If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

Transcrição de vídeo

RKA8JV Nós já fizemos vários vídeos na Khan Academy sobre evolução e seleção natural, explicando esses conceitos, mas, agora, nós vamos fazer este vídeo para nos aprofundarmos mais nas evidências da evolução e da seleção natural. Vamos começar por essa citação aqui de um famoso biólogo já falecido, Theodus Dobzhansky. Ele diz que "nada na Biologia faz sentido exceto à luz da evolução." O que ele está dizendo é absolutamente verdade, e é por isso que é tão importante estudarmos as evidências da evolução e da seleção natural e entendê-las, porque antes da teoria da evolução, a Biologia tratava-se somente da observação e classificação, sem uma narrativa coesa de como tudo isso aconteceu. Desde que Darwin surgiu com essa teoria em meados do século XIX, nós conseguimos muitas outras ferramentas para sustentá-la, além da observação, que era apenas o que ele tinha naquela época. Nós temos ferramentas sobre informações e registros de fósseis, que nos dá muito mais evidência, nós temos ferramentas sobre microbiologia e genética, que nos dá evidências ainda mais fortes. Aí a gente pode pensar: "ah, a evolução é só uma teoria". Mas, essa é "a teoria", e sem ela, como disse Dobzhansky, a Biologia como nós a conhecemos e todo o progresso feito nela até hoje não faria nenhum sentido e provavelmente nem teria acontecido. Neste vídeo nós olharemos amplamente três tipos de evidência para a evolução e seleção natural. A primeira é estrutural, e esses são o tipo de coisa que caras como Darwin teriam observado, que as pessoas vêm observando na Biologia há muito tempo. Mas a evolução e a seleção natural começam a fazer muito mais sentido com isso. Aqui, nós estamos falando de macroestruturas, coisas que nós podemos observar a olho nu, ou com um simples microscópio. O próximo tipo de evidência é o que nós aprendemos nos últimos 100 anos mais ou menos, que é no nível micro, com a microbiologia, e especialmente com a genética. Isso realmente firmou a teoria da evolução, vamos dizer assim. E o último nível é a observação direta, e é aqui que vamos realmente além da teoria, nós estamos vendo acontecer. Muitas vezes as pessoas dizem: "ah, é uma teoria, e ela diz que isso aconteceu há milhares de milhares de anos", mas ninguém estava por perto mesmo para observar, de fato. Mesmo que temos muitas evidências, ninguém sabe se aconteceu com certeza, mas se você está observando as coisas diretamente você sabe que elas certamente estão acontecendo. Como nós veremos, a evolução ocorre não somente em escalas de tempo de milhares de anos, na realidade, nós vemos a evolução ocorrer o tempo todo, dentro de uma escala de tempo coerente para nós seres humanos, meses ou anos, por exemplo. Ok, vamos passar por cada um desses níveis que estabelecemos aqui. Primeiro, é o estrutural. Antes de mais nada eu quero deixar claro que essa é uma visão bem ampla, então, você pode e deve pesquisar mais profundamente esses níveis, e você vai encontrar muitos, mas muitos tipos de evidência como essa. A primeira coisa que veremos são estruturas homólogas, que você vê por todo o mundo da Biologia. A palavra homóloga significa que tem uma estrutura parecida, uma posição parecida, uma descendência parecida, mas, não necessariamente, a exata mesma função. Aqui, podemos ver um exemplo de uma estrutura que, nos humanos, é o antebraço e o pulso, e a mesma estrutura homóloga em cães, pássaros e baleias. O humano não anda apoiado sobre as mãos, em sua maioria, mas um cão sim, anda sobre as patas frontais. Um pássaro está usando essa estrutura para bater suas asas, o que é completamente diferente. E a baleia, essa aqui seria a sua nadadeira, deixa eu desenhar aqui mais ou menos, e ela está sendo usada para controlar os seus movimentos dentro da água. Apesar dessa estrutura ter funções bem diferentes em cada animal, no humano, no pássaro, na baleia, a parte externa é bem diferente, mas quando