If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:3:20

Transcrição de vídeo

RKA18MP - "Hã? Ah, qual é!?" Eu sempre soube que eu queria fazer filmes e estar envolvida no cinema de alguma forma. Mas existem muitas maneiras diferentes de conseguir isso. Eu entrei fazendo computação gráfica e cinema, quando eu me encontrei com alguns assessores do Centro de Computação Avançada para Artes e Design da Universidade Estadual de Ohio. Eu me encontrei com o dr. Wayne Carlson, e ele disse que eu poderia ir para um programa que me ensinaria como usar os programas de computador que já existem. Ou eu poderia ir para um programa que eu aprenderia como escrever esses programas de computação, e eu os entenderia muito melhor. Assim, eu posso entender o que está acontecendo por trás das cenas e eu posso conversar muito melhor com as pessoas que estão desenvolvendo. E eu estou muito feliz que eu tive esse conselho e fui para um programa focado nisso, porque, agora, quando eu falo com um engenheiro, mesmo se eu não escrevi o código, eu tenho uma ideia melhor do que está acontecendo por trás das cenas e eu posso surgir com uma maneira reprodutível melhor de apresentar um problema. Outra razão pela qual eu fui para a computação gráfica é que um filme ao vivo é o que está acontecendo naquele momento, e eu estava tão inspirada pelo curta "Bunny" que eu pensei que era uma das coisas mais bonitas que eu já tinha visto. Eu sempre fui tão comovida em dar vida a animais e personagens, é isso é algo que você pode fazer muito bem com marionetes. Mas isso é algo que a computação gráfica faz excepcionalmente bem: dar o formato certo para aquelas coisas. "Ratatouille" tinha acabado de sair, e eu descobri os filmes que iam visitar nosso campus. E eu mal podia esperar para falar com as pessoas que fizeram aquela comida deliciosa. Nós tivemos uma conversa realmente boa, e eles gostaram do meu trabalho, e perguntaram se eu viria para a Pixar, e faria algum shading. Eu fui, e a minha chefe era a senhora que fez aquela comida linda em "Ratatouille". Foi maravilhoso quando eu apareci e consegui o trabalho no primeiro dia. Eu não podia acreditar na minha sorte! Eu estava muito animada! No meu currículo, havia uma linha que falava sobre hobbies, e nessa linha estava escrito sobre tocar piano e costurar. E então, um dos supervisores e diretores técnicos olhou para aquela linha e disse: "Você sabe usar programas de computador e você sabe costurar. Sabia que tem trabalho para gente assim na Pixar?" Eu disse: "Não". Ele disse: "Você quer tentar isso?" Eu disse sim! Então, eles encontraram um lugar para mim em "Wall-e". Nós tínhamos acabado de receber algumas notas da audiência de uma pré-visualização, e os personagens não agradaram muito ao público. Então, nós redimensionamos os personagens, e suas roupas precisavam ser renovadas, o que é um trabalho interno perfeito. Então, eles me deram a Ellie, e fui convidada para fazer o vestido e o cabelo dela. Eu não podia acreditar na minha sorte! Ela é a personagem mais incrível e maravilhosa. Ela é extrovertida, engraçada e inteligente. Ellie foi bem, eles estavam felizes com a sua aparência, e eu estava muito feliz com isso também. Então, eles me pediram para trabalhar com Merida, o que foi realmente espetacular. Foi então que eles me pediram para trabalhar com Nojinho e Riley, e em todas as roupas na mãe da Riley, o que foi muito divertido. E, agora, eu estou trabalhando em algo que, definitivamente, não posso falar em frente às câmeras. Me desculpe! Tem um gato, tem um gato! Oh meu Deus, tem um gato! Ele é tão fofo!