Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Catalisadores

Um catalisador é uma substância que aumenta a velocidade de uma reação química sem ser consumida na reação. Um catalisador fornece um caminho diferente para a reação, com uma energia de ativação menor do que o caminho sem o catalisador. Essa menor energia de ativação significa que uma fração maior de colisões é bem-sucedida a uma determinada temperatura, o que leva a uma velocidade de reação maior. Versão original criada por Jay.

Quer participar da conversa?

Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA4MP - Um catalisador é uma substância que aumenta a velocidade da reação sem ser consumida na reação. Vamos olhar a decomposição do peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. Essa reação ocorre em temperatura ambiente, porém, ela é uma reação lenta. Para aumentar a velocidade da reação, você precisa adicionar um catalisador. E se você está fazendo uma demonstração, como a famosa "pasta de dente de elefante", você precisa adicionar uma fonte de íons de iodo. Esse é um dos catalisadores que você poderia usar. Nós usamos o iodeto de potássio, ou o iodeto de sódio. Então, você adiciona uma fonte de íons iodo. Nós temos, aqui, uma fonte de íons iodo. Isso fará com que a sua reação ocorra mais rapidamente. Um íon iodo é um catalisador que aumenta a velocidade da reação. Vamos analisar o mecanismo da reação quando nós adicionamos um íon iodo como catalisador. No primeiro passo, você pode ver que nós temos o peróxido de hidrogênio e nós temos um íon iodo, que é catalisador. E isso forma água e um íon hipoiodito. Esse íon é chamado de intermediário. Então, vamos marcar que ele é chamado de intermediário, e nós temos a informação de que o primeiro passo da reação é lento. No segundo passo do mecanismo, nós temos de novo o peróxido de hidrogênio e nós temos o íon hipoiodito. Então, aqui, nós vamos formar água, nós formamos oxigênio e, aqui, nós temos o nosso íon catalisador. Nós também temos a informação que esse é um passo rápido. Lembre-se que um possível mecanismo deve ter passos que, quando a gente soma, eles devem formar uma reação global. Então, vamos somar os nossos passos. Vamos marcar aqui. Vamos somar os passos que a gente tem. Então, nós vamos ter tudo isso aqui do lado esquerdo da nossa reação como reagentes. Então, vamos escrever aqui. Nós vamos ter H₂O₂ mais o íon catalisador mais H₂O₂ mais o nosso intermediário, então, nosso íon intermediário. E aqui, do lado direito, nós vamos ter tudo isso aqui. Então, vamos marcar que nós vamos ter H₂O, nós temos mais um intermediário, nós temos mais uma molécula de água, então, mais H₂O, mais O₂, mais o nosso íon catalisador. Vamos ver o que nós podemos cancelar. Primeiro, nós podemos cancelar o nosso íon intermediário, que nós temos nos dois lados da reação. E nós também podemos cancelar o íon iodo. Então, a gente também pode cancelar o nosso iodo aqui. Perceba que ele não é consumido pela reação: nós o usamos no primeiro passo, mas ele é regenerado no segundo. Vamos ver o que sobrou aqui. Então, eu vou ter 2 peróxido de hidrogênio; eu vou ter 2 moléculas de água, então, eu tenho 2H₂O; e eu tenho mais oxigênio, então mais O₂. Nós voltamos para a nossa reação original e lembre-se que um possível mecanismo, ele deve ser consistente com a lei de velocidade experimental para uma reação global. Nós vimos como fazer isso nos vídeos anteriores. Para escrever a sua lei de velocidade, você precisa reconhecer o passo mais lento do seu mecanismo. No nosso exemplo, nós temos o passo, ou a etapa 1, como sendo o nosso passo mais lento. E nós podemos escrever a lei de velocidade para a reação a partir da etapa mais lenta, que nós sabemos que é uma reação elementar porque ela é bimolecular. Vamos escrever, então. Eu tenho que a minha velocidade vai ser igual a uma constante "k", que vai multiplicar a concentração de peróxido de hidrogênio. E eu tenho que elevar essa concentração a 1. Como nós temos coeficiente 1, aqui, e essa é uma reação elementar, a gente pode usar esse coeficiente como um expoente. Nós também vamos ter a concentração de íons de iodo. Então, a gente tem também a concentração de íons de iodo, que também vai estar elevado a 1. Essa é a nossa lei de velocidade que nós podemos predizer usando o passo mais lento do meu mecanismo. E isso está de acordo com a lei de velocidade experimental para uma reação global. Então, esse é um possível mecanismo para a nossa reação global da decomposição do peróxido de hidrogênio. Como um catalisador realmente aumenta a velocidade da reação, vamos dar uma olhadinha no perfil energético para a nossa reação sem ação de um catalisador. Então, a gente tem aqui a decomposição do peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. Nós começamos com uma certa energia para os nossos reagente, certo? E nós sabemos que aqui, no topo, nós temos a energia do nosso estado de transição. A diferença entre essas duas energias, então, vamos fazer um pontilhado, aqui. A diferença entre essas duas energias vai ser a minha energia de ativação. Vou marcar que essa vai ser a minha energia de ativação. Quando nós adicionamos uma fonte de íons de iodo na reação, isso providencia um mecanismo diferente, um mecanismo com menos energia. E nós sabemos que o mecanismo acontece no passo 2. Eu vou desenhar isso. Vou fazer, em rosa, a energia dos nossos reagentes vai continuar a mesma, certo? Vamos fazer aqui. Mas a energia de ativação vai ser menor. Então, vamos só continuar aqui. Pronto. Nós já temos a nossa linha aqui, feita à mão. Vamos dizer que o perfil de energia seja assim, com a adição de um catalisador. Então, esse daqui seria o nosso estado de transição. Eu vou marcar que a nossa energia de ativação mudou. A gente tem, aqui, a nossa energia de ativação. E esse seria o primeiro passo do nosso mecanismo. Perceba que a energia de ativação, ela diminuiu aqui. Lembre-se do último vídeo: se você diminui a energia de ativação, você aumenta a velocidade. E você pode ver isso com a equação de Arrhenius. É isso que um catalisador faz. Agora, esse ponto representa a energia do intermediário, do meu íon hipoiodito. E depois, nós temos a nossa segunda energia de ativação. Então, vamos marcar que a gente tem a nossa segunda energia de ativação: vou marcar, aqui, como Ea₂ e essa vai ser Ea₁. Então, a energia de ativação do primeiro passo é maior porque esse passo é mais lento. Mais uma vez, o catalisador não afeta a energia dos seus produtos ou dos seus reagentes: o que o catalisador faz é diminuir a energia de ativação necessária, o que aumenta a velocidade da sua reação.