If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:13:37

Transcrição de vídeo

RKA - Olá, alunos da Khan Academy Brasil. Tudo bem com vocês? Hoje, nós vamos falar um pouquinho sobre a história dos objetos. Eu vou começar essa aula mostrando para vocês algumas coisas que a gente, geralmente, faz que é muito comum a gente fazer e que a gente quase não repara em pequenos detalhes. Por exemplo, comer. Você já parou para pensar que, na antiguidade, as pessoas comiam como nessa imagem que estou mostrando para vocês? Pegavam pedaços de pau, colocavam a carne nesse pedaço de pau, faziam uma fogueirinha improvisada dentro de uma caverna, esquentavam a comida ali e comiam. E com o passar do tempo, isso foi evoluindo para você criar já uma panela, um caldeirão alguma coisa assim para poder fazer ensopados ou coisas do tipo? Até posteriormente, com a época dos escravos e tudo mais, a gente conseguiu fazer outro tipo de manejo de comida que foi moer grãos, fazer outros tipos de alimentação, coisas do tipo. Então, a própria comida já mudou bastante ao longo da história. Quer ver um outro exemplo? A nossa mobilidade ou seja, como que o carro chegou ao carro de hoje? Então, lá no começo, na pré-história, a gente andava em pterodátilos. É brincadeira, tá, gente? A gente não andava em pterodátilos, a gente nunca, na verdade, conviveu com pterodáctilos. Mas, antigamente, a gente tinha uma movimentação feita através de animais sim, mas os cavalos, essas carroças grandes cheias de gente com o cavalo. Depois, houve o surgimento da bicicleta. A bicicleta muito diferente da bicicleta que a gente tem hoje. Depois, os primeiros carros que ainda não tinham toda a cobertura que a gente tem. Eles eram muito mais precários, o motor deles era feito de uma forma muito diferente do que é hoje, até os carros de hoje que são uma coisa super moderna, super revolucionária. Então, a ideia da aula hoje é mostrar para vocês alguns exemplos de coisas que a gente tem no dia a dia e como que a história moldou esses objetos para o que a gente tem hoje. A primeira coisa: você já reparou que os nossos dentes são super limpinhos, branquinhos, bonitinhos? Eles nem sempre foram assim. O cuidado com a higiene bucal é uma coisa muito importante e é muito antiga. O primeiro registro de um cuidado com a higiene bucal foi de mais ou menos 3 mil anos antes de Cristo. Os egípcios que têm registro disso. Eles pegavam alguns ossos ou pedaços de madeira e eles colocavam uma série de palhas nessas madeiras, na ponta dessas madeiras que nem esse desenho aqui. E essas palhas serviam como escova de dente para você raspar a sujeira do dente. Para vocês terem uma ideia de como isso foi importante, Alexandre o grande, um grande conquistador da da Europa e de outros países próximos à Europa, ele, toda manhã, limpava os dentes dele com uma toalha de linho e ele usava também uma série de ervas para fazer com que o hálito dele ficasse melhor. Então, o cuidado é muito antigo. Dando um avanço, lá no século 15, os chineses desenvolveram um tipo de material para a gente conseguir limpar a nossa boca muito interessante que foi um precursor da nossa escova de dente. Eles pegaram um osso, geralmente, esse osso, eles grudavam na ponta do osso alguns pêlos de animais. Esses pêlos de animais eram muito mais macios do que o que os egípcios faziam e era muito mais fácil você limpar os dentes com esses pêlos. Só que eles tinham um problema. Os pêlos mofavam com o passar do tempo. E daí você tinha que sempre trocar de escova. Isso era muito ruim. E, conforme eles ficavam mofados, esses pelos ficavam duros e quando você usava, acabava machucando a boca. Para resolver esse problema, em 1938, um cara chamado Robert Hudson, trocou esses pêlos por um outro produto que chama nylon. E o nylon, ele não tem esse problema de mofar. E daí a gente criou as escovas que a gente tem hoje. Daí a gente tem uma série de diferenças, de escovas diferentes e já evoluiu muito de 1938 para agora. Mas essa é história da escova de dente. Agora, olha essa imagem aqui, o que mais chama atenção? Com certeza, é a vontade desse cara de comer esse frango, certo? Mas eu quero chamar a atenção de vocês para uma coisa que a gente quase não percebe, mas que sempre está lá: os talheres. De onde eles vieram? Eu vou começar falando para vocês sobre a faca. A faca, ela é um dos materiais mais antigos, um dos instrumentos mais antigos de que a gente tem registro. A gente tem registro da faca, de um objeto cortante que pode parecer com uma faca, lá com os neandertais há 1.500.000 anos antes de Cristo. Então, é bem antigo. A gente imagina que a faca surgiu, mais ou menos, na transição da idade da pedra para a idade do bronze. Mas ela nem sempre foi utilizada como instrumento para a alimentação. Ela, geralmente, era utilizada em casas ou em rituais dessas comunidades. Ela foi se modernizando com o passar do tempo e ela foi criando outros materiais. Então, antigamente, era feita de pedra, depois de osso, depois de ferro e ela foi sendo modificada com o tempo. Hoje, a