Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:20:33

Transcrição de vídeo

na conversa sobre o sistema imune adaptativo nós já vimos que existe uma dupla de atores existe a resposta celular sistema imune adaptativo ela responde contra coisas que estão circulando pelos fluidos do corpo e não necessariamente contra aquelas que se infiltraram no corpo pra isso você tem a resposta celular mediada celular mediada na resposta o moral estamos falando sobre resposta o moral específico é onde as células b ou linfócitos b estão mais ativos e o que eles fazem você tem um linfócito b é um anticorpo bem específico e se ele foto b é único não um linfócito b geral se acontecer de se ser um dos bilhões de linfócitos b que possuem uma chave adaptar da melhor eu dizer a fechadura pois chave é o patógeno intruso ele vai ligar a esse linfócito b ele pode ser um vírus talvez uma bactéria e então o linfócito b será ativado e vamos falar sobre isso nesse vídeo porque a ativação nem sempre acontece de fato isso não acontece só aqui mas já dissemos que ela é ativada então ela vai para a memória que são múltiplas versões de si mesmo linfócito b original apenas dizendo vamos ter múltiplas versões dele porque eles reconhecem esse vírus então no futuro se pegarmos esse vírus essas múltiplas versões essas células de memória estavam lá pra fazer essa interação essa integração será mais provável de acontecer no futuro quando possuírem mais dessa variedade de linfócito b e então existem as células e futuras e estas são também um linfócito b no indivíduo uma vez que ela foi ativada ela prolifera segue dividindo esse clonando as células de memória apenas ficam por perto esperando serem ativadas do futuro só desenhando um desses anticorpos legados a membrana mas na verdade existem mais de 10 mil deles poderíamos desenhar muitos eu não tenho que desenhar só um as memórias ficam guardadas para o futuro e existem mais delas agora no futuro se pegarmos esse vírus de novo essa integração vai acontecer mais rapidamente e elas serão ativadas mais rápido os linfócitos b e flores vão se tornar verdadeiras fábricas de anticorpos essa célula vai e diz neste filme produzir eu fui ativada deixa produzir muito muito mais versões desse exato anticorpo então elas se dividem eu desenhei encerrado então esse anticorpo exato é criado para desativar os antígenos alvo e não qualquer antígeno apenas esse antígeno aqui e podemos ver que a outra coisa que o linfócito b faz é se tornar uma célula apresentadora de antígeno o que ela faz é o seguinte ela reconhece pois ela tem essa interação com esse antígeno que se encaixa na porção variável decente corpo ligado à membrana ela o enganou cita ela o move para a membrana sua membrana facilita isso é como se puxasse pra dentro despedaçá se então apresenta um pedaço dele em uma molécula de mhc classe 2 nós vimos isso no último vídeo ela o corta e apresenta um pedaço dele ben ali e por isso a chamamos de célula apresentadora de antígeno agora nesse vídeo nós vamos falar sobre porque nós temos essas moléculas de m hc classe 2 por que nós apresentamos esses antígenos vamos começar a falar sobre mediação celular e mais ainda do que a mediação celular nós falaremos sobre linfócito t ano eu disse no primeiro vídeo que eles se chamam linfócitos t porque são maturados no último maturados no último há dois tipos de linfócitos t isso tudo é muito confuso porque temos linfócitos t linfócitos b mas depois existem dois tipos de linfócitos t você tem fotos de auxiliadores então temos aqui em fotos têm auxiliadores temos também os linfócitos t citotóxicos ou linfócitos t que matam as outras células em fotos ter se tocado fícus agora você tem uma ideia bem abrangente do que são os linfócitos b quando eles são ativados eles geram anticorpos esse é o melhor resumo do que um linfócito b ativado faz realmente geram anticorpos esses anticorpos se ligam a vírus e bactérias e outros tipos de patógenos rios desativam como também os marcam de tal forma que os macrófagos podem comê los jogar todos os seus anticorpos na superfície deste patógeno isso pode desativá los ou embrulhados todos juntos o que vai tornar mais fácil para os macrófagos