janela da lanceta do transepto norte, Catedral de Notre Dame de Chartres, c.1145 e 1194-c.1220, Chartres (França) (foto: © Dr Stuart Whatling)
Óleo e pigmentos sobre tela, mármore esculpido, fibras tecidas, um domo de concreto—a maioria das obras de arte e de arquitetura são coisas físicas. Como tal, um determinante fundamental da maneira como elas são vistas é o material do qual elas são feitas. Na arquitetura, a palavra usada para isso é simplesmente materiais. Na arte, o termo "meio" também é usado.
Os materiais têm propriedades específicas que determinam as maneiras pelas quais eles podem ser manipulados e os efeitos que podem produzir. Por exemplo, o mármore irá quebrar sob seu próprio peso se não for devidamente equilibrado e apoiado, o que impõe limites às formas esculturais ou projetos arquitetônicos que podem ser criados com ele. Pintura afresco, vitral e mosaico são todos capazes de criar imagens de tirar o fôlego, mas suas qualidades visuais diferem significativamente devido às distintas propriedades físicas e métodos de trabalho de cada meio. Este último aspecto—o modo como um meio é trabalhado ou usado—é chamado de técnica. Juntos, os materiais e a técnica determinam as características visuais básicas e os parâmetros dentro dos quais um artista ou arquiteto deve trabalhar.
Aprender a reconhecer os meios e as técnicas específicos e como eles têm sido usados historicamente são habilidades fundamentais da história da arte. Eles não apenas permitem que você entenda a lógica por trás de qualidades visuais específicas, mas também podem ajudar a identificar quando e onde um trabalho foi feito, já que certos meios e técnicas são característicos de períodos e lugares específicos.
Conservação
Avanços tecnológicos levaram a novos métodos de se analisarem materiais e técnicas. Hoje esta pesquisa é realizada principalmente por restauradores de arte. Porque a arte e a arquitetura, como todas as coisas físicas, estão sujeitas aos efeitos corrosivos do tempo e do ambiente, a ciência da restauração é um campo importante. O treinamento em restauração da arte geralmente envolve trabalhos em química bem como a prática e a história da arte.
Enquanto o principal trabalho dos conservadores é a preservação, suas técnicas investigativas também podem beneficiar os historiadores da arte. Tecnologias como a radiografia, a iluminação ultravioleta e a refletografia infravermelha podem revelar características de um objeto invisíveis ao olho humano, tais como o interior de uma estátua de bronze, mudanças feitas em uma pintura ou o desenho sob uma superfície de tinta. A fluorescência dos raios X pode identificar os pigmentos na tinta ou a composição de metais por seus perfis químicos. A dendrocronologia pode estabelecer a data em que um objeto de madeira poderia ter sido feito com base nos padrões de crescimento dos anéis das árvores. A análise de materiais e técnicas usando métodos como esses podem ajudar os historiadores da arte a responder a perguntas sobre quando, onde, como ou por quem, um trabalho foi feito.
Egon Schiele, Retrato de Wally Neuzil, 1912, óleo sobre tecido 32 × 39,8 cm (Leopold Museum, Viena)
Egon Schiele, Retrato de Wally Neuzil, 1912, óleo sobre pano, 32 × 39,8 cm (Leopold Museum, Viena)

