If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:8:47

Transcrição de vídeo

Eu sou Arturo, mas pode me chamar de Art. Este vídeo é parte da série Explorações da História da Arte. Estrelando: EU e A MÃO! E o resto de mim? Isso foi um tiro? Perto demais! Mortos! Chapéu de três bordas. Eu estou no meio da Revolução Francesa? Maldito Delacroix! Vamos, lembrem-se, corram no padrão serpentina. Vamos falar da arte do século 19. Que não é sempre perigosa. Precisamos de uma boa apresentação. Sempre quis fazer isso! Numa época muito, muito antiga as academias reais de arte conquistaram muito poder. Controladas por artistas neoclássicos, estes impérios de gosto artístico e estilo podiam criar ou destruir a carreira de um artista. No começo do século 19 um pequeno grupo de artistas rebeldes se uniu para combater o poder do império do mal da arte. Espera aí. Eles não eram realmente do mal. Apenas tinham opiniões fortes. Deixe-me explicar. Alguns artistas não gostavam da abordagem intelectual neoclássica da arte. Os primeiros rebeldes foram chamados de artistas românticos. Lógico que eu também sou um romântico. Sra. Mão, que tal um pouco de arte e música românticas? Isso parece intenso! Espera aí, isso não parece romântico, parece horrível! OK, estou no meio da pintura de Gericault, A Balsa da Medusa, e nós somos os sobreviventes depois que o capitão nos abandonou! Eu sempre esqueço, o Romantismo não era sobre o amor, mas sobre evocar emoção. Qualquer emoção! Incluindo terror! Tristeza, entusiasmo e repulsa. Os românticos estavam interessados na relação do ser humano com a natureza e suas respostas emocionais ao seu perigo, beleza e mistério. Em sua pintura O viajante sobre o mar de névoa, o artista alemão Caspar David Friedrich captura este sentimento ao mostrar um homem solitário contemplando uma paisagem coberta pela névoa. Parte de um movimento chamado Realismo, Jean-François Millet pintou O Semeador em 1.850. Estas são as Notícias da Arte Real. Informamos que um camponês foi visto semeando sua terra. Semeando, semeando, semeando... Quando perguntado por que estava semeando ele disse: porque sim! Eu só leio as notícias... Reclama com o escritor... Filhos de camponeses, nenhum evento histórico ou cenário imaginário para os realistas, só a vida real é vista e sentida por eles. Ainda mais dedicado ao realismo cru era Gustave Coubert. Sua pintura Enterro em Ornans representa o enterro de seu tio avô. Ao invés de usar modelos profissionais, Coubert pintou apenas as pessoas que realmente foram ao enterro. Ao contrário dos românticos, que teriam reforçado o drama, Coubert ameniza a emoção dos participantes do enterro. Nunca tímido ou modesto, Coubert disse: O Enterro em Ornans foi na verdade o enterro do Romantismo. A fotografia surgiu nos anos 1830. A pintura de retratos sustentava muitos artistas, mas a fotografia, apesar de apenas em branco e preto, era um meio mais barato e rápido de preservar as feições. Agora qualquer um poderia ter um retrato, em um instante. O que os artistas podiam fazer que os fotógrafos não podiam? A cor. E os impressionistas trouxeram a cor para a arte de uma maneira nunca vista. Claude Monet mostrou como a cor é afetada pela luz ao pintar o mesmo lugar em diferentes momentos, como nesta série de pinturas da Catedral de Rouen. Os impressionistas tentavam capturar a luz que eles viam na natureza pintando ao ar livre. Do lado de fora, ao invés de dentro do estúdio. Eles usavam pinceladas curtas com tinta espessa e colocavam cores vibrantes e saturadas lado a lado, deixando o olho misturá-las. Olhando de perto você vê as pinceladas, mas dê um passo pra trás e elas começam a se misturar. Em sua pintura O Balanço, Renoir captura o efeito da luz filtrada pelas árvores. As pinceladas são soltas, as bordas das figuras são irregulares e não definidas. Rejeitado pelo Salão os impressionistas organizaram uma exposição própria em 1873. O comércio com os países asiáticos se abriu nesta época e muitos artistas foram influenciados pelas composições japonesas. A Onda de Hokusai mostra de maneira gráfica o poder do oceano que cerca as ilhas do Japão. O estilo japonês expôs os artistas a uma nova forma de ver o mundo e de compor e estilizar objetos. Qual é o próximo movimento artístico? Uma dica: estou imitando o quê? Um poste! Sou um posteimpressionista Entenderam? Um POSteimpressionista. Aprendi isso numa das minhas POS-graduações. Os pós-impressionistas pegaram as ideias do impressionismo, mas as adaptaram para seu estilo próprio. Paul Cézzane queria incluir mais solidez e estrutura a suas formas. Ao mesmo tempo ele rompia formas quando interessava à sua composição, e ignorava regras da perspectiva linear. Cézzane trabalhava de maneira meticulosa e lenta. Muitas vezes levava 20 minutos entre pinceladas. Antes dele terminar uma natureza-morta as frutas já estavam podres e as flores murchas. Se Cézzane pintava tão lentamente, Van Gogh era o extremo oposto. Suas pinturas retratavam sua energia inquieta suas pinceladas vigorosas e cores vibrantes. Sua pintura mais famosa, A Noite Estrelada, foi feita no seu quarto de hospital em Saint-Rémy-de-Provence. Van Gogh vendeu apenas uma pintura enquanto vivo e nunca conheceu a fama que seu trabalho receberia no futuro. Ao final do século 19 o mundo da arte estava dividido entre vários movimentos. Arte pela arte era o tema do movimento Esteticista, que dizia que a arte deveria existir pelos seus próprios méritos, e não pelo que representava. James McNeill Whistler dava nomes a suas pinturas como se elas fossem composições musicais, e esse retrato de sua namorada ele chamou de Alta Manutenção. Não, brincadeira, ele chamou de Sinfonia em Branco número 1. A Art Nouveau mostrou a influência da arte asiática e usou linhas fluidas inspiradas na natureza. Este prédio, chamado Casa Batlló, projetado por Antoni Gaudí, é uma tentativa deliberada de eliminar linhas retas da arquitetura e criar formas mais orgânicas, como se o prédio tivesse sido criado pela natureza, não pelo homem. O SImbolismo tentou usar as artes visuais como metáforas para significados mais profundos. mas esses símbolos eram privados. Edvard Munch descreveu sua pintura O Grito Sobre o fiorde azul e negro e a cidade havia sangue e labaredas. Meus amigos caminhavam, e eu fiquei lá tremendo de ansiedade. Senti um grito infinito atravessando a natureza. O mundo da arte no século 19 começou a identificar temas específicos e estilos como alemães, franceses ou húngaros. A mudança acelerava e o mundo da arte se separou em vários movimentos. Com a melhora do transporte e comércio mundiais, os artistas ocidentais descobriram novas maneiras de ver, e perspectivas globais permitiram que artistas explorassem novas formas radicais de arte. Criado como parte do curso on-line TICE Art 1010 Agradecimentos especiais ao Utah System of Higher Education pelo seu generoso apoio. Produzido por TICE e DSC Produção do vídeo Y draw