If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Curso: Biblioteca de Biologia > Unidade 36

Lição 1: Curso intensivo: Biologia

Super glândulas - Seu sistema endócrino

Hank nos mostra o sistema endócrino - sistema de glândulas que produzem e secretam diferentes tipos de hormônios diretamente na corrente sanguínea para regular as funções do corpo, crescimento, metabolismo e desenvolvimento sexual. Versão original criada por EcoGeek.

Quer participar da conversa?

Nenhuma postagem por enquanto.
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA5MB - Hormônios: aquilo que torna o humor dos adolescentes miserável e que faz crescer cravos e espinhas, e transforma um aluno completamente normal em um obcecado pela professora de álgebra. Não que eu tenha experiência com esse último caso. Mas toda essa tortura é consequência dos hormônios sexuais. Na verdade, tem mais de 50 tipos diferentes de hormônios circulando em todo seu corpo agora; e todos os seres produzem algum tipo de hormônio. Os hormônios regulam a metamorfose dos insetos, são eles que estimulam plantas a crescerem e darem frutos. No reino animal, o sistema endócrino é o responsável pelos hormônios. Ele e o sistema nervoso transmitem informações importantes de uma parte do corpo para outra. Seu sistema endócrino, nesse exato momento, está lançando hormônios na sua corrente sanguínea que estão agindo por todo o seu corpo. Eles dão instruções para as glândulas; regulam o nível de sal, açúcar e água no seu sangue; fazem o seu coração bater mais rápido; e são responsáveis pelas fantasias com o Taylor Lautner. Mas preste atenção aqui! Estamos falando de Ciência! Atenção! O sistema endócrino e nervoso carregam informações pelo corpo, mas o sistema nervoso faz isso rapidamente e as respostas são mais rápidas ainda, já a resposta do endócrino leva um tempo para chegar, mas seus efeitos podem durar de horas a semanas. A palavra "hormônio" vem do grego, e significa estimular uma atividade, através da secreção por glândulas endócrinas produzidas por diversos órgãos. Além das glândulas endócrinas, você também tem glândulas exócrinas, como as salivares e sudoríparas. Como o próprio nome diz, ela excreta para fora do corpo, o que o "crino" em endócrino significa em grego. As glândulas estão por todo o seu corpo. Algumas estão até no seu cérebro, na sua garganta, do lado dos rins, abaixo do seu estômago e também nas partes íntimas. Todas as glândulas têm veias ao seu redor para que os hormônios liberados cheguem à corrente sanguínea. Muitos hormônios circulam no sangue pelo seu corpo inteiro até chegar nas células com os receptores para aquele hormônio. Algumas mensagens hormonais são mais específicas: o sinal parácrino libera hormônios que se degradam rapidamente e atingem apenas uma pequena região do corpo. Um exemplo: a testosterona dos testículos, ele diz o quanto de hormônios precisa ser produzido nesse exato momento. Em uma escala ainda menor, temos o sinal autócrino, que age na própria célula e passa o sinal para as células do lado. É o que acontece no nosso sistema imune quando um "linf. T" percebe que precisa se clonar para combater um vírus. Suas células recebem hormônios através de sinais, mas onde e como ele se ligam aos seus receptores depende de qual hormônio estamos falando. E são três tipos diferentes. Temos os esteroides, que fazem mais do que te deixar musculoso, bravo etc. Os esteroides derivam do colesterol e têm vários tipos diferentes: temos peptídeos, que são uma cadeia de aminoácidos, e as monoaminas, que são um único aminoácido. Precisamos ficar bem atentos sobre esses, pois os peptídeos e as aminas se diluem em água, mas não em lipídios. E, como as membranas celulares são compostas por lipídios, os hormônios não conseguem entrar nas células. Por isso eles se ligam aos receptores na superfície das células. Já os esteroides são lipossolúveis, podendo penetrar