A arte como experiência visual

Na maioria das vezes a arte é visualmente convincente. Enquanto os materiais e a técnica determinam o alcance do que é possível, a aparência final de um trabalho é o produto de inúmeras escolhas adicionais feitas pelo artista. Um artista pintando um retrato de uma mulher em óleo sobre tela deve decidir o tamanho e a forma da tela, a dimensão da mulher e onde colocá-la, e os tipos de formas, linhas, cores e pinceladas para usar na representação da mulher sentada e do seu entorno. Em uma obra de arte convincente, inúmeras variáveis como essas e outras se unem para criar uma experiência visual envolvente.
Análise visual (formal)
Historiadores da arte usam a análise visual para descrever e entender esta experiência. Frequentemente chamada de análise formal porque ela foca na forma em vez do tema ou do contexto histórico, ela tipicamente consiste de duas partes: descrição das características visuais de um trabalho e análise de seus efeitos. Para descrever as propriedades visuais sistematicamente, os historiadores da arte contam com um conjunto estabelecido de termos e conceitos. Estes incluem características como formato, dimensão, composição e perspectiva; o tratamento da figura humana e do espaço; e o uso da forma, linha, cor, luz e textura.
Ao descrever as qualidades visuais, a análise formal geralmente identifica certas características como determinantes para a impressão geral do trabalho. Por exemplo, uma forma linear proeminente pode sugerir força se for reta e vertical, graça ou sensualidade se for sinuosa, ou estabilidade e paz se for longa e horizontal. Contrastes nítidos de claro e escuro podem fazer uma imagem parecer ousada e dramática enquanto a iluminação moderada pode sugerir gentileza ou intimidade. No passado, a análise formal pressupunha que havia algum nível elementar de universalidade na resposta humana à forma visual e tentou descrever estes efeitos. Hoje, o método é entendido como mais subjetivo, mas ainda valorizado como exercício crítico e meio de se analisar a experiência visual, especialmente nos cursos introdutórios de história da arte.
Jacques-Louis David, Juramento dos Horácios, 1784, óleo sobre tela, 3,3 x 4,25 m, pintado em Roma, exposto no salão de 1785 (Museu do Louvre, Paris)
Jacques-Louis David, Juramento dos Horácios, 1784, óleo sobre tela, 3,3 x 4,25 m, pintado em Roma, exposto no salão de 1785 (Museu do Louvre, Paris)
Estilo
A análise formal é uma ferramenta poderosa para se apreciar a arte. Armado com ela, você pode analisar qualquer trabalho baseado simplesmente na experiência de olhar para ele. Mas o método também é importante para entender a arte em seu contexto histórico. Isto porque as propriedades visuais de obras feitas por um artista individual ou, mais comumente, por artistas trabalhando na mesma época e lugar, normalmente têm características comuns. Os historiadores da arte as chamam de características compartilhadas. Como James Elkins expressou elegantemente, estilo é “uma coerência de qualidades em períodos ou pessoas”.[1] Isto pode incluir consistência em coisas como meio, função, e tema, mas quando historiadores da arte usam o termo estilo, eles se referem principalmente a características formais.
O estilo varia com o tempo e o local, então, assim como o meio e a técnica, pode ser usado para determinar a origem de uma obra de arte. Por causa de sua complexidade, o estilo é um indicador muito mais específico do que os materiais e a técnica sozinhos. Os primeiros historiadores da arte usavam a análise do estilo para categorizar o vasto legado de arte não documentada, atribuindo obras a culturas, círculos artísticos ou artistas individuais com base em suas qualidades formais. Hoje, a análise do estilo continua a ser usada para estabelecer origens quando trabalhos desconhecidos são descobertos ou atribuições anteriores são revisadas.
Além de ajudar a categorizar trabalhos individuais, o estilo moldou as narrativas descritas pelos historiadores da arte de maneira fundamental. Até meados do século XX, a maioria das histórias da arte se preocupavam em traçar o desenvolvimento e a mudança de estilo. Como resultado, muitas das divisões de períodos tradicionalmente usadas para a arte ocidental são baseadas no estilo. Alguns exemplos são os Geométricos, Arcaicos e Clássicos na Grécia Antiga, Romanesco e Gótico na Europa Medieval, e o Renascimento Antigo, Alto, e Posterior. Hoje o estilo é apenas um dos muitos aspectos da arte que interessam aos historiadores da arte, mas o poder da tradição assegurou que as divisões e os rótulos dos períodos baseados no estilo continuem sendo amplamente utilizados. Da mesma forma, a familiaridade com o estilo de períodos, lugares e artistas específicos ainda é considerada um conhecimento histórico fundamental da arte e muitas vezes continua sendo o foco dos livros didáticos e cursos introdutórios de história da arte.

