If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:6:23

Transcrição de vídeo

RKA9MB - Nós vamos ver, agora, um pouquinho sobre a fermentação alcoólica, também conhecida como fermentação do etanol. Bem, então, nós vimos que o piruvato, quando termina aqui a glicólise, o primeiro passo é que ele é descarboxilado. E isto é facilitado por esta enzima: piruvato descarboxilase. A carboxila é removida em forma de dióxido de carbono. E o que sobra é esta parte aqui: o acetaldeído ou etanal. O próximo passo é que o etanal vai ser reduzido pelo NADH para formar o etanol. Então, aqui, acontece a redução formando o etanol. O que acontece é que ele ganha ânion hidreto. E, neste processo, o NADH está sendo oxidado também. E a oxidação produz NAD⁺, que pode ser usado na glicose novamente. E a fermentação é muito usada pela indústria alimentícia. Este aqui é um exemplo de levedura; e o diâmetro dessas leveduras está na ordem dos mícrons. E este tipo de fungo pode ser usado para fazer pães ou bebidas alcoólicas, por exemplo. E o que a levedura faz é justamente a fermentação a partir da glicólise, formando álcool. O que faz com que os pães cresçam é justamente esta etapa aqui de deliberação do CO₂. Ele se embrenha na massa, tornando-a aerada. E, se pensarmos bem, também é produzido etanol no pão. Grande parte dele evapora, mas ainda existe alguma quantidade de etanol nos pães. Então, existe algum traço de etanol nos pães. E a fermentação também é usada em bebidas alcoólicas como o vinho e a cerveja. O álcool que é ingerido nas bebidas alcoólicas é o etanol, produzido então pela fermentação. Bem, pessoal, por hoje é só. Espero que vocês tenham gostado do vídeo. E até a próxima!
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen