Estudo de caso de programação: Como dar uma aula no Ensino Fundamental

Para dar aos nossos colegas professores uma ideia de como usar nosso programa de ensino em suas salas de aula, estamos criando casos de estudo. Este é um estudo de caso sobre como a Feltwell Elementary School do Reino Unido está usando nosso currículo em suas salas de aula.

Sobre a nossa sala de aula

Foto dos alunos na sala de aula com o professor
Nossa sala de aula é formada por 20 alunos do 4º e 5º anos. Decidimos inserir o ensino da programação de computadores no nosso currículo com a ajuda de um desenvolvedor web.  Nos encontramos duas vezes por semana, por 45 minutos, por três meses.

Por que a Khan Academy?

Nós sabíamos que queríamos ensinar programação, mas também queríamos ensiná-la a um público mais jovem do que a maioria das escolas. Tivemos que prestar atenção especial a como nossos alunos respondiam ao conteúdo. Precisávamos estar preparados para mudar, adaptar e descartar estratégias.
Decidimos começar pela abordagem mais desafiadora - ensino de programação com uma linguagem de programação real, baseada na sintaxe. Sabíamos que sempre poderíamos trocar depois para uma abordagem mais visual, de arrastar e soltar.
A KA se encaixou perfeitamente às nossas metas. Todas as aulas introdutórias da KA usam uma linguagem de programação real - JavaScript. Conhecíamos muitas opções que ensinvam programação usando métodos visuais, de arrastar e soltar. Estávamos preparados para abandonar a KA e usar essa abordagem visual se os alunos não fossem capazes de entender o JavaScript.
Felizmente, os alunos tiveram poucos problemas para usar o JavaScript, então continuamos usando a KA como guia e não poderíamos estar mais satisfeitos. A qualidade e o fluxo das lições da KA são incomparáveis. Percebemos isso rapidamente, porque nossos alunos estavam implorando para que outros professores e seus pais os deixassem usar a Khan Academy fora das nossas reuniões semanais regulares. Quando os alunos imploram para fazer lição de casa extra, há algo muito especial no conteúdo de aprendizado.

Nosso cronograma diário

Acreditamos que uma apresentação longa não seria eficaz para os alunos de nível fundamental. Nosso cronograma diário de aula era assim:
  • Apresentação opcional (5 min)
  • Lições da KA ou trabalho em projetos (30 min)
  • Apresentação técnica dos alunos (5 min)
A apresentação tinha como foco um tema específico, como ‘O que é uma variável?’. Uma pequena parte dela era discutida pelo instrutor, e depois a pergunta/tema era discutida pela turma e explicada para os colegas.
Após a apresentação, nós começávamos o trabalho efetivo de programação. Na primeira metade do trimestre, os alunos trabalhavam nas lições no seu próprio ritmo em sala de aula. Muitos deles também trabalhavam nelas em casa. Na segunda metade do trimestre, os alunos passavam esse tempo fazendo projetos juntos.
Para os projetos, os alunos trabalhavam em pares ou em grupos de 3-4 e trocavam o controle do teclado na metade do horário. As equipes sempre trabalhavam usando a conta do aluno com menos pontos. Essa foi uma boa maneira de os alunos que não estavam progredindo tão rápido se recuperarem. Isso também permitia que os alunos com mais pontos tivessem a oportunidade de reforçar seu aprendizado ensinando seus colegas.
Por fim, nos últimos 5 minutos de aula, um aluno fazia uma apresentação técnica para a turma e explicava um projeto em que vinha trabalhando, ou uma lição que ele achasse interessante. Tivemos muitos alunos implorando para falar todos os dias, então não havia falta de apresentações! O aluno que se apresentou respondia a perguntas de outros alunos e educadores que quisessem saber mais informações.

Palestrantes convidados

Foto de alunos assistindo a um palestrante convidado
Além das atividades normais, tínhamos dias especiais em que um palestrante convidado participava usando o Google Hangout. Um dos fundadores do popular computador Raspberry Pi deu uma palestra e tirou dúvidas dos nossos alunos. Também tivemos um importante funcionário da npm Inc. que nos ensinou como os robôs podem ser programados com o JavaScript, a linguagem de programação que estávamos aprendendo.
Para os palestrantes convidados, queríamos mostrar como a indústria da tecnologia é diversa e dinâmica, convidando pessoas de diferentes países, culturas, etnias e gênero.
Também criamos um blog e site simples para dar aos pais e administradores atualizações sobre nosso progresso e palestrantes.

Foco no trabalho dos alunos

Nas últimas 4 semanas da turma piloto, criamos grupos de 3 a 4 alunos para os projetos finais. Esses projetos tinham que ser completamente originais, e todos os membros da equipe precisavam trabalhar nele. No final, eles apresentaram seus projetos em equipe para seus pais e para os gestores da escola como parte do nosso “Dia dos Pais.”
Estamos muito orgulhosos por todo o esforço que os alunos tiveram na sala e em seus projetos. Esta é uma amostra do seu trabalho criativo:
Captura de tela de programas de 6 alunos