Tempo atual:0:00Duração total:6:26
0 pontos de energia
Transcrição de vídeo
ENSINO HÍBRIDO DE ALTA QUALIDADE Vamos entrar na definição de “ensino híbrido”. Nossos amigos do Instituto Christensen, durante muito tempo, catalogaram cerca de 100 exemplos de ensino híbrido pelo país. E creio que isto nos ajudará a ter um vocabulário comum. Vamos começar com a definição deles, que, na realidade, é dividida em três partes essenciais. Vamos analisar essa definição. A primeira parte dela é bem direta. Significa que os alunos aprendem online. Mas o trecho crítico é este aqui no final da definição. O ALUNO CONTROLA O TEMPO, O LUGAR, O CAMINHO E/OU O RITMO. Os pontos realmente importantes aqui são “caminho ou ritmo”. Significa que os alunos não aprendem no mesmo ritmo. Às vezes, você lê superficialmente algo e compreende rapidamente, em outras precisa de mais tempo para refletir até absorver o conceito. Ou talvez precise de estratégias diferentes até dominar um tema. Esta segunda parte é bem clara e direta. Significa que este aprendizado online acontece de fato no contexto escolar real. E AS MODALIDADES AO LONGO DO CAMINHO PERCORRIDO POR CADA ALUNO ESTÃO CONECTADAS PARA OFERECER UMA EXPERIÊNCIA INTEGRADA. Esta última parte é importante, porque significa que o que acontece online não está totalmente desconectado do que acontece na sala de aula. Este ponto é importante. Significa que não se pode prender alguém ao “Oregon Trail” ou ao “Coelho Sabido”, mas o que eles fazem na sua experiência online revela o que acontece em sala de aula. Exatamente. A sala deve interagir com a Internet e vice-versa. E num contexto ideal, a informação de ambos sejam as observações do professor, ou os resultados, devem informar a outra peça do quebra-cabeças, para que os dois se tornem um todo integrado. Aqui estão três exemplos de práticas que podem ser consideradas de ensino híbrido. Leia todas elas e forme sua opinião, e retornaremos para avaliá-las juntos. 1)ALUNOS USAM TABLETS PARA RESPONDER. 2)EM CASA, ASSISTEM A UMA PALESTRA. NA SALA, SIMULAM UM JULGAMENTO. 3)UM PROFESSOR USA LOUSA DIGITAL. Vamos avaliar estes exemplos e decidir se são ensino híbrido. No exemplo 1, os alunos respondem a um professor. É bom que usem um tablet, pode até ser eficiente, mas isto é apenas o uso da tecnologia na sala de aula. É o antigo sistema feito de forma digital. Portanto, não é híbrido. Este segundo exemplo, é ensino híbrido. O motivo é que se trata da “sala de aula invertida”. É basicamente transferir o ensino para a Internet, fora do horário escolar. Os alunos têm controle do ritmo e do caminho que utilizarão para aprender. Podem pausar, voltar, rever um conceito que não entenderam bem e depois podem usar o tempo em sala de aula para se aprofundar de fato nos conceitos do julgamento e assim extrair muito mais significado desta experiência. E esta é uma ideia importante que esperamos do ensino híbrido: Tornar a educação um pouco mais eficiente, e liberar tempo para atividades de aprendizado “mais profundas”. E está claro que um exemplo assim, em que os alunos fazem essa simulação, será uma experiência mais marcante, e foi possível graças ao uso da tecnologia pelo professor para ganhar algum tempo. É ótimo o professor use a lousa digital, é ótimo que os alunos usem laptops, eu diria que ambos trazem mais eficiência, mas novamente, são apenas ferramentas numa sala. Não mudamos o papel do professor e do aluno, não obtemos uma educação mais personalizada, isto é a tecnologia melhorando o antigo sistema. Mas em nossa definição, não é ensino híbrido. Esperamos que esses exercícios o ajudem a perceber o que é ensino híbrido de fato, e o que chamamos de aulas tecnológicas, qu eé apenas acrescentar a tecnologia sem alterar o modelo de aprendizado. Muito bom. E agora vamos discutir o que é o ensino híbrido de alta qualidade. Não é apenas ensino híbrido. É a definição dele que queremos promover neste curso. Este é um bom ponto. Porque a definição de ensino híbrido abandona a concepção de que o ensino híbrido seja sempre bom ou sempre ruim. Você pode analisar vários programas conforme esta definição, e, às vezes, eles são muito bons e outras vezes, ruins. Então, a pergunta interessante é: O que é ensino híbrido de alta qualidade? O que seria esta definição? Porque, não há um consenso. Vamos encarar isso como nosso desafio. Vou colocar os princípios para começar. Analisemos uma definição de ensino híbrido de qualidade que foi dividida em quatro partes diferentes. A primeira parte da nossa definição é que deveria ser personalizado. E com isso queremos dizer que deve suprir as necessidades e as deficiências de cada aluno, e não da classe como um todo. É personalizado para CADA aluno. A segunda parte desta definição é que deve ser baseado no domínio. Significa que o aluno avança e recebe crédito somente após dominar um conceito fundamental. E o ponto principal é que o aluno pode demonstrar o domínio quando estiver pronto. Ele não precisa esperar até que o professor diga: “Estamos na sétima semana, chegou a hora da prova.” O terceiro elemento é que se baseia em altas expectativas para o aluno. O que significa que cada aluno tem claramente definidos padrões rigorosos que irão prepará-los para um bom desempenho no ensino superior e na carreira. E o quarto elemento desta definição, é chamado de propriedade do aluno. Isto é crucial. Ser propriedade do aluno significa que o aluno é munido de habilidades, informações e ferramentas das quais precisa para o seu aprendizado. Um dos conceitos base do ensino híbrido é que o aluno pode ser dono de seu próprio aprendizado. Do ponto de vista educacional, queremos que as crianças sejam capazes sem que o professor diga-lhes o que fazer. Isso é basicamente o que significa ter educação, o que significa ser um aluno, e acho que as pessoas entenderam isso. Mas se você olhar para o desempenho no ensino superior, temos muitos alunos que são sempre bem-sucedidos, mas quando chegam à universidade, eles decaem. E, muitas vezes, o que ouvimos é: “Quando eu assumi o controle sobre o meu horário e sobre os meus estudos, quando ninguém meu obrigou a ir à aula, tudo ficou difícil.” Então, queremos que as crianças sejam aprendizes apenas, mas se achamos importante que elas cheguem ao ensino superior, e que sejam bem-sucedidas na sua vida além daquele ponto, temos que descobrir como prepará-las. E acredito que o ensino híbrido seja grande parte da resposta.