Tempo atual:0:00Duração total:4:10
0 pontos de energia
Studying for a test? Prepare with these 2 lessons on Administrators.
See 2 lessons

Suposições que limitam a inovação -- o ano escolar, o cronograma diário, o tamanho da turma

Transcrição de vídeo
ENSINO HÍBRIDO DE ALTA QUALIDADE “Se você sempre fizer o que sempre fez, sempre terá o que sempre teve.” Essa frase é atribuída a Henry Ford, não se sabe ao certo, mas independentemente de sua origem, vale a pena pensar na sua essência, ao repensarmos as escolas. Por outro prisma, cada máquina é projetada perfeitamente para produzir exatamente o que produz. E as organizações funcionam assim. Nossas escolas produzem o que produzem porque nós as projetamos para produzirem isso. E somente quando questionamos as premissas no cerne das escolas começamos a pensar em máquinas que produzem outros resultados. Não é apenas no ensino híbrido. Se queremos repensar as escolas, não podemos pensar apenas se há tecnologia ou não. Temos que ir a questões básicas relacionadas ao calendário, onde os alunos vão, e como usar os adultos. E repensar a escola com essas ideias em mente. Então, vamos nos aprofundar. A primeira premissa é que o ano escolar deve ir de setembro a junho. Sabemos que a origem disto está no calendário agrícola, deixando os alunos livres no verão, para que pudessem trabalhar. Mas nos dias de hoje, isto ainda faz sentido? Especialmente se temos evidências da queda durante o verão, que afeta os alunos de comunidades carentes, porque eles não continuam a estudar no verão? Vamos então colocar esse calendário de setembro a junho entre as coisas que podemos reconsiderar se começarmos do zero. Premissa dois: as aulas devem ser das 8h30 às 15h30 todos os dias. Três ideias para você refletir: Uma delas, são as pesquisas sobre o cérebro, que informam quantas horas de sono um adolescente precisa e o tipo de horário ideal para essa necessidade. Segundo, em muitas famílias hoje, os pais trabalham, portanto, o horário de funcionamento das escolas talvez não deva ser das 8h30 às 15h30. E em último lugar, é interessante olhar em outros países e comparar quantas horas os alunos desses países permanecem na escola. Vamos nos concentrar em duas escolas protagonistas e avaliar a rotina que criaram como experiência ideal para seus alunos Premissa três: a rotina diária deve ser fixa para todos os alunos, assim todos terão a mesma quantidade de tempo em todas as matérias. Isto pode fazer sentido numa perspectiva de lei e ordem e para seguir uma programação rígida todos os dias, mas na proposta de individualizar e personalizar o aprendizado, temos que questionar se isso realmente faz sentido. E a premissa quatro: o tamanho da classe é muito importante, e deve permanecer o mesmo durante todo o dia. Começamos a nos perguntar o que as escolas fazem para ter classes maiores durante parte do dia e outras muito menores. E devem ser cautelosos nesta escolha, e não adotar abordagem de um tamanho só para todos. Premissa cinco: O padrão para todos os alunos é estar em grupo dentro de uma caixa com apenas um professor credenciado à frente. Durante esta semana vamos ver muitas escolas que estão reavaliando a forma de utilizar os profissionais, colocando adultos em diferentes lugares e reconfigurando as salas bem diferentes, para personalizar o aprendizado. Premissa seis: Os alunos devem sempre ser divididos por idade e ano letivo. E o que acontece é bem interessante quando saímos da sala única para o Ensino Fundamental até o Médio num alto nível de especialidade. Mas achamos interessante discutir por que persistimos neste modelo. Agora, voltando um pouco, enquanto nós trabalhávamos neste curso, percebemos que o título do curso poderia ser diferente: “Repensando as escolas de baixo para cima.” E o que consideramos realmente importante destacar é que os líderes de escolas com ensino híbrido como formas interessantes de estímulo não fizeram essa escolha como uma correção estética, mas estão mexendo com as estruturas e os sistemas de toda escola, para que possam suprir a necessidade que o aluno tiver, quando a tiver. Portanto, guarde na mente estas seis premissas e vamos ver como as escolas estão começando a questioná-las ao se perguntarem qual é a maneira ideal de conduzir suas escolas.