If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:8:37

Transcrição de vídeo

RKA - Eu vou falar um pouco sobre o carbono, e como ele percorre a nossa biosfera. Nós falamos nisso em outros vídeos, mas quando falamos sobre os elementos como carbono, ele não apenas aparece e desaparece em nossa biosfera. A maior parte do tempo está aqui desde o começo, mas ela simplesmente se recicla de uma forma para a outra. Isso é uma verdade do carbono. Vamos apreciar sua importância em nossa biosfera, especialmente para a vida. Eu tenho algumas moléculas importantes, ou exemplos de moléculas importantes, que envolvem o carbono. Em todos os casos, os carbonos são de cor cinza escuro. Então, essa molécula bem aqui é uma glicose. A glicose é um açúcar simples, é onde podemos obter muito de nossa energia. Esse é o ATP. Você pode vê-lo como armazém de energia nos sistemas biológicos. Aqui, temos um de muitos aminoácidos. Os aminoácidos fazem as nossas proteínas. Este aqui é o DNA. E, em todos, você pode ver o papel do carbono. Na verdade, às vezes é difícil ver o carbono, porque está próximo do centro dessas moléculas Na maior parte, formando a espinha dorsal. O carbono é realmente puro. Um elemento realmente puro. Um átomo puro, que pode fazer quatro ligações. Ele pode fazer estruturas realmente muito legais, mas a questão é: como é o ciclo do carbono através de nossa biosfera? Podemos discutir de forma simples ou complexa, mas em termos muito simples, é como o meu cérebro tende a pensar sobre o ciclo do carbono. Você pode imaginar o carbono na nossa atmosfera. Principalmente sob a forma de dióxido de carbono. Bem aqui está a molécula de CO2. Mais uma vez, o carbono está aqui no meio ligado aos dois oxigênios. Tanto quanto falamos do CO2, e tão importante quanto ao carbono, aos sistemas vivos. De fato, nosso corpo tem de 18 a 19 por cento de carbono em massa. Portanto, ele é muito importante para os sistemas biológicos. E tão importante quanto o carbono no sistema biológico, é o papel do dióxido de carbono em outras coisas. Como o aquecimento global, por exemplo, mesmo que em uma porcentagem muito pequena em nossa atmosfera. Cerca de apenas 0,04% do gás em nossa atmosfera é CO2. A maior parte da nossa atmosfera é composta de 78% de nitrogênio, e você não vai ver muito sobre isso aqui. 21% de oxigênio. Em seguida, temos muitos outros elementos e moléculas. Mas a versão mais simples do ciclo do carbono é: você tem o dióxido de carbono atmosférico, dióxido de carbono molecular no ar, e os autótrofos como as plantas. Então, digamos que aqui é o chão, e temos uma planta crescendo aqui. Então, tem uma planta bem aqui, uma folha, sua outra folha. Na maneira em que a planta cresce, elas são capazes de retirar a energia da luz. Então, a energia que vem do sol é usada para fixar o carbono. Agora, a fixação do carbono soa como uma coisa muito extravagante, mas é literalmente falando de óxido de carbono molecular no ar, e a fixação do carbono a partir dele para formar diferentes moléculas na planta, que ajudam à planta dando estrutura, dando energia à planta. Vamos tirar essa massa do ar, então é isso que permite que a planta continue crescendo. Então, mais uma vez como eu disse, alguns irão estar na forma de proteínas, aminoácidos que podem formar componentes estruturais. Podem ser gorduras, que também é energia. Você pode imaginar outros animais que não fazem isso, que não podem fazer a fotossíntese. Mas eles podem comer essas plantas para ter energia. Em outros vídeos, falamos sobre o ciclo alimentar. Então, isso poderia ser eu, poderia ser uma salada. Eu posso querer comer uma planta. Eu posso querer comer a planta para ter açúcar, pode ser algum tipo de maçã. E em seguida, dar ao meu corpo a energia para viver e crescer. Então, como eu metabolizo a glicose? Assim, por exemplo, a glicose é uma das moléculas que a planta pode formar tirando carbono do ar. E então, eu posso metabolizar a glicose a partir da planta que eu comi. Então eu vou fazer isso, vou liberar o dióxido de carbono. Vou liberar de volta para o ar. E então, aqui você pode ver que forma um ciclo. Pois o CO2 está sendo liberado de mim, voltando para lá, e voltando para a planta. O CO2 é liberado por coisas que são metabolizados como moléculas orgânicas, e então são fixadas novamente por autótrofos que são capazes de armazenar a energia do sol nessa ligação, fixando o carbono. Mas existem outras vias nas quais podemos ter esses ciclos. Por exemplo, o CO2 pode ser absorvido pelo oceano. E no oceano forma-se o carbonato, e mais uma vez é visto o carbono por lá. O carbono ligado a três átomos de oxigênio é o carbonato de cálcio. Componente chave de coisas, como as conchas. E, ao longo do tempo, as conchas do mar se quebram, ficando moídas, impactadas com a pressão. Formando calcário. O calcário é um tipo de rocha que pode ser visto aqui na foto. Calcário. Então, aqui está o calcário. Mais uma vez foi formado a partir do dióxido de carbono absorvido pelo oceano. Os seres vivos usam o cálcio em conjunto com o carbonato de cálcio para a formação de conchas que receberam da terra, e isso realmente faz essas estruturas rochosas. Bem, você pode ter situações em que os seres vivos, estamos falando dos autótrofos, como as plantas, estão sendo comidos. Bem, uma vez que eles morrem, toda a matéria orgânica que ainda não foi quebrada, é enterrada. Eu vou fazer uma planta porque é menos mórbido demonstrar a morte em plantas. Então, digamos que esta é uma planta. Bem, com a pressão e o tempo suficiente, às vezes no processo de decomposição alguns carbonos são liberados. Mas, com o passar do tempo, isso pode ser comprimido e transformado em combustíveis fósseis. Então, quando você vê o petróleo, ou a gasolina queimando, isso é realmente apenas uma parte refinada do petróleo. Esta é realmente a matéria orgânica que foi armazenada em energia, que as plantas foram capazes de armazenar a partir da energia da luz. Possivelmente, em milhões ou dezenas de milhões de anos. Mas, então, se você extrair esse mesmo combustível fóssil para fora da terra, o que agora nossa sociedade faz ativamente, você pode queimá-lo para mover todas as coisas que precisamos mover. Então deixe-me apenas desenhar um exemplo disso. Digamos que você tem uma lata de óleo. Eu não vou fazer a lata de óleo em preto porque você teria dificuldade de vê-la. Então, se você queimá-la, o processo de combustão... No geral, se você queima algo, não precisa ser o óleo, pode ser um pedaço de madeira. Você está quebrando, queimando a matéria orgânica, as ligações carbono-carbono. E, de certa forma, você pode dizer que está fazendo o processo reverso da fotossíntese. Nesse processo, você está liberando carbono na forma de dióxido de carbono. E esse dióxido de carbono, em teoria, pode ser fixado novamente. A ideia no geral, é que os autótrofos, como as plantas, quando fazem fotossíntese, podem fixar o carbono. E em seguida, elas podem ser queimadas, e, no processo de combustão, podem liberar o carbono de volta para a atmosfera. Ou você pode ter outros animais comendo essas plantas, e à medida que eles as metabolizam eles quebram as ligações carbono-carbono na alimentação ou apenas fazem o que eles precisam fazer que também pode liberar dióxido de carbono.