If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:9:40

Transcrição de vídeo

RKA - E aí, pessoal, tudo bem? Provavelmente, você já ouviu falar bastante de uma usina hidrelétrica, mas você sabe como ocorreu o desenvolvimento para chegar até as usinas que nós temos hoje em dia? O que é importante saber é que a ideia de utilizar a força da água para realizar atividades úteis aos seres humanos, ela já é bastante antiga. Por exemplo, a roda d'água horizontal foi utilizada desde o século I a.C. por muitos gregos e romanos. Ela era usada para girar maquinários, operando com os mesmos princípios das turbinas modernas; e os moinhos de água já eram utilizados por europeus e chineses com a finalidade de moer grãos. E, a partir do século XVIII, as tecnologias como motores, dínamos, lâmpadas e turbinas hidráulicas tornaram possível a conversão de energia mecânica em energia elétrica. Mas as usinas hidrelétricas e as centrais hidrelétricas, elas só surgiram aproximadamente no final do século XIX. Mas, claro, essas usinas eram de pequeno porte, que forneciam energia para as fazendas e pequenas propriedades. E nós podemos dizer que a primeira usina hidrelétrica no mundo foi aberta no rio Fox, em Upton, Wisconsin, em 1882. Basicamente, um proprietário de moinho de papel ligou uma turbina de água a um gerador de energia, e, aí, ele produziu cerca de 12,5 quilowatts de eletricidade, e isso alimentou os dois moinhos de papel e a casa do proprietário. De lá para cá, graças à alta tecnologia, diversas usinas foram criadas. E, se você pensar no Brasil, a primeira usina hidrelétrica foi construída em 1883, no município de Diamantina, no estado de Minas Gerais. E a primeira hidrelétrica do Brasil e da América do Sul para serviços de utilidade pública foi a usina de Marmelos na cidade de Juiz de Fora, também em Minas Gerais, em 1889. E ela foi construída às margens do rio Paraibuna. Mas, claro, essas usinas, elas tinham capacidade limitada de produção e distribuição de energia, e a eletricidade não podia ser armazenada e direcionada para vários locais. Ou seja, tinha uma limitação e, portanto, as cidades maiores precisavam da combinação de várias usinas para suprir a sua necessidade elétrica. E, por volta da década de 80, se desenvolveu a corrente alternada, ou seja, a eletricidade passou a percorrer distâncias maiores; e, aí, as pequenas usinas foram unidas em um único sistema capaz de fornecer energia para mais de uma cidade. Mas, como eu falei, os avanços tecnológicos que existem hoje em dia nas usinas e no sistema de transmissão de energia permitem uma maior produção de megawatts de energia; e, hoje em dia, a transmissão alcança praticamente a extensão de um país inteiro. Ok, mas já que eu dei um breve resumo da história do desenvolvimento das usinas hidrelétricas, será que você sabe como funciona uma usina? Eu vou descer aqui e, aí, nós vamos entender o funcionamento de uma dessas usinas. Você, provavelmente, já ouviu falar que a energia elétrica que chega até nós é gerada em usinas hidrelétricas, correto? Mas, na verdade, ela é resultado de um processo de conversão de energia potencial em energia elétrica. Eu vou explicar isso aqui bem. A água que se encontra na barragem armazena energia potencial. Então, aqui, nós temos a água e a barragem. Isso aqui é energia potencial. E a energia potencial é a energia que pode ser armazenada em um sistema físico; e o interessante dela é que ela tem a capacidade de ser transformada em energia cinética. Então, depois disso, a energia potencial da água vai sendo convertida em energia cinética à medida que vai escoando pelos dutos. O que acontece aqui é que essa barragem é aberta; e, aí, a água, que tinha uma energia potencial, ela vai ser transformada em energia cinética através dos tubos. Então, aqui, energia cinética, que é a energia de movimento... isso através dos tubos... deixa eu desenhar os tubos aqui... então, esses são os tubos... e esses tubos, eles são interligados às turbinas, que fazem a água girar (então, deixa eu desenhar aqui, mais ou menos, as turbinas). E cada turbina é acoplada com um equipamento chamado "gerador", formando, assim, a unidade geradora, que faz a transformação da energia mecânica do movimento das pás da turbina em energia elétrica através da força eletromotriz induzida. Ok, mas esse aqui é o processo de produção da hidrelétrica. E finalizando este processo de produção, a energia gerada é enviada por meio das chamadas "linhas de transmissão", que são ligadas ao sistema interligado nacional, que é responsável por receber e direcionar essa energia para as companhias distribuidoras; que, por sua vez, destinam essa energia ao consumidor final. Então, é mais ou menos assim que funciona uma usina hidrelétrica. Mas você sabia que as usinas hidrelétricas, elas possuem vantagens e desvantagens? Vamos começar a ver as vantagens? A primeira delas é que é uma energia de baixo custo para ser produzida, visto que o seu combustível é a água e a água tem custo zero; ou seja, um custo operacional baixo, pois as usinas atuais, elas são automatizadas, e, como não há uso de combustíveis fósseis, que são gasolina e diesel (ou a gás), os preços da energia elétrica gerada para o consumidor final não sofrem grandes alterações. Isso porque não há influência de aumento de preços desses combustíveis fósseis. E ela também é uma fonte de energia renovável, e, por isso, ela é uma energia limpa, ou seja, não emite poluentes; e, com isso, contribui na luta contra o aquecimento global. E, por ser uma energia renovável, ela também não se esgota, ou seja, é uma energia inesgotável. E uma outra vantagem, dependendo do projeto (ou seja, se for bem planejado), é que a água represada pode ser usada para a irrigação de plantas nas proximidades da usina, ou seja, um favorecimento ambiental. E, além disso, proporciona um desenvolvimento local, ou seja, estabelecimento de vias fluviais, construção de vias de comunicação, atividades de lazer, turismo etc. E, por fim, uma última vantagem é que, através da represa, é possível regulamentar a vazão do rio. Agora, se nós falarmos das desvantagens... (deixa eu descer aqui um pouquinho)... então, apesar de ser uma fonte renovável e não emitir poluentes, as hidrelétricas causam impactos ambientais e sociais. Isso porque, para a instalação desse tipo de usina e construção de barragens que refreiam o curso dos rios, é necessário o alagamento de grandes áreas, e essa prática acarreta problemas à fauna e à flora local. Então, eu posso colocar aqui que a destruição da vegetação natural é uma desvantagem. Uma outra desvantagem é o assoreamento do leito dos rios. E, quando eu falo em assoreamento, eu estou dizendo o acúmulo de sedimentos pelo depósito de terra, areia, argila, detritos etc. E uma outra desvantagem é que, às vezes, pode ocorrer o desmoronamento de barreiras, ou seja, é um perigo para a população local. E, infelizmente, o uso de hidrelétricas também causa a extinção de certas espécies de peixes e torna o ambiente propício à transmissão de doenças como, por exemplo, a malária. E os impactos sociais também são visíveis, como o deslocamento das populações ribeirinhas e indígenas, ou seja, algumas populações que vivem na região há muitos anos, elas são obrigadas a se mudarem por causa do alagamento para a construção dos lagos artificiais. Mas é isso aí, pessoal. Eu espero que vocês tenham entendido a importância da hidrelétrica, tanto no Brasil quanto no mundo. Mas é isso aí, pessoal. Até a próxima aula!