If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:4:53

Transcrição de vídeo

RKA - Oi, tudo bem com você? Nessa videoaula a gente vai falar de poemas, rimas e aliterações. A gente vai ver que nós usamos rimas e aliterações quando escrevemos poemas. Isso é muito comum também em música, porque nos ajuda a criar uma sonoridade, um ritmo específico e também a deixar a música mais bonita. A gente consegue perceber as rimas e as aliterações nos poemas quando encontra semelhanças sonoras entre uma palavra e outra. Bom, as rimas são repetições de sons parecidos no final das palavras, como, por exemplo, com as palavras "estremece" e "merece". Essas duas palavras, se colocadas em uma música, colocadas em um poema, a gente vai perceber que existe uma rima entre elas por conta do final da palavra. As duas terminam com a sílaba "ce" e o som "ece" em "estreme-ce" e "mere-ce". Elas se parecem no final. Ou senão na palavra "dentro" e na palavra "centro". São praticamente iguais, mudando apenas a primeira letra: "den-tro", "cen-tro". Viu? São palavras parecidas no som, e nesse caso muito parecidas também na escrita. Já as aliterações são sons semelhantes no início da palavra. Elas também ajudam, junto das rimas, a compor o ritmo e a sonoridade das músicas e dos poemas. Por exemplo, as palavras "palmeiras" e "palmas." É fácil perceber que elas duas começam quase iguais, com a sílaba "pal", criando assim a proximidade, a semelhança sonora entre as duas palavras. Tanto na escrita, mas principalmente se for uma música, com a voz na hora de pronunciar. Para esse vídeo, eu trouxe um poema do escritor Paulo Leminski, um escritor brasileiro. Esse poema é bem curtinho, bem curtinho mesmo. Possui só três versos em uma única estrofe. Porém, ainda assim, é fácil encontrar nele as rimas e as aliterações que criam a sua sonoridade e que dão beleza a esse poema. O poema é o seguinte: "A palmeira estremece palmas para ela que ela merece." Viu? Conseguiu perceber as rimas e as aliterações que existem nesse poema? Talvez tenha ficado um pouco mais fácil por já termos visto algumas das palavras que aparecem nesse poema anteriormente no vídeo. Na primeira linha, nós temos a palavra "palmeira" e a palavra "estremece". Na segunda, a palavra "palmas", com uma aliteração, cria uma semelhança sonora com "palmeira". Logo em seguida, também na segunda linha, a gente tem a palavra "ela" que, na terceira linha, reaparece criando de novo uma rima. É a mesma palavra, mas ainda assim cria uma semelhança sonora que ajuda na construção da beleza do poema. Por fim, nós temos a palavra "merece" que rima com a última palavra da primeira linha, a palavra "estremece". Percebeu as aliterações e as rimas que tem nesse poema? Bom, nesse vídeo a gente falou de poemas, rimas e aliterações. A gente viu que aliterações são as semelhanças sonoras que aparecem no começo de palavras. E que rimas são semelhanças sonoras que aparecem no final da palavra. Essas duas características de poemas ou de músicas são bastante importantes às vezes se quisermos dar uma sonoridade e criar uma beleza para o poema. Uma outra coisa interessante e importante para essa aula é que a gente saiba que um poema é um gênero literário, um tipo de arte bastante antigo, que existe desde a Grécia Antiga, há milênios, e que até hoje existe e aparece em músicas e em livros. Os poemas são um formato de arte em que um escritor, ou seja, qualquer pessoa pode expressar suas sensações, suas emoções, seus sentimentos de algo que lhe aconteceu, por exemplo. Bom, eu vou ficando por aqui. Espero que você tenha entendido essa aula, entendido em que consiste uma aliteração e uma rima, e entendido também o que é um poema. A gente se encontra em uma próxima aula. Até lá, e bons estudos.