If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Transcrição de vídeo

RKA12C À primeira vista, pode parecer que a introdução de novas espécies, ou seja, o ato humano de pegar espécies de um lugar e levá-las para uma área diferente, seria bom para a biodiversidade. Vamos ver isso como se você pegasse um monte de belas flores e as plantasse em seu jardim. Você estaria aumentando a biodiversidade no seu jardim, certo? Você aumenta a riqueza de espécies em seu jardim. Mas isso não é uma simples equação de adição, é muito mais que isso. O termo espécie introduzida é sinônimo de espécies exóticas. A definição é: qualquer espécie que, por meio das atividades dos seres humanos, conscientemente ou acidentalmente, é transferida de seu habitat nativo para outro em que ela não ocorre naturalmente. E as espécies introduzidas são o oposto das espécies nativas, que são aquelas que ocorrem em uma área naturalmente, sem a intervenção humana. Muitas introduções são intencionais. Fazemos isso de propósito e o temos feito por um longo tempo, provavelmente desde que os humanos entraram em cena e perceberam que eles poderiam escolher algo que estava vivo e levá-lo para outro lugar para servir aos seus propósitos, desde cabras e porcos até gado e cultura de plantas. Nós transportamos principalmente organismos que vão fazer algo de bom para nós por meios agrícolas. Nós temos introduzido plantas e animais onde eles não são nativos por um longo tempo. Normalmente, quando as pessoas pensam sobre espécies introduzidas, elas realmente estão pensando sobre acidentes e fatos que ocorreram por coincidência juntamente com as atividades humanas. Quando introduzimos as espécies em uma nova área, tudo que está vivendo na espécie ou com a espécie vem junto com ela. Se você pegar uma vaca, por exemplo, de um lugar e movê-la para outro, ela vai trazer junto com ela todos os parasitas que as vacas normalmente possuem. Acho que as pessoas imediatamente capturam a imagem de ratos que fluem para fora dos navios quando eles atracam em algum belo paraíso no Taiti ou as cobras que entraram em Guam com os movimentos militares durante a Segunda Guerra Mundial. Esses animais são lendários e causam danos aos pássaros nativos de muitas maneiras óbvias que introduzir um organismo pode mudar radicalmente a biodiversidade em um único lugar. Existem tantas outras maneiras sutis de as introduções causarem problemas... O ponto de partida é que a economia mundial é atingida com o custo anual de aproximadamente 1,4 trilhão de dólares ao lidar com os impactos negativos, óbvios e não tão óbvios, que as espécies introduzidas podem causar. Esse é um número com o qual tenho um pouco de dificuldade de lidar quando penso nele. Se você pensar que poderia pegar esse 1,4 trilhão de dólares... Há várias possibilidades de se fazer algo muito bom com esse dinheiro. Os seres humanos têm introduzido novas espécies por um longo tempo, e o conceito de habitat nativo é um pouco escorregadio. As atividades humanas que causam a transferência podem acontecer antes mesmo de reconhecermos que isso realmente aconteceu. Assim, por vezes, a história de uma introdução pode ser perdida. Quando não temos certeza da história até o ponto de estarmos certos ou termos alguma prova razoável de que isso aconteceu, nós chamamos essa espécie de criptogênica. "Cripto" significa "escondido", "gênica" significa "origem". Resolver os enigmas das espécies criptogênicas é outra razão pela qual as coleções são tão importantes. A única maneira de se rastrear as origens da introdução é saber o que estava lá antecipadamente. As coleções podem preservar a informação histórica. Coleções feitas hoje estabelecem linhas de base para referências futuras. Se essas coleções são mantidas perpetuamente, essas linhas de base serão boas daqui a cem, a mil anos a partir de agora, quando veremos um meio ambiente radicalmente alterado devido a essas introduções. Por isso, podemos usar as coleções para tentar obter respostas para esse problema. Nem todas as espécies são, na verdade, claramente prejudiciais para nós, porque as introduzimos com o propósito de estarem ali para nos beneficiar. Algumas espécies introduzidas podem fornecer novas fontes de alimento ou mesmo novo habitat para espécies nativas. Espécies nativas nem sempre saem completamente ilesas. Elas podem fazer uso de alguns desses recém-chegados. Gramíneas e milhos introduzidos, por exemplo, são comidos por espécies nativas, e algumas árvores que foram introduzidas podem servir como habitat para os pássaros. Algumas espécies introduzidas podem viver sob o nosso radar ou pode ser que nós nem sequer saibamos que estão causando danos tão pouco perceptíveis aos ecossistemas, reduzindo