na célula e se ligar aos receptores no núcleo da célula. Dessa forma, o sistema endócrino manda muitos sinais químicos que começam no cérebro, em uma glândula do tamanho de uma ervilha chamada hipófise ou glândula pituitária. É gandula master, o Napoleão do sistema endócrino. Apesar de que o Napoleão não era tão pequeno quanto à hipófise. Enfim, a hipófise faz com que os hormônios instruam as glândulas a produzir outros hormônios, e esses hormônios são os que agem de fato. A hipófise está conectada ao hipotálamo, a parte do cérebro que age como uma conexão entre o sistema nervoso e endócrino. A maior parte do trabalho consiste em dizer às glândulas o que fazer baseado nos dados obtidos pelos sentidos e nervos. Por exemplo, uma mulher entra em lactação quando seu bebê começa a chorar. O censo da audição, nesse caso, vai até o hipotálamo pelo sistema nervoso e diz que tem um bebezinho por perto, provavelmente, com fome. Isso faz com que o hipotálamo estimule a hipófise, que libera hormônios estimuladores da produção e secreção de leite. A hipófise se localiza logo abaixo do hipotálamo e tem dois lóbulos, que, na verdade, são duas glândulas diferentes, mas que se juntaram. A hipófise posterior é uma extensão do hipotálamo e secreta dois hormônios que são produzidos pelo verdadeiro hipotálamo. Um deles é a ocitocina, que estimula a contração do útero durante o parto e contribui para a amamentação, mas também participa do reconhecimento de pessoas, do flerte, dos orgasmos e da ansiedade. Estranho, não é? Outro hormônio secretado pela porção posterior do hipotálamo é o hormônio antidiurético, que diz para os rins reterem água. A hipófise anterior, por sua vez, produz e secreta todo conjunto de hormônios; e um dos destinos desses hormônios é a tireoide. A tireoide regula o seu metabolismo, o seu apetite, o funcionamento dos músculos, sua pressão sanguínea, seu batimento cardíaco, entre outros. E a forma como ela interage com a hipófise é um bom exemplo de feedback negativo, que é uma resposta comum ao corpo todo, principalmente no sistema endócrino. A hipófise é basicamente o termostato da tireoide. Ela pode dizer quanto de hormônio da tireoide está presente no sangue e quando os níveis são baixos, assim, ela lança um pouco de TSH, um hormônio estimulante da tireoide. A tireoide, como resposta, secreta hormônio e acelera o metabolismo; só aí que a hipófise para de produzir TSH. O efeito da hipófise é um sinal para produzir menos hormônio. Logo, é um feedback negativo. Outra glândula que também é controlada pela hipófise é a glândula suprarrenal. Elas se localizam acima dos rins e são responsáveis por produzir hormônios que ajudam o rim a controlar a quantidade de sal e água no organismo; e, além disso, ajudam a controlar o estresse. Quer ver como eles funcionam? Vamos supor que você esteja caminhando na rua, e, do nada, você seja atingido na cara por um pato irritado. Isso é incomum e você não faz ideia do que aconteceu. Só sabe que está sendo atacado por alguém. Quando o sistema nervoso simpático (SNS) percebe que algo aconteceu, o hipotálamo estimula a hipófise a secretar hormônio adrenocorticotrófico (ACTH); isso se você já não tiver o suficiente. Ele estimula as glândulas suprarrenais a produzir epinefrina (adrenalina). A epinefrina no sangue diz para diversos órgãos que eles devem realizar várias funções de uma vez só: cortar o sangue do seu sistema digestivo e mandar sangue para os pulmões e músculos e aumentar os batimentos cardíacos. Tudo isso para te ajudar nesse momento difícil. Diferente de todas as outras contrações musculares, seu coração é controlado pelo sistema endócrino, assim como o sistema nervoso. Você já deve ter percebido que seu coração acelera quando você se assusta. Isso acontece porque a epinefrina ainda está no seu sangue, acelerando o seu coração, mesmo quando você já está fora de perigo. Antes de passar para as gônadas, vamos falar das funções do pâncreas, uma glândula muito legal, a maior do nosso corpo. Eu mencionei algumas vezes que as glândulas regulam os solutos no sangue; é uma das principais funções do sistema endócrino, e ninguém faz isso melhor do que o pâncreas. Seu trabalho é regular os níveis de glicose no sangue e, como a glicose é essencial para a respiração celular e você precisa disso para viver, isso é muito importante! Quando a concentração de glicose no sangue aumenta depois de comer um chocolate, o pâncreas secreta insulina no sangue. A insulina viaja pelo seu corpo e estimula, praticamente, todas as células do seu corpo a absorver glicose. O fígado e os músculos convertem a glicose em glicogênio, e as chamadas células adiposas transformam glicose em gordura. Agora, se tem pouco açúcar no sangue, o pâncreas tem a solução! Vamos dizer que você esteja em uma disputa de flexões com o Christian Bale. Claro que você vai perder, mas não sem lutar! E, para isso, seu pâncreas vai liberar um outro hormônio chamado glucagon, que estimula o fígado e músculos a quebrar o glicogênio em gordura e glicose. Mas você vai perder do mesmo jeito. É o Christian Bale, né? Mas perder para ele é melhor do que ganhar de qualquer outro. Saindo do assunto de hormônios musculosos, vamos voltar para o assunto das gônadas. Glândulas sexuais podem ser de dois tipos diferentes (você sabe, já deve ter ouvido falar): são os testículos e os ovários. Eles recebem ordens da hipófise para produzir hormônios sexuais. Os testículos produzem andrógenos, sendo o principal a testosterona, que ajuda na produção de esperma. Os ovários produzem estrógeno e progesterona, que estimulam o crescimento do endométrio. E o que mais...? Bem, você deve imaginar que o sexo é definido pelas suas partes íntimas. Isso não é completamente verdade. O motivo de sermos homens ou mulheres têm muito a ver com hormônios. Vou até pegar uma cadeira para contar essa história. Em 1940, o embriologista Alfred Jost estava estudando a diferenciação sexual em coelhos, porque, aparentemente, é isso o que você faz quando se é um embriologista francês em 1940. Ele questionou se existe uma relação entre os hormônios secretados durante o desenvolvimento embrionário e a determinação do sexo do coelho, tanto para macho quanto para fêmea. Assim, com muito, muito cuidado (e isso é um pouco perturbador), ele retirou os embriões das mães e, em seguida, também com muito cuidado, ele retirou as partes que se tornariam ovários ou testículos dos embriões de coelho. E, depois, também com muito cuidado, ele colocou os embriões de volta na mamãe coelho. O que Jost percebeu, depois que os coelhos nasceram, é que os que passaram pela cirurgia eram fêmeas. Então, na ausência de gônadas e dos hormônios que instruem o desenvolvimento de testículos e de voz grossa, ele chegou à conclusão de que o desenvolvimento padrão dos mamíferos é sempre fêmea. Os hormônios sexuais são complicados, até mesmo durante o desenvolvimento fetal, mas são piores ainda durante a puberdade! Quando a hipófise deixa as glândulas em alerta nos garotos, produz muita testosterona para mudar a voz, fazer nascer cabelos, músculos e ossos. Além de encorajar pessoas a fazer coisas idiotas e postar no YouTube. Nas garotas, o estrógeno é o mais importante, sendo o estradiol e a progesterona os mais importantes no processo de menstruação e crescimento dos seios, ajudando o corpo a se preparar para conceber um bebê futuramente. O que a gente ainda não entende muito bem é como os hormônios sexuais afetam as nossas emoções. Sabemos que o estrógeno é necessário para a produção de serotonina, que é o neurotransmissor que nos deixa calmos. Quando o estrógeno diminui durante o ciclo menstrual, isso pode deixá-la estressada. Mas o efeito dos hormônios (não só no nosso corpo, mas também na mente) ainda é um mistério, e eu não quero nem pensar sobre isso.