If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Podemos viver fora da Terra? Condições necessárias à vida humana.

Nesta videoaula apresentamos alguns dos problemas de saúde desenvolvidos pelos astronautas durante as missões espaciais para discutir a possibilidade dos seres humanos viverem fora da Terra.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA3JV - Há quem diga que nós, seres humanos, fomos criados e evoluímos para viver exclusivamente na Terra. Mas há aqueles que sonham com viagens espaciais tripuladas e com seres humanos vivendo em outros planetas. Sabendo que já fomos até a Lua e que existem astronautas na estação espacial internacional, fica a pergunta: será possível vivermos fora da Terra? Sabemos que para viver precisamos basicamente de água, alimento e de oxigênio. Mas será que só isso basta? Vamos conhecer algumas das outras nossas necessidades na aula de hoje. Gravidade, o corpo humano está adaptado para sobreviver na presença de gravidade. O acompanhamento da saúde dos astronautas, mostra que a ausência de gravidade causa vários problemas de saúde. Eu destaquei alguns aqui para você. O primeiro é a degradação na acuidade visual. Com achatamento do globo ocular e espessamento da parte posterior do olho no início do nervo óptico, perda de densidade mineral óssea e de massa muscular. Porque não é preciso vencer a força da gravidade para ficar de pé, caminhar, etc. Na ausência de gravidade, não há mais necessidade de um esqueleto para fazer nossa sustentação. Há o aumento da pressão intracraniana, a presença de válvulas nas veias das pernas que na presença da gravidade ajudam a subida do sangue para o coração acabam por bombeá-lo para cabeça na ausência da gravidade. Já deu para ver que sem gravidade fica difícil de vivermos fora da Terra, não é? Mas ainda não acabou. Nós temos outra necessidade, a temperatura. Nós não conseguimos sobreviver em temperaturas extremas, nem muito quente e nem muito frio. A vida na Terra está diretamente ligada ao efeito estufa que mantém a temperatura média em torno de 15 graus Celsius. A ausência de uma atmosfera similar à nossa pode fazer com que a temperatura varie entre extremos inabitáveis. Na Lua, por exemplo, as temperaturas variam diariamente entre -173 graus Celsius e 126 graus Celsius. Em áreas do espaço que não são aquecidas por estrelas próximas, a temperatura gira em torno de -270 graus. No Brasil, por exemplo, a temperatura média fica em torno de 18 e 30 graus Celsius. Claro que isso é uma média e estes valores podem variar ao longo do ano, tudo bem? Mas já dá para ter uma ideia a partir deste exemplo que utilizei do nosso próprio país, de que no nosso planeta a temperatura ideal, algo em torno dos 15 graus Celsius, favorece a permanência da vida. Viver lá fora em temperaturas extremamente quentes ou extremamente frias seria inviável. Radiação espacial. A radiação é outro grande problema. Ela pode causar cegueira, insolação e câncer, entre outras doenças. Além de ser mortal quando recebida em altas dosagens. Durante as estadias dos astronautas no espaço, os cientistas precisam monitorar constantemente a radiação que estes profissionais estão enfrentando para que não ultrapasse os valores limítrofes e para que eles permaneçam vivos e sem problemas de saúde. A nossa sobrevivência a longo prazo no espaço ou em outros planetas só seria possível se fossem produzidos sistemas gravitacionais com manutenção da temperatura e de proteção da radiação espacial. Ou seja, não é uma tarefa fácil e nem barata nos manter vivos por longos períodos fora da Terra. Mas quem sabe um dia a humanidade consiga realizar essa façanha. Afinal, já produzimos e conquistamos tantas coisas, não é mesmo? Por hoje é só! Bons estudos, e até a próxima!