If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Critérios de classificação dos animais

A classificação dos animais depende fortemente dos critérios adotados para a mesma. Neste artigo vamos ver como esses critérios mudaram ao longo da história.

Introdução

Vimos no artigo anterior que os critérios usados para a classificação dos animais são importantíssimos, pois mudando os critérios, mudam os grupos formados.
Isso pode criar problemas na classificação científica dos animais na Biologia, mais precisamente na área da Taxonomia.
E assim ocorreu. Um dos primeiros objetivos da Taxonomia foi o de organizar as plantas e os animais em categorias mundiais.
Para tanto, foram usados critérios observáveis que diferenciavam os animais e as plantas, ou seja, aspectos externos.
Mas a descoberta de novas espécies de animais e plantas acabou colocando esses critérios em cheque. Por exemplo, como classificar plantas carnívoras?
Figura 1: Plantas carnívoras. Crédito: Rhododendrites, CC-BY-SA-4.0. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Sarracenia_leucophylla_at_the_Brooklyn_Botanic_Garden_(81396)b.jpg. Acesso em: 15/01/2019.
Os critérios tiveram, então, de ser repensados para incluir não apenas aspectos externos, mas também, características ecológicas, fisiológicas, e todas as outras que estiverem disponíveis, inclusive as relações evolutivas.
Mais recentemente foi incluída a semelhança genética entre os critérios, corroborando os parentescos entre as espécies e a teoria da evolução.
Vamos ver como foi esse processo ao longo da história.

História da classificação dos animais

Uma das primeiras tentativas de classificação que se tem conhecimento foi a de Aristóteles, por volta de 300 anos a.C. Ele dividiu os animais entre os de sangue vermelho e os sem sangue vermelho (só a título de curiosidade, as baratas não têm sangue vermelho).
Depois de Aristóteles, Lineu organizou os seres vivos em dois grandes grupos: o Reino Animal e o Reino Vegetal.
Lineu ainda classificou todos os animais conhecidos à época em sete grupos, a saber: mamíferos, répteis, anfíbios, aves, peixes, vermes e insetos.
Com o desenvolvimento da tecnologia e dos microscópios foram revelados alguns organismos que não se encaixavam nem como animais nem como vegetais, ou seja, as algas e os fungos. E assim, em 1866, foi criado o terceiro reino, o Reino Protista.
Em 1938 e depois em 1956, Copeland propôs um sistema de classificação dos seres vivos em quatro reinos, criando o Reino Monera.
Os quatro reinos de Copeland são:
  1. Monera – bactérias;
  2. Protoctista – algas e fungos;
  3. Metaphyta – plantas;
  4. Metazoa – animais.
Em 1969, Whittaker aprimorou o sistema de classificação de Copeland e criou o quinto reino. No sistema de Whittaker todos os seres vivos foram classificados como pertencendo a um dos cinco reinos, que são:
  1. Monera – bactérias;
  2. Proctotista ou Protista – protozoários e algas;
  3. Fungi – todos os fungos;
  4. Plantae ou Metaphyta – plantas avasculares e vasculares;
  5. Animalia ou Metazoa – reúne todos os animais.
Essa classificação em cinco reinos vigora até hoje, apesar das propostas de novas classificações.

Quer participar da conversa?

Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.