If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Síntese por desidratação ou reação de condensação

Transcrição de vídeo

RKA4G - No vídeo anterior, falamos sobre a importância da glicose como açúcar simples e falamos sobre sua estrutura molecular. O que quero fazer neste vídeo é estudar como a glicose pode ser utilizada como um bloco de construção de carboidratos mais complexos. Então, bem aqui, eu copiei e colei duas moléculas de glicose. Nós podemos numerar os carbonos: aqui temos o Carbono 1, 2, 3, 4, 5 e 6. Aqui, também, temos o Carbono 1, 2, 3, 4, 5 e 6. Eles estão em sua forma cíclica e nós vamos explorar o que aconteceria se esse oxigênio bem aqui, que estou destacando, utilizasse um de seus pares solitários para fazer, o que na química orgânica chamamos de ataque nucleofílico sobre o carbono 1 da molécula de glicose à esquerda. E a razão pela qual isso poderia acontecer é que esse carbono 1 está ligado a dois oxigênios. Oxigênios são muito eletronegativos e eles monopolizam os elétrons quando estão em uma ligação covalente, de modo que esse carbono vai ficar com uma carga parcialmente positiva e esse oxigênio, que é muito eletronegativo, vai monopolizar os elétrons desse hidrogênio e desse carbono e, por isso, vai ter uma carga parcialmente negativa. E assim, ele vai se tornar nucleofílico e vai ser atraído para o núcleo desse carbono, nesta carga parcialmente positiva, bem aqui. E assim que isso acontecer, eles vão utilizar um par solitário para formar uma ligação que compartilhará o elétron com o carbono. E então, o carbono poderá se libertar de outra ligação: esta ligação, bem aqui. E assim, ele pode se desligar e deixar ambos os elétrons dessa ligação. Agora, você poderia dizer que, talvez, os elétrons vão voltar para o oxigênio e formar um ânion hidróxido ou, poderíamos imaginar, também, que eles vão pegar um hidrogênio de algum íon hidrônio. Eles vão pegar um hidrogênio de algum íon hidrônio. Então, isso pode ser usado para formar uma ligação com esse íon de hidrogênio, que é apenas um próton. E aqui, ele pega um elétron de hidrogênio e vai se tornar um próton. É isso que vai acontecer. Bom, isso vai ligar essas duas moléculas de glicose. Elas vão se ligar dessa forma. E é muito importante que nós acompanhemos estas duas moléculas, bem aqui. Esse oxigênio aqui,é este mesmo oxigênio, bem aqui. Esta ligação entre o carbono e o oxigênio é esta mesma ligação, bem aqui. Esses elétrons foram utilizados para fazer uma ligação com o carbono, que é esta mesma ligação. Esse oxigênio, bem aqui, esse oxigênio aqui e esses elétrons foram utilizados para fazer uma ligação com este hidrogênio. Poderia ser essa ligação, bem aqui. Agora, a única diferença baseada no que eu desenhei é que esse oxigênio, bem aqui, está ligado ao carbono 4 e ao carbono 1, assim como aqui embaixo está ligado ao carbono 4 e ao carbono 1. Mas ele também está ligado a este hidrogênio. Vamos desenhar o hidrogênio. Está ligado ao hidrogênio. Esse oxigênio está compartilhando seus elétrons para formar uma ligação covalente com carbono 1. Então, ele vai doar um elétron ao carbono 1 e, por isso, aqui vai ficar com uma carga positiva. Ele tinha uma carga neutra e agora ele está com uma carga positiva. Mas, para voltar a ter carga neutra, você poderia imaginar, talvez, algum tipo de molécula de água que poderia pegar este íon. Talvez isto, bem aqui, e talvez isto, bem aqui, poderiam pegar este hidrogênio. E assim, ambos os elétrons, esses 2 elétrons, voltam para o oxigênio. Então, esse oxigênio se torna neutro. Bom, vamos apagar essas coisas. Vamos apagar essas coisas. Vamos apagar esse hidrogênio. OK. Agora, o hidrogênio vai estar ligado a este oxigênio, bem aqui. Então, agora nós temos um íon hidrônio. Isso é razoável, porque antes nós tínhamos o hidrogênio bem aqui. Agora, continuamos a ter um hidrogênio aqui, ligado à água. Nós tínhamos um próton e continuamos a ter um próton. Assim, nós não tiramos e nem colocamos nenhuma carga no sistema. Mas, a coisa mais importante que nós acabamos de ver é que, quando essas duas coisas se ligam, nós perdemos uma molécula de água. E esse sistema perdeu uma molécula de água. A única coisa que escapou dessas duas moléculas é isso: uma molécula de água. Então, este hidrogênio é este hidrogênio. E este oxigênio é este oxigênio. E esse hidrogênio é esse hidrogênio, bem aqui. Então, o que fizemos é chamado de síntese por desidratação. Síntese por desidratação. E por que chamamos de síntese por desidratação? Nós acabamos de retirar uma água daqui e por isso falamos em desidratação. E, quando colocamos essas duas coisas juntas, estamos sintetizando uma molécula maior. Por isso falamos em síntese. Essa reação também pode ser conhecida como reação de condensação. E fazendo isso, essas duas moléculas de glicose são capazes de formar um dissacarídeo. Individualmente, cada uma delas era um monossacarídeo. Monossacarídeo. E o que significa monossacarídeo? "Mono" vem de um, singular, e sacarídeo vem de uma palavra grega para açúcar. Então, sacarídeo significa que é um açúcar. Mas sacarídeo refere-se não apenas aos açúcares simples, os monossacarídeos, também pode ser utilizado para os açúcares mais complexos, compostos por dois monossacarídeos, que seriam os dissacarídeos, ou compostos por várias unidades de monossacarídeos, os polissacarídeos. E todas essas classes de sacarídeos também são conhecidas como carboidratos. Então, aqui nós tínhamos dois monossacarídeos e, agora, temos um dissacarídeo. Esse dissacarídeo, em particular, é a maltose. Maltose. O ponto neste vídeo é te mostrar como partimos de açúcares simples, os monossacarídeos, e formamos dissacarídeos. E, na verdade, você poderia continuar. Você pode continuar a ter reações de síntese por desidratação ou reações de condensação para continuar a adicionar mais e mais monossacarídeos, construir cadeias cada vez mais longas. Por isso, se você tivesse que continuar a fazer essas reações... Se você continuasse a fazer essas reações, você começaria a entrar no mundo dos polissacarídeos. "Poli" significa muitos, então seriam muitos monossacarídeos, muitos açúcares simples juntos, que é o caso do açúcar. Isso é algo que você vai ver muitas vezes na química, onde você tem uma única unidade, como essa daqui, que no caso, é um único açúcar. Mas, se formos falar de uma forma mais geral, podemos chamar de monômero. E se ligássemos muitos desses monômeros, teríamos o que conhecemos como polímero. Bom, polissacarídeos são muito importantes e você provavelmente deve ter comido alguns polissacarídeos hoje. Eu tenho certeza que você tem alguns polissacarídeos armazenados em suas células neste momento. Se continuarmos nesse processo, adicionando mais glicose, poderíamos ter um dos polissacarídeos que é sintetizado pelas plantas, o amido. Em nosso corpo, várias moléculas de glicose são estocadas na forma de moléculas de glicogênio. Então, essas macromoléculas, esses polissacarídeos, são compostos por vários açúcares. Esses polímeros de açúcares, os polissacarídeos, são muito comuns na biologia. Você os tem comido e deve ter algum armazenado em seu corpo neste exato momento.
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen