Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Clamídia – diagnóstico, tratamento e prevenção

Nesta videoaula abordamos os sintomas, diagnóstico, tratamento e formas de prevenção da clamídia.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA - Olá, alunos da Khan Academy! Vamos iniciar mais uma aula de ciências em que vamos falar sobre um assunto muito importante, a clamídia. Achou estranho esse nome? A clamídia é uma IST: Infecção Sexualmente Transmissível. Porém, uma pessoa que tenha clamídia pode realizar doações de sangue, porque ela não é transmitida desta forma. Apesar de ser a IST mais relatada no mundo, o número de pessoas com clamídia provavelmente é bem maior do que as notificações existentes, porque a infecção é assintomática em até 50% dos homens e em 70% das mulheres. Quando os sintomas estão presentes, há corrimento amarelado ou claro, sangramento espontâneo ou durante as relações sexuais e dor ao urinar ou durante as relações sexuais ou no baixo ventre, o chamado "pé da barriga" em mulheres. Nos homens, há a ardência ao urinar, corrimento uretral com a presença de pus e dor nos testículos. Mas, apesar de na maioria das vezes a infecção atingir os órgãos internos nos sistemas genitais, a infecção também pode afetar a garganta e os olhos, se for praticado sexo oral. Se a bactéria subir pelo sistema reprodutor da mulher, além de causar dores na região do baixo ventre, ou seja, no pé da barriga, ainda pode causar anormalidades na menstruação. Em gestantes, o problema é ainda maior, porque pode causar parto precoce, morte do feto, doença inflamatória pélvica pós-parto e gravidez ectópica, que é aquela que se desenvolve fora do útero, ou seja, nas tubas uterinas ou na cavidade abdominal. Por essa IST se apresentar assintomática muitas vezes, o diagnóstico da infecção pela Clamidia Trachomatis ainda é crítico porque, em geral, as pessoas só procuram o médico quando surgem os sintomas ou algumas complicações. E qual profissional procurar? O ginecologista é mais procurado entre as mulheres e o urologista, entre os homens, mas infectologistas e clínicos médicos também podem realizar o diagnóstico, que se dá através de exames laboratoriais que envolvem amostras de urina da secreção uretral ou da secreção do colo do útero. Se o indivíduo pratica sexo anal, amostras colhidas do reto também podem ser solicitadas. A partir do momento que os resultados dos exames são positivos para a clamídia, o tratamento é iniciado com antibióticos que devem ser receitados pelo médico. Se o paciente realizar todo o tratamento de forma correta, é possível erradicar completamente a bactéria Clamidia Trachomatis do organismo. Como complemento para o tratamento, o indivíduo não deve praticar relações sexuais desprotegidas. Desta forma, apesar de ser comum e perigosa, a clamídia tem cura. Por isso, não se deve deixar de procurar um médico quando os sintomas aparecerem. Se a clamídia não for tratada, a infecção pode evoluir e apresentar complicações como a infertilidade, que é a dificuldade para ter filhos, dor crônica na região pélvica, que é aquela dor no pé da barriga, dor durante as relações sexuais, gravidez tubária, que é aquela que ocorre na região das trompas, e complicações na gestação. Portanto, o melhor é prevenir a contaminação, não só de clamídia, mas também de outras ISTs, inclusive outras que não têm cura, como a AIDS. A melhor forma de prevenir a infecção é usar preservativo durante as relações sexuais. Porém, outras medidas podem ser tomadas, como idas regulares ao médico quando se tem uma vida sexual ativa e realizar o tratamento dos parceiros sexuais se for constatada a infecção por clamídia. Apesar da sua alta transmissibilidade, a clamídia é uma IST que tem cura quando tratada de forma correta. Por isso, a melhor maneira de lidar com esta e outras ISTs não é pensar no assunto somente quando se está infectado, mas, sim, prevenir a sua ocorrência. É isso aí, alunos. Vamos nos informar e evitar as ISTs. Até a próxima aula de ciências!