If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:5:46

Transcrição de vídeo

RKA - Oi, tudo bem com você? Nessa videoaula a gente vai falar sobre as letras "O" e "E" em fim de palavra. A gente vai perceber e aprender nessa aula que as letras "O" e "E", às vezes, nós pronunciamos de modo diferente da escrita. Vamos ver alguns exemplos para perceber que às vezes nós pronunciamos de modo diferente de como escrevemos. E não quer dizer que está errado, a nossa fala costuma sim ser diferente da nossa escrita. A gente tem só que prestar atenção quando formos escrever para não escrevermos como falamos. Porque, às vezes, a gente pode se confundir. Como, por exemplo, com a palavra "menino". Bom, se a gente prestar atenção quando pronunciar ela no dia a dia, vai ver que é muito comum a gente diminuir a força, a intensidade da última sílaba. Então, a gente acaba não pronunciando "menino", mas sim "meninu". Ou, como com a palavra "carrinho", que a gente costuma falar, no dia a dia, "carrinhu". E não "carrinho". Já no caso das palavras que terminam com "E", é muito comum no dia a dia a gente acabar trocando a pronúncia pela letra "I". Como, por exemplo, com a palavra "presente". Prestando atenção, a gente consegue saber que essa palavra é escrita com "E". Mas, às vezes, na pronúncia, na fala, a gente acaba falando "presenti". Isso acontece também com a palavra "tomate", que a gente, às vezes, na hora de falar, colocamos o "I" no lugar do "E", pronunciando "tomati" em vez de "tomate". Bom, de novo, não está errado pronunciar "tomati". É normal, essa é a nossa fala. Mas a gente precisa ter atenção na hora de escrever. Porque, como eu acabei de dizer, algumas palavras são escritas de uma maneira, mas são faladas de outra. Bom, eu trouxe uma pequena historinha, que talvez você já conheça. Ela se chama "O leão e o rato". Eu a trouxe para a gente conseguir perceber quando as palavras com final em "O" e "E" são pronunciadas de modo diferente de como são escritas. Vamos ler essa pequena história e tentar encontrar algumas dessas palavras. Tudo bem? Ela começa desse jeito: "Um leão, cansado de tanto caçar, dormia espichado à sombra de uma árvore. Vieram uns ratinhos passear em cima dele, e ele acordou. Todos conseguiram fugir, menos um, que o leão prendeu embaixo da pata. Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão desistiu de esmagá-lo e deixou que fosse embora. Algum tempo depois, o leão ficou preso na rede de uns caçadores. Não conseguia se soltar, e fazia a floresta inteira tremer com seus urros de raiva. Nisso, apareceu o ratinho. Com seu dente afiado, roeu as cordas e soltou o leão." Bom, essa é historinha. Você já conhecia ela? Vamos, então, tentar encontrar algumas palavras que estamos estudando nesse vídeo. "Cansado", "espichado", "ratinho", "árvore" e "dente". Se você voltar o vídeo, até mesmo se você ler essa história de novo, só a primeira frase, a primeira linha, você vai perceber que a gente não pronuncia o "O". Na verdade, a gente até pronuncia, mas com o som de "U". "Cansado" acaba ficando "cansadu" na fala. "Espichado" acaba ficando "espichadu". Logo em seguida, a gente tem a palavra "árvore". Se formos pronunciá-la no dia a dia, vai ver que acaba colocando o "I" no lugar, ficando, assim, "árvori". Lá no final da história, a gente tem, na penúltima linha, outras duas palavras que também acabam sofrendo com esse efeito de fala e escrita. A palavra "ratinho", como a gente pode ver, termina com "O", mas, como a gente pode ouvir, se pronuncia com "U". A mesma coisa com "dente": a gente coloca "E" no final na hora de escrever, mas é normal pronunciarmos "denti". Isso também é muito comum com nomes. A gente pode acabar pronunciando nomes de conhecidos, de amigos e de familiares de maneira diferente de como escrevemos. Como, por exemplo, os nomes "Elaine", "Thiago", "Felipe"... Se a gente for ouvir ou pronunciar cada um desses nomes no nosso dia a dia, a gente vai perceber que é muito normal a troca da última letra por outra na pronúncia, na fala. "Elaine": nesse caso, mesmo que na escrita esteja "Elaine", a gente acaba falando "Elaini". Ou "Thiago", que a gente acaba colocando como "Thiagu". A mesma coisa acontece com o nome "Felipe", que a gente pode normalmente pronunciar como "Felipi". Bom, de novo: é bom a gente saber que não é errado pronunciar algumas palavras de modo diferente de como escrevemos. É muito importante para esse vídeo que você consiga perceber que algumas palavras, como essas que a gente viu, sendo escritas de modo diferente de como falamos, precisam de uma atenção maior para não escrevermos exatamente como falamos, já que a norma padrão da língua não é exatamente igual ao português falado. Bom, eu vou ficando por aqui. Espero que você tenha conseguido entender o conteúdo dessa aula. A gente se encontra no próximo vídeo. Até lá, e bons estudos.