observamos as estruturas ósseas elas são incrivelmente parecidas, principalmente se observamos esse padrão de cores que eu coloquei aqui. Ok, essa é uma insinuação bastante forte de que talvez humanos, cães, pássaros e baleias tenham um ancestral em comum, em um passado mais recente do que os outros animais ou organismos, talvez, cujas estruturas não sejam tão homólogas quanto essas aqui. Se você estivesse, independentemente, tentando criar estruturas para o que cada uma dessas diferentes espécies está fazendo, não é tão óbvio que você teria estruturas tão homólogas envolvidas. Essas espécies são espécies que existem hoje, que existem no planeta ao mesmo tempo, mas nós também podemos ver evidências estruturais observando os registros de fósseis. Nos últimos 100 anos nós ficamos muito bons em observar diferentes camadas de estratos rochosos e sermos capazes de datá-los e dizer: ''ok, essa camada foi assentada há 'x' milhões de anos atrás, e essa aqui foi assentada um pouco mais recentemente e essa mais ainda". Então, observando os fósseis nesses estratos, podemos dizer: ''ok, 20 milhões de anos atrás havia espécies que eram desse jeito, e 10 milhões de anos atrás, espécies que eram desse outro jeito". Um exemplo é, se observarmos animais similares a um cavalo, que seriam cavalos, zebras, asnos, mulas. Essa é a estrutura óssea dos animais modernos, mas se observarmos os registros fósseis de 12 a 5 milhões de anos, atrás veremos fósseis assim, que são muito parecidos com os de hoje, então, é bem fácil de acreditar que houve uma evolução deste para este. E aí, vamos voltar mais ainda. E, novamente, parece ser um processo bem gradual. Isso vai acontecendo. Esses aqui são de 12 a 5 milhões de anos atrás, esses de 16 a 12 milhões de anos atrás, e estes aqui são de mais de 34 milhões de anos atrás. Então, podemos ver que isso aconteceu em um ritmo bem gradual. Os mecanismos disso, temos resumidos em outros vídeos da Khan Academy. Nós temos a variação entre espécies, a seleção do meio. O meio pode mudar, ou coisas variadas podem acontecer, então temos formas diferentes de seleção, surgem diferentes combinações, que são mais convenientes para o ambiente, então, eles começam a se reproduzir melhor, tornam-se a espécie dominante ou se apropriam de certas partes de um nicho ou de um ecossistema, então, acontece essa mudança, essa mudança hereditária de traços com o passar do tempo. Quando olhamos para esses registros fósseis, faz muito sentido de que essa seja uma evidência bastante forte da evolução, de que os animais que vemos hoje não foram simplesmente colocados aqui, criados de repente, não mudaram desde então, mas sim de que existe uma mudança constante e nós podemos vê-la diretamente através dos registros fósseis. Muito bem, a próxima evidência, vamos observar com o pé atrás um pouco, porque o senhor que a criou, em primeiro lugar, foi Haeckel, e ele foi uma figura um tanto quanto controversa. Ele tinha algumas teorias ilegítimas, e até mesmo esse diagrama que ele criou parece que foi um pouco forjado, os desenhos foram um pouco forjados, com o objetivo de que ele tivesse um argumento mais forte. Mas mesmo com observações modernas, esses desenhos estão bem perto de estarem corretos, e esse desenho chama muita atenção. Ele mostra o desenvolvimento embrionário de uma série de espécies, de um peixe, à esquerda, até um réptil, depois pássaros, mamíferos não humanos e até, claro, os humanos. Podemos ver aqui, que nos estágios iniciais eles são incrivelmente parecidos. Na verdade, podemos ver fendas branquiais primitivas em todos esses animais, que, mais tarde, irão se diferenciar em coisas que serão mais convenientes para o se tornará cada animal. O Haeckel foi o cara que reivindicou que a Ontogenia recapitula filogenia, o que é uma maneira bem chique de dizer que o seu desenvolvimento embrionário está contando a história do seu caminho evolutivo. Mas isso não é verdade, apesar de a gente ouvir as pessoas até citarem isso hoje em dia. Mas os desenhos e as observações dele são evidências claras de que seres vivos compartilham um ancestral comum, vêm de origem similares, de que se tornaram mais e mais diferentes com o passar do tempo, através do processo da seleção natural. Pois bem, tudo o que falamos até agora foi macroestrutura, coisas que podemos observar, certo? A próxima coisa que vamos ver são microestruturas ou processos, a microbiologia. Quanto mais compreendemos a microbiologia, mais nos certificamos de que é um caso convincente da evolução, porque olha só, todas as formas de vida que conhecemos envolvem o DNA. A forma como o DNA é replicado, traduzido e transcrito é muito similar de uma forma de vida para outra. A ideia do DNA sendo codificado para proteínas, que são feitas de aminoácidos, é uma coisa que vemos na Biologia, o que, novamente, nos mostra um ancestral em comum. Muitas das proteínas são bastante similares, mais similares do que se observarmos o nível macro, ou o nível estrutural entre espécies diferentes. E essas formas de vida não só compartilham dessas microestruturas e processos, mas a informação armazenada em coisas como o DNA, também são uma grande evidência da evolução. Essa imagem nos mostra o quanto de similaridade genética existe entre diferentes espécies, e esses números nos mostram o quanto esse nível de similaridade genética é grande entre nós e chimpanzés, ratos, moscas da fruta, levedura e plantas. O fato de que 26% dos nossos genes é similar ao de uma levedura é surpreendente, porque no nível macro não parece que temos muito em comum, mas no nível microbiológico, sim. Quanto ao chimpanzés, nós temos sim muito em comum com eles, suas expressões faciais são, muitas vezes, incrivelmente humanas, o comportamento deles é, muitas vezes, humano, e os genes mostram o quão próximos dos humanos eles realmente são. Na verdade, isso mostra que até os ratos são bem próximos, se olharmos na árvore da vida baseada em evidência genética, e até as moscas da fruta estão bem próximas dos humanos, principalmente se nós fôssemos compará-los a bactérias ou plantas. Tudo isso nos permite criar uma árvore da vida bastante precisa, principalmente se pensarmos o quão longe no passado nós tivemos ancestrais evolutivos em comum. Muito bem, a última coisa de que vamos falar é sobre evidência direta da evolução. No primeiro vídeo sobre evolução já foi falado sobre isso, aliás. Enfim, nós vemos evidência direta o tempo todo, em bactérias, por exemplo. Então, nós temos bactérias crescendo aqui, vamos supor, e nós temos antibióticos que usamos em nosso corpo para matar a bactéria. Mas, a razão pela qual muitos cientistas e médicos dizem: "não usem antibióticos em excesso". É por quê? Porque quanto mais você faz uso deles, mais acontecerá uma seleção natural para as bactérias que são resistentes a ele. Então, se você continuar a utilizar antibióticos e as bactérias continuarem mudando, haverá mais e mais varição. Então, tudo bem, você vai tomar o antibiótico, vai matar muitas bactérias, mas se apenas uma delas for resistente ao antibiótico que você usar, então, toda a competição dela será morta, e essa superbactéria resistente à droga, como nós chamamos, se reproduzirá loucamente, e aquele antibiótico não terá efeito nenhum. Se observarmos a ciência e a medicina hoje, é quase que uma corrida armamentista. Existe uma constante necessidade de criar novos antibióticos, porque mais e mais bactérias estão ficando resistentes às drogas, estão se tornando a superbactéria de que nós falamos, que são resistentes aos antibióticos que nós temos. Isso é a evolução, a seleção natural, ocorrendo em uma escala humana. Poderíamos também pensar no vírus da gripe. Todo ano precisamos tomar uma nova vacina para a gripe, porque o vírus está mudando. A habilidade do seu sistema imunológico para reconhecê-lo não consegue reconhecer o do ano seguinte, de tanto que ele mudou.
O conteúdo de Biologia foi criado com o apoio da Fundação Amgen