a riqueza de espécies. Mas algumas espécies introduzidas certamente vão além do que viver pacificamente entre os nativos. Elas podem fazer isso porque elas têm algumas vantagens competitivas: faltam controles naturais, tais como predadores ou doenças, que as mantenham em xeque como em seus habitats nativos. Algumas espécies invasoras são generalistas, o que significa que elas podem tolerar novos ambientes, reproduzir-se rapidamente, prosperar em uma ampla gama de condições ambientais, permitindo-lhes competir com sucesso e sobrecarregar as populações nativas. Quando as espécies introduzidas assumem um ambiente em detrimento das espécies nativas, elas são conhecidas como espécies invasoras. Todas as espécies invasoras são introduzidas, mas nem todas as espécies introduzidas são invasoras. Aqui está um exemplo das consequências para os seres humanos, bem como para a riqueza de outras espécies: em 1992, foram encontradas espécies introduzidas de água-viva no mar Negro. Essas águas-vivas são transparentes e possuem voraz apetite por larvas e ovas de peixes. Dentro de meses, aquela única introdução resultou no colapso dos peixes nativos do mar Negro. As águas-vivas toleraram as condições do mar Negro e sua população explodiu às custas de sua entrada. O plano de fundo aqui é que as espécies introduzidas podem competir com as espécies nativas por alimento, por espaço ou por outros recursos que alteram as teias alimentares dos ecossistemas, perturbando elementos cruciais e interações que contribuiriam para o funcionamento de um ecossistema saudável. A água-viva é um bom exemplo disso. Portanto, você não apenas adicionou uma espécie, mas, no final, você subtraiu um monte de outras espécies. Então, espécies invasivas são, em última análise, organismos que causam a diminuição da função do ecossistema, e essa é uma outra definição de espécies invasoras que nós temos que compreender. O que é pior nessas espécies invasivas é que elas raramente vêm sozinhas. Como eu disse anteriormente, no exemplo da vaca, muitas vezes elas vêm com novas doenças, novos parasitas e novos efeitos desse acompanhamento, que dificilmente nós poderíamos prever. Outro exemplo de espécies invasoras são os patógenos, algo que, muitas vezes, nós não consideramos como invasor. Eles incluem os organismos causadores de doenças, como fungos, bactérias ou até mesmo os vírus. Essas são coisas que nós também introduzimos nas populações selvagens, e a extinção dessas populações pode vir a partir disso. De fato, nos últimos 500 anos, nós temos diretamente causado a extinção de mais 100 espécies de aves, parte por meio da introdução de doenças, e sabemos também dos danos que foram causados aos organismos que dependiam desses pássaros. Na floresta real, a doença do olmo holandês... que foi algo que, quando eu estava crescendo, era uma coisa enorme e, na verdade, ainda o é na América do Norte... A doença do olmo holandês deixou árvores esqueléticas por milhas e milhas, e, quando eu era uma criança crescendo em Toronto nos anos 60, 80% dos olmos da cidade foram mortos. Foi realmente triste, porque essas árvores não eram apenas lindas, mas elas eram também muito importantes. A madeira dos olmos era um serviço direto dos ecossistemas para nós de diferentes maneiras, como para produzir sombra ou para a fabricação dos móveis. O fungo causador da doença foi introduzido por besouros, alguns dos quais eram nativos e outros que foram introduzidos, sendo que ambos deram suporte e coevoluíram com esse fungo patogênico, o que era algo que não podia ser interrompido. Esta ideia de ser generalista, a capacidade de se reproduzir e deslocar nativos, a capacidade de se tornar mais abundantes às custas de outras espécies, de introduzir doenças que proliferam em habitat não nativo nos soa bem familiar, porque isso somos nós. Em alguns aspectos, nós somos a espécie invasora definitiva! Nós não apenas introduzimos nós mesmos, como nós também somos invasivos. A diferença é que, ao contrário das águas-vivas, dos besouros ou das vacas, nós somos capazes de reconhecer esse fato e talvez de mitigar nosso impacto. Nós podemos olhar para o mundo e para os problemas e começar a pensar em maneiras de controlar essa invasividade e, então, reduzir os efeitos e não nos introduzirmos em primeiro lugar. Nós não temos que fazer isso apenas por razões morais, eu acho, mas porque, ironicamente e como nós dissemos anteriormente, nós trazemos conosco acidentalmente ou intencionalmente um monte de danos para as espécies que defendemos. E pior: danos esses que podem perturbar as funções ecológicas saudáveis das quais toda vida depende, inclusive nós mesmos.
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen