If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Prova: raízes quadradas de números primos são irracionais

Prova que a raiz quadrada de qualquer número primo deve ser um número irracional. Por exemplo, por causa desta prova podemos determinar rapidamente que √3, √5, √7 ou √11 são números irracionais. Versão original criada por Sal Khan.

Quer participar da conversa?

  • Avatar blobby green style do usuário vlm110398
    Tem um jeito muito mais rápido de provar:
    premissa:
    a/b = sqrt(primo) #comentário sqrt(x) = raiz_quadrada(x)
    desenvolvimento:
    (a/b)² = primo
    a²/b² = primo
    primo * b² = a²
    único valor de primo que satisfaz a equação é primo = 1, se 1 não é primo então por contradição podemos dizer q a premissa a/b = sqrt(primo) é falsa. Logo a raiz de um primo não pode ser representada como fração de modo que é irracional.
    (5 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar blobby green style do usuário Adriano Martins
    como calcular passo a passo a raiz cubica de 2
    (1 voto)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar leaf red style do usuário acricapi
    provar que log 2 é irracional
    (0 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar blobby green style do usuário Adriano Martins
    vou refazer a pergunta, usando uma calculadora sei que a raiz cubica de 2 sera 1.2599210498948732, como posso provar através de calculo numerico
    (0 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA - No vídeo anterior, a gente usou uma prova por contradição para mostrar que a raiz quadrada de 2 é irracional. Nesse vídeo, essencialmente, eu quero usar o mesmo argumento, mas de uma maneira mais geral. Para mostrar que a raiz quadrada de qualquer número primo é irracional. Vamos considerar que "p" é um número primo e determinar que essa será uma prova por contradição. A gente vai supor que a raiz quadrada de "p" é racional e veremos se nos leva a alguma contradição. Se algo é racional, significa que dá para representar como sendo a razão entre dois números inteiros. E, se pode representar algo como sendo a razão entre dois números inteiros, significa que podemos também representá-lo como a razão entre dois números inteiros e primos entre si. Ou dois números inteiros que não tenham fatores comuns ou que dê para representar como uma fração que é redutível. Supondo que esta fração que estou escrevendo, "a/b", é uma fração irredutível, e, aí, você diz: "bom, como eu posso fazer?" O fato de ser racional me permite representar a raiz quadrada de "p" como uma fração, uma razão entre dois números inteiros. E, se eu puder representar qualquer coisa como sendo a razão entre dois números inteiros, posso continuar dividindo, tanto o numerador, quanto o denominador, pelos fatores comuns até que, eventualmente, chegue a uma fração irredutível. Logo, suponho que este seja o ponto em que estamos aqui, não pode ser reduzido; e é importante para a nossa prova. Não pode ser reduzido, o que é outra forma de dizer que "a" e "b" são primos entre si, que é outra forma de dizer que "a" e "b" não compartilham fatores comuns a não ser 1. Vamos ver se conseguimos manipular um pouco. Vamos calcular o quadrado dos dois lados e obtemos que "p" é igual a... bom, "a/b" e a fração elevada ao quadrado é a mesma coisa que "a²/b²"; podendo multiplicar os dois lados por "b²". Aí, obtemos que "b²" vezes "p" é igual a "a²". O que isso nos diz sobre "a²"? "b" é um número inteiro, então "b²" deve ser um número inteiro. Logo, um número inteiro vezes "p" é igual a "a²". Significa que o "p" deve ser fator de "a²". "a²" é um múltiplo de "p". O que nos diz sobre "a"? Diz, então, que "a" deve também ser um múltiplo de "p". Certo? Para pensar, vamos pensar sobre a fatoração em fatores primos de "a". Digamos que "a" pode ser... e qualquer número dá para ser reescrito como um produto de primos ou qualquer número inteiro. É legal escrever como um produto de primos. Digamos que eu tenha meu primeiro fator primo vezes meu segundo fator primo até o enésimo fator primo. Eu não sei quantos fatores primos "a" de fato possui; estou apenas dizendo que "a" é um número inteiro aqui. Esta é a fatoração do "a" em fatores primos. Qual será a fatoração do "a" em fatores primos? "a²" é apenas "a" vezes "a". Sua fatoração prima será "f₁" vezes "f₂" até "fₙ", isso vezes "f₁" vezes "f₂" multiplicado até "fₙ"; ou posso rearranjar, se quiser, "f₁" vezes "f₁" vezes "f₂" vezes "f₂" até "fₙ" vezes "fₙ". A gente sabe que "a²" é um múltiplo de "p", e "p" é um número primo. Então, "p" deve ser um desses números na fatoração em fatores primos. "p" pode ser "f₂" ou "p" pode ser "f₁", mas "p" precisa ser um desses números na fatoração em fatores primos ("p" precisa ser um desses fatores). Bom, vou escolher um desses arbitrariamente. Digamos que "p" é "f₂". Se "p" é "f₂", significa que "p" é também fator de "a". Isso nos permite deduzir que "a" é um múltiplo de "p". Ou, outra forma de dizer é que podemos representar "a" como sendo um número inteiro vezes "p". E por que isso é interessante? Na verdade, eu vou circular, porque vamos reutilizar essa parte daqui a pouco. Mas como podemos usar isto? Exatamente como fizemos na prova da raiz quadrada de 2, uma vez que é irracional, vamos colocar de volta nesta equação aqui. A gente vai ter "b²" vezes "p"... tem "b²" vezes "p", que é igual a "a². Estamos falando, agora, que podemos representar como sendo um número inteiro "k" vezes "p". Dá para reescrever como um número inteiro "k" vezes "p". Vejamos, se multiplicasse isso, a gente teria "b²" vezes "p", e provavelmente já sabe onde vai dar. É igual a "k²" vezes "p²", e pode dividir os dois lados por "p", e teremos "b²" é igual a "p" vezes "k²", ou "k²" vezes "p". O mesmo argumento que usamos. Se "a²" é igual a "b²" vezes "p", e nos mostra que "a²" é um múltiplo de "p", agora tem ao contrário. "b²" é igual a um número inteiro ao quadrado, que ainda vai ser um número inteiro vezes "p". "b²" deve ser um múltiplo de "p", e nos mostra que "b²" é um múltiplo de "p". Pela lógica que aplicamos, isso nos mostra que "b" é um múltiplo de "p". "b" é em um múltiplo de "p". Essa é a nossa contradição, ou demonstra a contradição que admitimos lá no comecinho. A gente fez uma suposição que "a" e "b" são primos entre si e que eles não têm fatores comuns a não ser o 1. Nossa suposição era de que não poderia ser reduzido, mas acabamos de demonstrar apenas com isto; deduzimos que "a" é um múltiplo de "p", e "b" é um múltiplo de "p". O que significa que essa fração pode ser simplificada. Dá para dividir o numerador e o denominador por "p". Esta é a nossa contradição. Começamos supondo que ela não poderia ser reduzida, mas mostramos que não, que ela pode ser reduzida. O numerador e o denominador têm "p" como fator comum. Então, nossa contradição está demonstrada. A raiz quadrada de "p" não pode ser racional. A raiz quadrada de "p" é irracional, e me permite escrever a raiz quadrada de "p" é irracional por causa da contradição que conseguimos provar.