If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:7:55

Transcrição de vídeo

RKA - Olá, alunos da Khan Academy Brasil. Tudo bem com vocês? Hoje nós iremos falar um pouquinho sobre o campo magnético da Terra. E eu vou começar falando para vocês como que se forma esse campo magnético. Porque pensa comigo: a gente já utilizou muitas vezes, e já falou em outras aulas aqui da Khan Academy sobre bússolas, por exemplo; então, nós sabemos que a Terra tem um norte e a Terra tem um sul. Por isso, nós podemos dizer que a nossa Terra é um dipolo magnético, ou seja, ela vai ter um polo positivo e um polo negativo, que é o Polo Norte e o Polo Sul. Esses polos, eles não estão necessariamente a 90 graus da Terra, eles estão a aproximadamente 11,7 graus de inclinação desses 90 graus (então, não é exatamente no centro da Terra, mas a gente vai explicar sobre isso daqui a pouquinho). Como que acontece essa história desse dipolo? Em essência, a nossa Terra, ela tem um núcleo que é formado de ferro e de níquel. É esse núcleo formado de ferro e de níquel que vai fazer a maior parte da magnetização da Terra. Mas, só para ter um pouquinho de ideia do que é isso, quem descobriu esse núcleo foi um físico chamado William Gilbert. Ele descobriu em 1600, e foi por causa desse cara que hoje a gente consegue utilizar bússolas e GPS para se orientar na Terra. Mas esse campo eletromagnético que a Terra tem não serve só para a gente se orientar por bússolas e por GPS. Ele também tem uma função muito importante, que é a proteção da Terra contra partículas de eletromagnetismo do Sol. Sem isso, provavelmente, a Terra não teria vida, o Sol ia consumir, por conta dessas partículas, ele ia consumir toda a vida na Terra. Então, a gente tem que agradecer bastante por esse campo magnético. Aqui temos uma imagem do campo... das partículas vindo em direção à Terra, batendo nesses campos magnéticos, e impedindo com que essas partículas entrem na nossa Terra. Como que funciona esse campo? Esse núcleo derretido de ferro e níquel, ele está a aproximadamente 3 mil quilômetros de profundidade. Ele é um núcleo que está em constante movimento, e esse constante movimento vai gerar algumas correntes elétricas, essas correntes elétricas vão gerar um campo magnético. Tudo isso junto... então, a constante... esse constante movimento, a geração de corrente elétrica, esse campo magnético é chamado de Teoria do Dínamo. Esse campo magnético é o campo magnético principal, mas ele não é o único campo magnético que existe. Nós temos também um campo magnético externo, que é composto essencialmente por vento solar e pela ionosfera. A ionosfera é uma porção da nossa atmosfera que fica de 50 quilômetros a 1.000 quilômetros de altitude. Vocês viram toda a parte de separação de atmosferas em outra aula da Khan Academy. Nós temos também o campo crustal, que é composto por rochas magnéticas, em especial uma rocha que se chama basalto; e ela fica na parte superficial da crosta rochosa do nosso planeta. Tudo isso junto (o campo magnético externo e o campo crustal), eles representam só 10% desse magnetismo. Os outros 90% é pelo campo magnético de dentro da Terra, aquele núcleo de níquel e ferro. Mas, daí, você olha para essa imagem que eu estou mostrando para vocês aqui agora... essas ondas mostram o campo magnético da Terra e a influência que elas exercem. E você tem aqui um Polo Sul magnético, um Polo Norte geográfico, um Polo Sul geográfico e um Polo Norte magnético. Você percebeu que eles estão invertidos? Que o Polo Sul magnético está junto com o Polo Norte geográfico? Sim, isso acontece por conta de dois conceitos: Polo verdadeiro e o Polo magnético. Nós conversamos sobre esses conceitos em outra aula da Khan Academy sobre bússola. Mas, explicando rapidamente para vocês, a bússola, que é esse instrumento aqui nessa imagem, ela vai apontar o Norte dela para o polo magnético. Em especial o Norte da bússola, ela tem que apontar para quem tem mais atração, que seria o Sul magnético. Então, ela sempre vai apontar para o Sul magnético que nesse caso é o nosso Norte verdadeiro. A diferença é que o polo verdadeiro, ele é conceituado por padrões de longitude e latitude. Você vai pegar a Linha do Equador, colocar 90 graus, riscar uma linha que vai ser exatamente o polo geográfico (ou polo verdadeiro). O polo magnético, ele é composto pelo magnetismo da nossa Terra; então, ele vai ser composto por esse núcleo de níquel e ferro fundido, e ele nunca está exatamente onde está o polo geográfico; na verdade, ele fica variando ao longo dos anos. Atualmente, ele está próximo de uma ilha chamada Ilha Ellesmere que fica no Norte do Canadá. Agora, com toda essa radiação solar vindo no nosso planeta, e o nosso campo magnético combatendo essa radiação solar, sempre sobra um pouco de radiação que vai entrar na nossa atmosfera. A interação das partículas solares com o campo magnético da Terra faz com que, nos polos, aconteça um fenômeno muito bonito, provavelmente um dos fenômenos mais bonitos da Terra, que é a aurora boreal. A aurora boreal, ela é uma associação do plasma solar com o magneto do nosso planeta. Ela fica mais ou menos assim; ela forma padrões de cores de várias cores diferentes (rosa, verde, roxo... um monte de cor diferente). Olha que bonitinho. Ela é tão bonita que Aristóteles deu o nome de aurora boreal por conta da deusa Aurora, que é uma deusa da mitologia grega. O mais legal é que a aurora boreal não é um fenômeno exclusivo do planeta Terra. Também é possível encontrar aurora boreal em Júpiter, em Marte, em Vênus e em Saturno. O melhor lugar para observar a aurora boreal é na lapônia finlandesa. Então, quando você tiver a oportunidade de ir para a Finlândia, fica a dica aí. Eu espero que vocês tenham gostado da aula de hoje, eu vou ficando por aqui, muito obrigado!