If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:10:58

Transcrição de vídeo

RKA4MB - Olá, pessoal! No vídeo anterior, terminamos a meiose 1. E, neste vídeo, faremos a meiose 2. Você deve estar se perguntando: "será que nós temos, aqui, uma fase de descanso, igual acontece na mitose?" E, aqui, você deve começar a se perguntar: "assim que termina a mitose, você entra na intérfase. Será que entre a meiose 1 e a meiose 2 existe alguma fase de descanso?" E a resposta para essa pergunta é: às vezes. Pode, sim, ter um período de descanso. E essa vai ser chamada de intérfase 2. Vamos escrever aqui: intérfase 2. A intérfase 2, a existência dela, depende do tipo de célula de que a gente está falando, ou do tipo de animal que a gente estiver estudando. Mas ela pode, sim, existir (um período de descanso entre as duas fases da mitose, ok?). Então, vamos adiante e vamos começar aqui a nossa meiose 2. E, como você deve ter imaginado, inclusive deve ter acertado, vai começar a prófase 2, né? Prófase 2 é a próxima fase, a primeira fase da meiose 2; e eu vou colocar, aqui, as nossas duas células. Afinal, o resultado da primeira fase da meiose são duas celulazinhas. Então, temos aqui: 2 células. E, na prófase 2, assim como na prófase 1 e na prófase da mitose, nós temos aqui a membrana nuclear se dissolvendo novamente (membraninha nuclear toda dissolvida). E, mais uma vez, os cromossomos começam a se condensar aqui. Lembrando que a gente tem aqui um pouco do material genético rosinha, em decorrência do crossing-over que aconteceu. Aproveitando, aqui, nós temos aquele cromossomozinho menor também se condensando. Na segunda célula, aquele nosso cromossomo rosinha também se condensa com um pedacinho alaranjado aqui do crossing-over (e o menorzinho alaranjado), ok? Também temos que o centrossomo se duplicou, né? Ele está aqui duplicadinho em ambas as células. E eles começam a migrar para os diferentes polos da célula. Novamente, aqui temos uma analogia muito, muito forte, principalmente com a prófase da mitose. Dando sequência aqui, chegamos à parte da metáfase 2. Continuando com as duas células aqui (todas bonitinhas). Vamos fazer uma flechinha para falar que passamos de fase. E, com certeza, você já deve ter imaginado o que vai ter acontecido aqui na metáfase 2, afinal, é muito, muito similar ao que acontece na mitose. A meiose 2, pessoal, é muito parecida com a mitose. Então, a membrana nuclear já se dissolveu totalmente. E nós temos, aqui, os centrossomos já posicionados nos polos opostos da nossa célula, ok? Os centrossomos de cada célula. Só lembrando que são duas células aqui. E também nós temos os cromossomos completamente alinhados no equador da célula. Vamos desenhar, aqui, o pequenininho cor-de-rosa. Aproveitando que o pincel já está cor-de-rosa, vamos desenhar o grandão cor-de-rosa aqui da célula do lado. Lembrando que existe um material genético alaranjado do crossing-over. Aquele cromossomo menorzinho aqui em laranja, e um maiorzão alaranjado, com o materialzinho do crossing-over. E, é claro, aqui a gente vai ter os microtúbulos que ajudam a separar esses centrossomos um do outro. E eles também se ligam aos cromossomos (vão se ligando aos cromossomos). Ligando-se aqui, bem no cinetócoros, ok? Lembrando que, aqui, a gente tem os centrômeros, que é o que mantém ligadas as cromátides-irmãs. E a mesma coisa acontece nessa outra célula. Vamos desenhar, aqui, fazendo as ligações igualzinho nesta célula da esquerda. Muito bem! Agora, já estamos prontos para a anáfase 1. Vamos começar a separar as coisinhas, não é? Lembrando que isso vai ser muito parecido com a anáfase da mitose. Vamos aqui escrever: anáfase 2. Vamos, novamente, desenhar as duas celulazinhas. Ok. Melhor a gente pôr a flechinha aqui. Colocando o centrossomo, centrossomo, centrossomo e centrossomo. E uma característica importante, uma característica-chave na anáfase 2 (inclusive que diferencia da anáfase 1 e a deixa mais similar à anáfase da mitose), é que, aqui, a gente vai dividir as cromátides-irmãs, certo? Vai cada uma para um lado. Então, olha: cada uma das cromátides-irmãs, agora separadas, vão para um polo da célula, puxada pelos centrossomos aqui. Olha só. Lembrando que aqui tem um pedacinho do outro código genético. Aqui também. Não se esquecendo dos microtúbulos, que tem papel crucial nessa parte (microtúbulos, aqui). E a mesma coisa acontece nessa outra célula, não é? Vamos desenhar, aqui, uma figura muito parecida, colocando aqui o materialzinho e completando os microtúbulos. Muito bem! Lembrando que esses microtúbulos muito importantes [estão] fazendo um papel de motorzinho que separa essas cromátides-irmãs; conectados aqui nos cinetócoros. E, agora, a gente está quase acabando, né? Já estamos prontos para ir para a telófase 2 (aqui, a telófase 2). E, na telófase 2, é onde nossas duas células vão se formar, [vão] se transformar em quatro células. Vamos colocar, aqui, a citocinese acontecendo (olha só!), para a gente obter as quatro células provenientes dessas duas. Olha que maravilha! Então, pessoal, eles começam aqui a voltar a seu estado de cromátide se desenrolando. Aqui, eu vou tentar desenhar tudo o que tem de laranja, primeiro. Agora, as partes rosinhas. Todos se desenrolando, voltando a seu estado de cromátide. A membrana nuclear vai se formando novamente. Olha só! Nossa membraninha nuclear voltando para a célula e formando, aqui, a membrana nuclear. Os microtúbulos vão se dissolvendo. Vamos deixando aqui os centrossomos, um em cada célula. Que bonitinho! Muito bem! E a citocinese vai acontecendo; a gente vai dividindo essas células aqui. E, aqui, a gente vai terminando com essas quatro células. Células, diga-se de passagem, haploides. Células haploides com dois cromossomos cada uma. Lembrando que a gente começou, aqui, com célula diploide e o número de cromossomos dessa célula diploide era 4. E terminamos aqui com células com dois cromossomos e células haploides. E o que nós formamos aqui são gametas. Aqui nós temos quatro gametas. Inclusive, começamos a meiose 2 com células haploides de 2 cromossomos, e terminamos com células também de 2 cromossomos. Por isso que a meiose 2 é muito melhor comparada com a mitose do que com a meiose 1. Portanto, aqui, minha gente, vou contornar as etapas da nossa meiose 2. Meiose 2 [é] muito, muito, muito similar à mitose, afinal, a gente começa com um determinado número de cromossomos e termina com o mesmo número de cromossomos. Aqui: meiose 2. E pronto! Temos, agora, nossos gametinhas. Gametinhas prontinhos para fertilizar algum outro gametinha. Lembrando que esses cromossomos aqui não são homólogos. Na mesma célula não, pelo menos. Afinal, eles codificam genes diferentes. Porém, esse cara está pronto para se fundir com o par homólogo que ele encontre em um outro gameta, né? Digamos que aqui nós temos a celulazinha de um espermatozoide que pode, eventualmente, encontrar com um óvulo. E, lá, eu vou ter um cromossomo homólogo dele e eles vão se fundir e criar, gerar uma célula que seja diploide, ok? Afinal, isso aqui é feito para a reprodução sexuada. Ok, pessoal! Espero que vocês tenham gostado da reprodução que fizemos juntos aqui, e até o próximo vídeo! Tchau, tchau!
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen