If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:8:03

Transcrição de vídeo

RKA9MB - Para nós que já estamos familiarizados com a existência de células, a ideia de que as coisas vivas são formadas de células pode não parecer grande coisa. Ou a ideia de que nós, seres humanos, somos compostos de muitas células pode parecer algo trivial. Estima-se que o corpo humano seja composto de 37 trilhões de células. Mas, se voltássemos no tempo, mais precisamente no século 17, isso não era uma coisa tão óbvia assim. E isso é porque as pessoas não tinham as ferramentas para fazer observações diretas das células. De fato, elas não sabiam nem mesmo da existência das células. Mas tudo isso começou a mudar com a invenção do microscópio por Robert Hooke. Robert Hooke foi capaz de criar um microscópio primitivo, que permitiu a ele explorar este mundo microscópico. Aqui nós temos a imagem do microscópio dele, que era composto de um conjunto de lentes que conseguia ampliar a imagem em algumas vezes. Mas repare que a iluminação que ele usava para o microscópio era a luz de uma vela. Então, ainda era um aparelho muito primitivo. E, em 1665, ele publicou um trabalho chamado "Micrografia". E, neste trabalho, ele descreveu várias das observações que ele fez usando o microscópio. Então, ele descrevia coisas como pulgas ou piolhos. E ele também observou na lente do seu microscópio um pedaço de cortiça, que é um tecido vegetal. E, quando ele olhou no microscópio a cortiça, ele reparou que ela era composta de vários quadradinhos, que ele chamou de células, porque elas lembravam um tipo de cela em que viviam monges. E, infelizmente, os desenhos que ele produzia se perderam. Bem, o tecido da cortiça observado por Robert Hooke estava morto. Então, na realidade, o que ele chamou de célula era, na verdade, o espaço onde estava a célula; era a parede celular que delimitou esses quadradinhos. Alguns anos depois, Antonie van Leeuwenhoek (eu não sei se estou pronunciando corretamente o nome dele), inspirado pelos trabalhos de Robert Hooke, aprimorou o microscópio criado, e com este novo microscópio foi possível observar células vivas, como, por exemplo, este espermatozoide que está aqui, ou este protozoário aqui do lado. E ele chamou essas células de animálculos, porque elas eram animadas, pareciam animais unicelulares. E foi a primeira vez que algum tipo de vida foi encontrada numa escala tão pequena, tão diminuta. Mas uma teoria celular completa só emergiu no início do século 19. Então, nos anos de 1830, estes dois cavalheiros, Schleiden e Theodor Schwann, dão início aos fundamentos do que chamamos hoje de teoria celular. Então, o primeiro princípio que eles propuseram foi que todos os seres vivos são compostos de células. E este princípio exclui, por exemplo, os vírus como seres vivos. Os vírus não são considerados seres vivos justamente porque não são compostos de células. Então, seguindo esta ideia, o segundo princípio é que a célula é a unidade básica da vida. Então, isso significa que o máximo a que a vida pode ser reduzida é a célula. Se você for além disso, isso já não é considerado vivo mais. Bem, neste ponto, estes dois senhores já sabiam que células poderiam originar outras células. Mas ainda era uma questão em aberto. Será que, por exemplo, não poderiam existir células que surgiam espontaneamente se os elementos corretos estivessem presentes e as condições fossem adequadas? E somente na metade do século 19 é que o terceiro ponto foi estabelecido. E o terceiro ponto diz exatamente que todas as células se originam de outras células. E o verdadeiro autor deste princípio foi Remak, Robert Remak. Mas, às vezes, o crédito para isto pode ser atribuído para este cara aqui, Virchow, que, na verdade, plagiou o trabalho de Remak. Mas, se toda célula se origina de outra célula, então, como foi que surgiu a primeira? E não existe nenhuma certeza sobre isso, mas, quando olhamos para a evolução da vida na Terra, estima-se que a vida surgiu a 3,5 bilhões de anos atrás. E a teoria de como surgiu essa célula primitiva está relacionada com a característica dos fosfolipídios, que formam naturalmente bicamadas. E eles podem formar membranas esféricas, que podem ter levado pela primeira vez a dois ambientes diferentes, vamos dizer assim, que seria o ambiente extracelular e o intracelular. Com isso, foram criadas as condições adequadas para que a célula pudesse se desenvolver. Essas células primitivas são chamadas de coacervados, e elas podem ter englobado alguma molécula autorreplicativa, como por exemplo, o RNA, ou alguma proteína; e essa teria sido, então, a primeira célula. Bem, pessoal, por hoje é só! Espero que vocês tenham gostado. E até o próximo vídeo!
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen