If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:4:27

Transcrição de vídeo

RKA - Olá, meu amigo ou minha amiga! Tudo bem com você? Seja muito bem-vindo ou bem-vinda a mais uma aula de matemática. E nesta aula, nós vamos começar a falar sobre os números romanos. E uma coisa interessante que a gente pode começar a conversar aqui, é que eu me lembro, quando eu estava na escola, ainda no ensino fundamental, e eu comecei a aprender sobre os números, os primeiros números que eu aprendi foram os números que a gente já está mais acostumado, por exemplo, o 1, o 2, o 3, mas depois de aprender bastante sobre esses números, eu lembro de ter visto em um quadro na sala alguns números um pouco diferentes, números que seguiam um padrão diferente. Por exemplo, eu tinha aqui este primeiro, este primeiro aqui, depois o segundo, depois o terceiro, depois o quarto e, por último, o quinto. Então tinha esse padrão aqui interessante no quadro. E aí eu perguntei ao meu professor e falei: "nossa, que números são esses? Que padrão é esse?". E aí ele falou para mim: "olha, esses daqui são os algarismos indo-arábicos, o que nós estamos acostumados a usar. Esses outros aqui são os algarismos romanos, ou seja, é um padrão diferente do usual". Depois de ter escutado isso, uma coisa que ficou em minha mente foi o seguinte: por que existe mais de uma maneira de escrever números? Além disso, eu fiquei pensando também: se esses algarismos são romanos, por que nós utilizamos eles? Claro, eu sei que eles foram desenvolvidos antes dos indo-arábicos. Além disso, por que eu deveria aprender sobre eles? Se nós já usamos esses algarismos no dia a dia, não haveria necessidade de aprender novos algarismos. Aí uma coisa interessante me veio à mente depois que eu comecei a estudar os números romanos: eles são uma espécie de como visitar um museu de matemática. Ah, um detalhe, se você vai a um museu normal, você está acostumado a ver dinossauros, alguns esqueletos e até alguns fósseis também. Observando essas coisas no museu, a gente vê como o mundo era antes e não como ele é hoje. Aí percebi que os números romanos meio que também nos mostram como que a gente contava no passado, que é uma maneira diferente da forma que usamos hoje. Isso, inclusive, nos permite até realizar algumas perguntas, como, por exemplo: será que a forma que fazemos hoje é melhor do que a forma que fazíamos no passado? Bem, isso é uma pergunta interessante. Pude perceber que os romanos utilizavam algumas letras para denotar os números. É claro que atualmente a gente utiliza os algarismos indo-arábicos, e existem dez desses algarismos: o 1, o 2, o 3, o 4, o 5, o 6, o 7, o 8, o 9. E claro, não podemos esquecer do zero, o zero também é muito importante. Esses aqui são os algarismos indo-arábicos, os algarismos que nós já estamos bastante acostumados a utilizar. E claro, a gente pode fazer a união de muitos desses algarismos para representar os números que a gente quer representar. Por exemplo, se a gente quisesse aqui mil e quinhentos, a gente colocaria o 1, o 5, e depois 0, 0 (1.500). Da mesma forma que a gente faz isso com os algarismos indo-arábicos, a gente também pode fazer com os algarismos romanos, mas o interessante é que quando falamos dos algarismos romanos, nós temos essas letras aqui para representar certos números. Vamos escrever isso daqui: romano. E aqui nós temos o I, o V, o X, o L, o C, o D e o M. Ah, claro, eles não utilizavam o alfabeto que nós utilizamos hoje, nós apenas utilizamos letras que se parecem com símbolos que eles utilizavam na época. Então, se a gente observar aqui, eles utilizavam um bastão como se fosse um "I" para representar o número 1; o "V" para representar o número 5; o "X" para representar o número 10; o "L" para representar o número 50; o "C" para representar o número 100; o "D" para representar o número 500; e o "M" para representar o número 1000. É claro que, até o momento, nós estamos apenas aprendendo o que cada uma dessas letras significa. Ah, só um detalhe, vamos escrever aqui do lado que esses são os algarismos indo-arábicos. E aí, como eu estava falando, até o momento, a gente aprendeu o que cada uma dessas letras significa, mas se a gente quisesse escrever o número, por exemplo, 120, o que eu faria aqui? Bem, em relação aos indo-arábicos, isso é muito fácil, certo? A gente poderia colocar aqui três algarismos, cada um em uma posição diferente. Vamos colocar isso aqui, aqui e aqui. A gente colocaria aqui.... Já que é o número 120, a gente colocaria o 1, que representa o 100, ou seja, uma centena; o 2, que representa duas dezenas; e o 0, que representa nenhuma unidade. Ou seja, nós temos uma centena e duas dezenas, ou simplesmente o 120. Observe bem que aqui nós vamos colocar cada algarismo em seu devido lugar, certo? Mas ao observarmos os algarismos romanos, percebemos que eles não têm um número muito importante. Um algarismo que nós utilizamos aqui, 120, certo? Que neste caso foi o zero. Se não tem o 0, como representaríamos o 120? Bem, isso é um exercício muito interessante de se fazer, não é? E é algo que nós vamos fazer no próximo vídeo. E, mais uma vez, eu quero deixar aqui para você um grande abraço, e até a próxima!