pêga los mas isso apenas funciona para coisas que estão circulando coisas circulantes anticorpos livre circulantes só efetivos para coisas que estão circulando linfócitos t citotóxicos que vou falar em mais detalhes no vídeo futuro na verdade atacam células que foram infiltradas atacam e matam as células infiltrados e quando eu digo infiltrada é uma célula onde um vírus entrou ou que alguma bactéria tenha penetrado e quando eu digo infiltrada não necessariamente significa algo vindo de fora pode ser uma célula cancerosa que se mostra anormal de alguma forma ele fotos de citotóxicos vão pelo menos tentar matá las mas o que eu quero focar fora dos três tipos de linfócitos lembre-se tudo que nós falamos sobre leucócitos as células brancas do sangue unifor situção um subconjunto delas e essas três são linfócitos elas são assim chamadas porque começam seu desenvolvimento na medula óssea então eles na verdade fazem coisas eles geram anticorpos que se ligam à patógenos circulantes atacam diretamente células que estão de alguma forma anormais se elas foram filtradas estão normais estão cancerosas quem sabe mais o que eu vou fazer um vídeo sobre isso mas isso nos leva a uma pergunta muito óbvia o que esse indivíduo faz o que os linfócitos t auxiliadores fazem se eles não interagem diretamente com patógenos não produzem coisas que interagem com patógenos ou ele próprio não vaie diretamente mata as células ea resposta que o linfócito t auxiliadora é um tipo de alarme do sistema imune e de alguma forma é quase o mais importante já conversamos no último vídeo sobre as células apresentadoras de antígeno quando uma crono fogo ou uma célula dendrítica pega coisas e ela as corta e as apresenta na sua superfície como essas proteínas de mhc classe 21 em complexos com esses ou proteínas de mhc classe 2 assim fazem os linfócitos b são mais específicos agora uma vez que algo é apresentado os linfócitos t podem entrar em cena então vou fazer uma célula dentre tica e eu tô fazendo na verdade de propósito porque células dendríticas são na verdade as melhores células na ativação do linfócito t vamos falar já sobre o que acontece quando um linfócito t auxiliadora é ativado digamos que eu tenha essa célula dendrítica ela se chama de crítica porque parece que ela tem dendritos dentro então eu tenho aqui esta célula dendrítica ela é um fado gosto digamos que ela já tenha consumido um tipo de bactéria ou vírus e esse foi cortado e ela está apresentando partes do corpo desse vírus no complexo de mhc 2 tá certo então é uma forma de ela dizer ei eu achei essa coisa estranha circulando nos tecidos do corpo talvez alguém de ver se acionar um alarme talvez seja a parte de alguma coisa maior acontecendo há algum sinal de alarme deve ser acionado e é isso que os linfócitos t auxiliadores fazem digamos que esse indivíduo esteja apresentando isso e diz achei essa coisa eu a matei aqui está uma parte dela os linfócitos t auxiliadores possui um receptor de linfócitos t nele digamos que esse é um linfócito t auxiliador e receptores de 100 fotos do de ligam se há algo ia ser bem específico aqui então esse é o receptor de em foto de isso é uma proteína mas com anticorpos ligados à membrana dos linfócitos b e cada linfócito b ou quase todo em foto ben possui uma versão diferente uma cadeia variável que também é verdade para os linfócitos t auxiliadores que assim como os linfócitos b possuem uma variação em relação a onde ele se ligam então isso aqui vai variar de um linfócito t para outro por exemplo eu posso ter outro linfócito t auxiliadora aqui ele também possui um receptor de linfócito t mas a porção variável desse receptor é diferente da porção variável do receptor do outro linfócito t então esse linfócito t auxiliador não vai se ligar à célula dendrítica ou ao complexo mhc 2 dessa célula dendrítica apenas esse poderia eo mecanismo de como você obtém essa variação é bem similar ao mecanismo de como você obtém a variação nos anticorpos e nos linfócitos b durante a produção dos linfócitos tem algum momento os genes que codificam a parte desse receptor foram misturados e eles são misturados intencionalmente de modo que cada linfócito t possua