If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Transporte de esperma através de ereção e ejaculação

Versão original criada por Vishal Punwani.

Transcrição de vídeo

RKA2G - E aí, pessoal! Tudo bem? Nesta aula, nós vamos falar sobre o transporte de espermatozoides. Eu só quero falar para vocês como acontece o transporte do aparelho reprodutivo masculino para o aparelho reprodutivo feminino, onde esperamos que aconteça a fertilização e, como resultado disso, nós vamos ter a gravidez. Para ver isso, observe uma visão sagital do sistema reprodutor masculino. Eu vou mostrar aqui o que é uma visão sagital. Se nós olharmos para este cara, é como se nós tivéssemos, aqui,  o lado esquerdo e, aqui, o lado direito. E eu vou fazer uma linha mediana passando pelo cara, cortamos o cara em dois, eu vou pintar o lado esquerdo e nós vamos olhar por aqui, eu vou desenhar o olho... Imagine que você está olhando o cara daqui. Imagine que você está olhando este lado direito dele. Basicamente, quando nós olhamos daqui, nós temos esta visão e chamamos isso de visão sagital. Apenas para te lembrar, esta é a parte direita. A questão é que o esperma precisa ser transportado para fora do nosso corpo. E nós fazemos isso, nos machos, através de um processo de duas etapas. O primeiro passo é chamado de ereção. A ereção é basicamente quando o pênis começa a ter um pouco de sangue dentro de seu núcleo em um estado chamado flacidez. Ou seja, ele vai de um estado de flacidez para um estado onde está cheio de sangue. Nós chamamos isso de ereção. O segundo passo nesse processo é chamado de ejaculação. A ejaculação é basicamente a expulsão do esperma para fora do aparelho reprodutivo. Agora vamos entrar nos mecanismos de como isso acontece. Mas, antes de entrarmos em como funciona uma ereção, vamos lembrar por que a ereção acontece. Deixe-me apagar isto aqui. Acredite ou não, mas a ejaculação começa em seu cérebro. Aqui nós temos um cérebro. Quando você está fisicamente ou mentalmente estimulado sexualmente, isso pela visão, por sons, por cheiros ou até pensamentos, o cérebro envia um sinal para o seu pênis e isso pode causar uma ereção. Ele faz isso enviando sinais para os vasos sanguíneos no pênis e aí, o que acontece é que esses vasos  sanguíneos se abrem e isso permite que o sangue entre no pênis. Esse preenchimento do pênis com sangue é o que resulta em uma ereção. Mas nós vamos detalhar isso mais adiante, porque primeiro vamos falar de alguma anatomia regional do pênis. Vamos falar um pouquinho da anatomia do pênis. Isto é chamado de base ou raiz, esta área é conhecida como corpo e esta parte é chamada de cabeça ou glande. O que nós vamos fazer agora é ter uma visão mais detalhada da anatomia do interior do pênis. A melhor maneira de fazer isso é se nós utilizarmos o que chamamos de uma visão transversal. Basicamente, uma visão transversal é um corte que atravessa o pênis. Nós colocamos o olho aqui e vamos observar nesta superfície de corte. Quando fazemos isso, nós temos mais ou menos esta visão, que é a que chamamos de visão transversal. Só para ficar claro, aqui nós temos duas imagens de dois pênis diferentes lado a lado e do lado esquerdo nós temos um pênis flácido, ou seja, não está cheio de sangue. Nós podemos dizer isso porque nós temos muito mais veias azuis visíveis, que você não vê na ereção. Do lado direito, nós temos um pênis ereto. Você pode ver isso observando que as veias azuis foram comprimidas para o lado, ou seja, foram espremidas. E aí nós temos um pênis ereto. Nesta visão, é muito fácil de ver os três compartimentos vasculares cilíndricos cheios de sangue, ou seja, eles ficam cheios de sangue durante a ereção. Esses compartimentos vasculares, ou câmaras, são chamados de corpos cavernosos. Nós temos dois deles, um de cada lado. E, embaixo, nós temos o corpo esponjoso. A propósito, este é o fundo do pênis. Este é o fundo do pênis e este outro, aqui de cima, é o topo. Este centro aqui, este tubo, é a uretra. O sangue normalmente flui nestas câmaras vasculares, via ambas as artérias dorsais e também artérias cavernosas. Esta é a artéria dorsal e esta é uma artéria cavernosa. Quando o pênis está se enchendo de sangue,  esse sangue vaza destas artérias cavernosas nestes círculos roxos, que nós chamamos de espaços lacunares. Como você pode ver, tem bastante espaço aqui para o sangue vazar para dentro e é isso que faz o pênis ficar ereto. O sangue normalmente é drenado destas câmaras por veias com o mesmo nome: veias dorsais e veias cavernosas. Isso em condições normais, quando você não tem uma ereção. Em condições normais, isto é, quando você não tem uma ereção, o fluxo sanguíneo no pênis é igual ao fluxo sanguíneo para fora do pênis. E aí não existe nenhuma mudança líquida no estado da ereção. Vou chamar isto aqui, à esquerda, de flácido. Vou colocar aqui, flácido. E este, da direita, é o ereto. E o motivo pelo qual o da esquerda está flácido é porque as artérias estão espremidas. O que acontece é que, quando essas artérias em vermelho estão comprimidas, elas não permitem muito a passagem de sangue no pênis. Então, aqui do lado direito, onde nós temos um pênis ereto, nós temos estas artérias, que estão muito mais dilatadas, ou seja, é possível muito mais entrada de sangue e isso pode causar uma ereção. Mas o que está mantendo este pênis flácido? Isso tem a ver com o cérebro. Geralmente, nós temos pequenos sinais do cérebro, que nós chamamos de norepinefrina. Isso faz com que as artérias fiquem restritas. Nós temos um neurônio aqui, deixando a medula espinal e, com isso, enviando um sinal para o arterial para mantê-lo pequeno. E claro, um neurônio é uma célula do sistema nervoso responsável pelo envio de mensagens. Do lado direito, nós também temos um neurônio. Na verdade, um tipo diferente de neurônio, que envia um sinal diferente para as artérias. Isso faz com que as artérias expandam e permita que o sangue penetre no pênis. Este neurônio aqui de cima, nós chamamos de norepinefrina. Mas o que é isso? É um pequeno sinal químico do sistema nervoso, chamado de sistema nervoso simpático ou, simplesmente, SNS. Isso vai ser importante mais tarde. O segundo, nós chamamos de ON, ou então ácido nítrico. Esse neurônio, na verdade, é uma divisão do sistema nervoso chamado de sistema nervoso parassimpático ou simplesmente SNPS. Então, as artérias se dilatam e permitem a passagem de sangue nesta área, nós pressionamos isso contra as bordas e isso comprime a drenagem da veia do pênis. Isso basicamente proíbe a flacidez e resulta em uma ereção. Apenas para completar, uma ereção é interrompida quando o influxo de sangue é parado. Isso acontece porque as artérias param de bombear sangue e você vai novamente para o estado flácido. Isso acontece porque o óxido nítrico, ou seja, estes neurônios aqui, param de ser produzidos. Mas antes de terminar, você deve estar pensando: "bem, você disse que estas artérias dilatam e permitem sangue nas câmaras vasculares. Então, o que faz o pênis  parar de encher indefinidamente?" Se você olhar para este círculo amarelo, na verdade, os três círculos amarelos cercam as câmaras vasculares. E eles impedem o excesso de expansão. Eles são chamados de túnica albugínea, que na verdade é um tecido estrutural de suporte. Deixe-me limpar tudo isto e passar para a segunda fase. Vamos começar com uma definição: o que é a ejaculação? É basicamente a descarga de sêmen do pênis. Você geralmente descarrega de 3 a 5 mililitros de ejaculação. Você geralmente mata 300 milhões de espermatozoides. Uma ejaculação acontece, basicamente, quando o nível crítico de excitação sexual foi alcançado. A estimulação sexual, na verdade, causa nervos no pênis para enviar sinais químicos para a medula espinhal e cérebro. E aí, a medula espinhal e o cérebro enviam uma mensagem de volta para o pênis. Há duas fases para a ejaculação em si. Vamos começar com o pênis ereto, porque agora estamos sexualmente excitados. Agora que nós estamos eretos, estamos preenchendo todas estas câmaras vasculares com sangue. A primeira parte é o sistema nervoso simpático estimulado. Lembre-se: em rosa, nós desenhamos estes neurônios aqui, os neurônios do sistema nervoso simpático. E eles vão liberar neropinefrina, que eu vou abreviar como NP, isso em todas as seguintes estruturas que eu vou colocar aqui, que são: o epidídimo, o ducto deferente, as glândulas acessoriais e, por fim, o ducto ejaculatório, que está dentro da próstata. Para responder a essa norepinefrina, estas estruturas que eu coloquei aqui contraem e emitem sêmen no início da parte da uretra. Na segunda fase, o sêmen está aqui, no início, nesta parte da uretra. O músculo liso da própria uretra, ao longo de toda sua extensão, e este músculo, chamado de bulboesponjoso, entram em contato para expelir o sêmen da uretra. Isso para a ponta da uretra, que nós chamados de meato. Este é basicamente o processo de ejaculação. Ou seja, todas estas contrações musculares estão associadas a um sentimento de extremo prazer. Você também recebe alterações fisiológicas de corpo inteiro. Por exemplo, você vê uma diminuição na frequência cardíaca e pressão sanguínea após a ejaculação. Em alguns casos, a mudança fisiológica no corpo inteiro e ejaculação são chamadas de orgasmo. É isso aí, pessoal. Até a próxima aula!