gente tem já vários estilos e vários tipos diferentes de facas para alimentação dentro da sua casa. Um outro objeto bastante conhecido e que a gente usa bastante é a colher. A colher, ela provavelmente. ela tem um registro histórico junto com a faca. Ela surgiu mais ou menos na mesma época da faca. Para vocês terem uma ideia, existe uma história bíblica que conta que a Eva, ao andar em um deserto, Eva mesmo, a Eva de Adão e Eva, ao andar em um deserto, encontrou uma concha e ela começou a utilizar essa concha para tomar água, para tomar coisas líquidas e, daí, que surgiu a colher. Essas colheres, elas já foram feitas de vários materiais, de ossos até ferro. Então, ela é muito parecida, a história muito parecida com a da faca. Por fim, nós temos os garfos. Os garfos já são muito diferentes dos outros dois. O primeiro registro de um garfo foi no século 11 onde existia uma princesa de Constantinopla e uma rainha de Veneza que utilizavam o garfo para comer? Vale ressaltar que, naquela época, comida era feita pela mão mesmo. A gente comia com a mão. Isso foi registrado porque um candidato a santo católico viu essa princesa de Constantinopla comendo com o garfo e ele achou que o garfo que ela estava comendo era muito parecido com o garfo do diabo porque tinha só duas pontas, como está aqui no desenho. Ele falou: "Isso aí coisa do diabo, não é legal." Então, ele proibiu. E ele, também, achava que era muito importante a gente tocar no alimento, que isso era uma coisa muito saudável e era uma bênção divina. Por isso o registro do século 11. Lá em 1530, na França, uma rainha chamada Catarina de Médici, começou a utilizar o set completo de talheres. Então, garfo, a colher e a faca para se alimentar. Ela começou a exigir que todas as pessoas que visitassem o castelo dela utilizassem esses materiais. Isso só foi ser popular 200 anos depois com um rei, um outro rei francês chamado Luís XIV. Então, demorou um pouquinho para pegar o garfo, mas eventualmente ele apareceu aí. Você vai falar: "Mas garfo, escova de dente, a gente pode pensar uma coisa um pouco mais usual, né?" Sabe aquele joguinho que você joga no seu computador? Pois é, eu vou explicar como ele funciona, uma parte, pelo menos, de como ele funciona. Esse joguinho, ele precisa estar associado a um console. Esse console pode vir de várias formas. Pode ser um videogame, pode ser um computador, pode ser um tablet, não importa. Só que esse jogo, para ele funcionar, ele precisa de uma quantidade de arquivos dentro dele e esses arquivos têm um tamanho, eles têm um peso e esse peso é chamado de memória. Todo o console tem uma memória. Para vocês terem uma ideia, os jogos atuais, a gente está em 2019, os jogos atuais têm em média 10 gigabytes. Só para vocês terem uma ideia, 10 gigabytes equivale a 10 milhões de kilobytes. Só que para chegar nessa memória, houve um grande trajeto e eu vou resumir esse trajeto e mostrar algumas coisas que aconteceram. E, no ano de 1725, surgiu a primeira, o primeiro tipo de memória de computador e ele era chamado de cartão perfurado. Ele não armazenava nenhuma quantidade de bytes, porque, na época, nem existia bytes. Mas ele foi o primeiro tipo de registro de computador. Na sequência, nós tivermos um tambor de memória em 1950. Esse tambor, ele era gigante e sabe quanto ele armazenava? 10 kilobytes. É claro que eu tô resumindo isso, existem vários outros equipamentos que apareceram, mas eu vou mostrar os mais importantes. A fita cassete surgiu em 1972 e ela armazenava 660 kilobytes por cada lado dela. E ela tinha dois lados. Na sequência, o disquete apareceu em 1976 e ele já armazenava quase o dobro. Ele armazenava 1,2 megabytes que seria o equivalente a 1.200 kilobytes. No ano de 1990, nós tivemos o surgimento do CD e o CD começava a armazenar até 700 megabytes. Já era uma grande evolução. Em 1996, nós tivemos o primeiro tipo de HD da forma que a gente conhece os HDs hoje. E ele armazenava 2,5 gigabytes. Na sequência, nós tivemos o primeiro tipo de pendrive, no ano de 2000, ele armazenava 8 megabytes. A vantagem desse para o anterior é que um HD, ele é muito grande e muito delicado. No caso dos pen drives, eles são móveis e a gente consegue levar para todo lugar. Então, ele é muito bom por causa disso. Na sequência, nós tivemos os SD cards, também, nos anos 2000, eles começavam armazenar 32 megabytes que era mais que um pen drive. A vantagem que a gente colocava esses SD cards em vários tipos diferentes de locais como máquinas fotográficas e coisas do tipo. E, hoje, a gente tem um cloud store que é a famosa nuvem. A nuvem, efetivamente, não tem um limite para armazenamento. Então, ela já é muito, muito grande. É claro que todos esses materiais que eu comentei com vocês, eles foram evoluindo com o tempo. Hoje, a gente tem HDs super grandes, de mais de 1 terabyte, que é muito maior. Mostrei os primeiros, os que iniciaram, cada um dos tipos de locais de armazenamento. Eu espero que vocês tenham gostado da aula, espero ver vocês novamente aqui na Khan Academy. Muito obrigado.