certa especificidade a uma combinação com um complexo mhz 2 com o pole peptídeo ou com uma certa parte de um vírus então apenas esse indivíduo será ativado e não e se esse é porque chamamos isso de sistema imune específico então tá o 15-m foto tem auxiliador faz nesse ponto ele diz eu sou o único linfócito t que pode se ligar a esse indivíduo a esse antígeno que está apresentado ele se torna ativado não vou entrar em detalhes mas em geral as células dendríticas são as melhores para ativá lo sobretudo linfócitos de virgens em geral quando falamos sobre um linfócito t virgem ou um linfócito t auxiliador virgem essas células não são de mesmo não são efetoras mas elas nunca foram tocadas nunca foram ativadas nunca foram ativadas por algo que se liga ao seu linfócito t auxiliador não retorno não tem memória e que nunca teve ligado a ele se essa célula é virgem ela finalmente vai reagir com essa célula apresentadora de antígeno tornando-se não virgem ela se torna ativada e quando ativada duas coisas podem acontecer duas coisas podem acontecer como os linfócitos b ela prolifera e muitas muitas cópias dela mesmo e alguns subconjuntos dessas cópias se diferenciam em células efetoras e efetoras apenas significam que elas fazem alguma coisa ela faz alguma coisa agora em vez de salvar a memória e então um subconjunto delas se torna linfócitos t auxiliadores após serem ativadas os linfócitos t de memória fazem você ter mais cópias deles em dez anos se alguma coisa assim acontecer essa interação será mais provável de acontecer esses indivíduos possuem o mesmo receptor de linfócitos t que os seus pais isso porque os linfócitos t de memória assim como os linfócitos b de memória duram muito tempo eles não se matam vão durar anos então se dez anos depois alguma coisa assim começa a acontecer você terá mais desses indivíduos colidindo com esse tal que você possa acionar os sinais do alarme esse indivíduo terá a mesma cadeia aqui então você pode estar dizendo existem essas células de memória eles vão ficar por aqui pra que essa relação possa ocorrer no futuro mas eu ainda não responde à questão o que os linfócitos t feitores fazem o que os linfócitos t fatores fazem é acionar o alarme então há um linfócito t efetor foi ativado lembre-se isso é muito particular apenas esta versão dos linfócitos t uma vez ativados eles produzem muitas cópias de si mesmo porque eles dizem nem eu estou respondendo a um tipo particular de patógenos então este é um linfócito t auxiliador e este é um efeito por que o que eles fazem é começar a liberar essas moléculas chamadas citocinas então começam a liberar citocinas eles começam a liberar citocina há muitos tipos diferentes de citocinas eu não vou entrar no detalhe disso mas o que as citocinas fase é que são elas que realmente aciona o alarme se você tem outras células linfáticas ativadas ou outras células imunes ativadas quando as citocinas entrarem nessas células lembre-se citocinas são apenas proteínas quando as citocinas ou poli peptídeos entrarem nestas células elas vão fazer com que essas células entre em funcionamento fazem com que se multipliquem mais rápido ou que fiquem mais ativas na sua resposta imune então elas agem esta situação se não você pode ver como campanhas químicas ou campanhas peptídica de alarme que avisam a todos para entrarem em funcionamento essa é uma função e você pode ver que esta é é uma função bem central que vai dizer aos linfócitos t citotóxicos ativados para funcionar isso ainda nós não falamos e ela também vai avisar os linfócitos b pra continuarem proliferando quando o linfócito b ativado recebe um pouco de citocina ele se torna um linfócito b ativado quando ele recebe algumas situações que podem vir de um linfócito t auxiliador local eles vão dizer ou dívidas mais rápido mais rápido apenas se ele já tiver sido ativada vamos falar mais sobre o porquê que tem que ser nesse caso porque você não quer que todos os linfócitos b sejam ativados a outra coisa que as células receptoras fazem na discussão sobre o infausto b eu disse tudo bem o linfócito b possui o seu anticorpo ligado à membrana seu anti corpo ligado à membrana e lembre se esta é uma versão particular