Arte como artefato cultural

Embora a compreensão das propriedades físicas e da experiência visual da arte sejam importantes, hoje a maioria das pesquisas históricas da arte foca na importância das obras como artefatos culturais. Esta categoria de análise é caracterizada por uma variedade de abordagens, mas todas compartilham o objetivo básico de examinar a arte em relação ao seu contexto histórico. Na maioria das vezes, é o momento e o local em que uma obra foi criada—tipicamente queremos saber por que e por quem ela foi feita e como ela funcionava originalmente. Mas como as obras de arte e a arquitetura geralmente sobrevivem por séculos, os historiadores da arte também podem estudar a importância cultural de uma obra em momentos históricos posteriores.
Buda Shakyamuni ou Akshobia, o Buda do Oriente, século XI - XII, Tibete, cobre dourado, 58 cm de altura (Museu Metropolitano de Arte, Nova York)
Buda Shakyamuni ou Akshobia, o Buda do Oriente, século XI - XII, Tibete, cobre dourado, 58 cm de altura (Museu Metropolitano de Arte, Nova York)
Tema / iconografia
Um dos tipos mais básicos da análise contextual é a interpretação do tema. Muita arte é representativa (ou seja, cria uma imagem de algo), e naturalmente queremos entender o que é exibido e porquê. Historiadores da arte chamam o tema de iconografia de imagens. A análise iconográfica é a interpretação de seu significado. Em muitos casos, como a imagem do Cristo crucificado ou do Buda sentado, identificar o tema apresenta poucos problemas. Quando a iconografia é obscura ou tratada de maneira incomum, os historiadores da arte tentam entendê-la estudando o contexto histórico em que a imagem foi feita, geralmente por meio de comparação com textos e outras imagens da época. Com imagens desafiadoras, os acadêmicos podem discordar sobre quais substâncias contextuais são relevantes, resultando em interpretações conflitantes. Para muitas obras complexas ou enigmáticas, os significados do tema continuam a ser debatidos e reinterpretados nos dias de hoje.
Função da arte
Outro aspecto comum da arte investigado através da análise contextual é a função. Historicamente, muitas obras de arte e quase toda a arquitetura tinham a intenção de servir a um propósito além da estética. Entender a função é crucial porque ela geralmente desempenha um papel na determinação de muitos recursos, incluindo iconografia, materiais, formato, e aspectos de estilo. No nível mais básico, os historiadores da arte analisam a função identificando tipos—um altar, um retrato, um Livro Missal, uma tumba, um palácio, etc. Estudar a história e usar um determinado tipo fornece um contexto para entender exemplos específicos.
A análise da função se torna mais complexa quando as motivações pessoais dos indivíduos responsáveis por fazer uma obra são consideradas. Durante muito tempo, isso inclui não apenas artistas mas também os patronos que encomendavam obras e, em alguns casos, conselheiros atuando em nome do patrono. Quando tais agentes podem ser identificados, definitivamente ou hipoteticamente, suas motivações se tornam contextos potenciais para entender o propósito e a aparência.
Michelangelo, Teto da Capela Sistina (detalhe), 1508-12, Vaticano, Roma, foto: Kent G Becker (CC BY-NC-ND 2.0)
Michelangelo, Teto da Capela Sistina (detalhe), 1508-12, Vaticano, Roma, foto: Kent G Becker (CC BY-NC-ND 2.0)
Com trabalhos complexos, isso pode rapidamente gerar dilemas interpretativos. Veja, por exemplo, os famosos afrescos de Michelangelo no teto da Capela Sistina. São estas pinturas altamente originais melhor entendidas em relação à função da capela (um local importante de ritual no palácio do Vaticano), ou às preocupações do pintor, Michelangelo, ou do patrono, o Papa Júlio II, ou de um ou mais dos conselheiros de Júlio na corte papal? A resposta é provavelmente uma combinação delas, mas os materiais contextuais relevantes para cada uma são tão vastos e diversos que não há uma maneira única de interpretá-los.

Pensando criticamente

Isso levanta um último ponto sobre a análise do significado da arte e da arquitetura como artefatos culturais. Enquanto os historiadores da arte confiam tanto quanto possível nos fatos e buscam interpretar as obras das formas que são historicamente plausíveis, reconhecemos que a subjetividade é inevitável. Conforme discutido em “O que é história da arte?,” interpretamos o passado de formas que fazem sentido no presente. Hoje, os historiadores da arte continuam a fazer perguntas tradicionais como as mencionadas acima, mas fazem novas perguntas inspiradas em desenvolvimentos sociais tais como o feminismo, o globalismo, o multiculturalismo e a política de identidade.
Então, ao você ler, observar e ouvir, tente reconhecer as abordagens sendo usadas e pensar criticamente sobre elas. O orador ou escritor está falando sobre a obra como um objeto físico, experiência visual ou artefato cultural (muitas vezes será uma combinação)? Que contextos estão sendo usados para explicar o significado? Quais contextos não são considerados? Isso pode deixar você com tantas perguntas quanto respostas, mas isso é bom. Você está aqui não apenas para obter conhecimento, mas também para desenvolver uma curiosidade sobre o mundo e a capacidade de pensar criticamente sobre ele.

Quer participar da conversa?

Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.