ele possui sua cadeia variável circular aqui esse indivíduo se liga a um patógeno ele se liga a um patógeno pode ser um vírus até agora eu disse que essa célula era ativada e ela vai quando ligada ao patógeno levá lo pra dentro e vai pegar parte dele vai cortar e colocar em uma molécula de mhc dois e vamos dizer ah então ele vai ser ativado ele vai se proliferar e se diferenciar em linfócitos b de memória em fotos bem e vetores mas isso não é bem verdade essa primeira etapa acontece esse indivíduo se liga e cine foto b será específico para esse vírus ele corta o vírus chega na superfície apresenta as partes do antígeno mas na maioria dos casos esse linfócito b ainda não está ativado você pode vê-lo como em repouso pronto para ser ativado mas ele ainda não começou a proliferar e se diferenciarem refletores e de memória e para que isso aconteça será ativado para que a eni seja ativado realmente ela também é específica para esse mesmo vírus podemos imaginar que em algum lugar esse vírus foi engolido por uma célula dendrítica então esse vírus essa mesma espécie de vírus engolida por essa célula dendrítica e ela o engloba ela o corta e apresenta as partes é uma célula apresentadora de antígeno então ela apresenta assim isso vai ativar um linfócito t bem específico talvez esse nem foto ter também específico virar e vai colidir com esse não qualquer linfócito t mas sim o que possui a porção variável correta então pense sobre o que está acontecendo a porção variável para esse linfócito t se conecta a essa parte do vírus mas o m hc 2 ela reage como o mesmo vírus talvez seja uma parte diferente a pequena parte que foi cortada pode estar em algum lugar dentro do vírus enquanto o epítopo para o linfócito b pode estar em algum lugar do lado de fora do vírus mas ambos são específicos para o mesmo vírus agora uma vez que esta célula é ativada começa a produzir células de memória e efetoras células descendentes de uma dessas células receptoras específicas para esse vírus são necessárias para virem a se ligar neste indivíduo então essa célula pode então seguir e colidir e eventualmente acabar aqui e ela também específica para esse vírus então esse tipo de ligação aqui é o mesmo desse tipo de ligação esta é uma combinação de antígeno com 1 mhz 2 quando esse indivíduo se liga e lembrem-se esse sítio de ligação é o mesmo de si e se liga essa combinação bem aqui e é isso que ativa o linfócito b na maioria dos casos essa é uma ativação te dependente que é normalmente o caso às vezes tudo o que se precisa é o início mas em geral a primeira coisa que você precisa de um linfócito t para vir e ativá lo e apenas assim o linfócito b será ativado e vai começar a se proliferar e se dividir se diferenciar e produzir essas células receptoras que produziram um monte de anticorpos e então temos uma pergunta natural porque os sistemas biológicos ou porque nós temos esse sistema dupla pelo menos minha noção disso é que esse é um mecanismo seguro se toda vez que um vírus vier e se ligar a isso essa célula começar a ficar louco é produzir anticorpos contra ele há uma chance de que talvez depois da produção essa cadeia aqui ou os seus genes geradores dessas cadeias tornem-se específicos não para patógenos estranhos mas se tornem específicos para moléculas próximas moléculas que são naturalmente produzidas dentro desse corpo isso é uma mutação aleatória mas ela começou a enriquecer seus anticorpos e não começar a atacar moléculas que são normalmente do corpo e isso pode ser maléfico esse é o caso das doenças auto-imunes onde as próprias células imunes começam a se atirar contra elas mesmas mas se você possui um sistema duplo atuando só onde isso deve acontecer a probabilidade de esses indivíduos depois de saírem da fase de produção tornarem-se específicos para uma proteína uma célula ou uma molécula própria é muito pequena isso impede que esse indivíduo se torne selvagem mesmo se ele possuir um tipo de mutação enfim espero que este explique um pouco que os linfócitos t auxiliadores fazem falaremos mais sobre isso eu sei que isso pode ser meio confuso no vídeo seguinte vamos falar sobre impostos de citotóxicos a questão se totó xxi cruz fui