Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Imagem das galáxias feita pelo Hubble

Imagem das galáxias feita pelo Hubble. Versão original criada por Sal Khan.

Quer participar da conversa?

  • Avatar purple pi purple style do usuário nicolasdrumond
    será que se for tirada uma segunda foto o universo pode estar maior ou diferente?
    (0 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
    • Avatar piceratops seedling style do usuário adriandesouzafreitas
      Nicolas, a resposta é não. Uma estrela ou galáxia está a milhares de anos-luz daqui se tirarmos uma foto do universo e logo em seguida tirarmos outra as chances de algo estar diferente é mínima, pois se tudo está tão longe de nós um movimento seria impossível de ver-se, porém a resposta pode ser sim, também, pois se tirarmos uma foto de Mercúrio que é o planeta mais próximo do Sol e por isso é o que orbita mais velozmente e sua órbita não é "reta" como a dos outros astros ele se inclina cada vez mais por isso em um dia ele pode estar em uma posição totalmente diferente da anterior.
      (4 votos)
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA4MB - Este vídeo tem uma proposta um pouco diferente. Não vai ter tanto cálculo, mas eu acho que vai ter uma bagagem inspiracional que é incrível. E este vídeo se trata de uma foto que o Hubble tirou em 1994 (se eu não estou enganado), que recebeu o nome de Hubble... (Hubble em homenagem ao telescópio que tirou a foto)... "Hubble espaço profundo". E a ideia dessa foto foi pegar uma área incrivelmente pequena do céu... como vocês podem ver, aqui, a área escolhida foi mais ou menos desse tamanho em comparação com a Lua (se eu não me engano, isso é 1 grau no céu; eu posso estar enganado, mas eu acho que é 1 grau o campo de visão disso)... e a ideia foi pegar esse pequeníssimo espaço no céu, apontar o Hubble e ficar capturando aquela luz de lugares distantes. Se a gente capturasse essa luz por pouco tempo, de tudo o que está aqui dentro, a gente não conseguiria ver tanto as coisas porque existem algumas... quanto mais distante o objeto está, mais fraca é a luz (os fótons que ele emite mais fracos são, e mais difícil de chegar até a gente)... então, por exemplo, o Hubble ficou dias, talvez meses com o telescópio apontado para esse único lugar só para pegar todos os fótons que vinham desse lugar e acabavam montando essa imagem. Então, agora, nós vamos para a parte legal, que é olhar o que essa imagem, o que esse lugar no céu, pode nos mostrar. Então, eu vou para o lado aqui. Como vocês podem ver, isso aqui é incrível! Tem várias galáxias. Cada ponto desses, provavelmente, é uma galáxia. Por exemplo, aqui eu consigo ver uma galáxia. Aqui... deixe-me ir um pouquinho para o lado... aqui tem uma galáxia um pouquinho maior (deve estar mais perto da gente). Aqui tem outra galáxia pequenininha; aqui, mais uma também pequena. Aqui, outra galáxia. Mais uma aqui. E a imagem não para por aí. A imagem não é só essa parte da tela. Eu vou mais para o lado aqui para vocês. A imagem continua aqui. Então, eu tenho mais galáxias, aqui. Eu tenho mais uma galáxia que está, provavelmente, perto da gente. Todos esses pontos pequenos são galáxias com centenas de milhares de estrelas, e talvez planetas, talvez pessoas como nós, talvez outras espécies, que podem estar pensando se existe algum outro ser vivo no Universo. E a imagem não para por aqui. Eu vou continuar indo para cima. A imagem continua para cima. Todos esses pontos são galáxias com centenas de milhares de estrelas que podem abrigar planetas. Certamente, abrigam planetas. A gente já descobriu que não é tão raro assim existirem exoplanetas, que são planetas fora do sistema solar. E a imagem não para por aqui. Essa imagem é incrível! Só aquele pequeno e minúsculo ponto do espaço já contém todas essas galáxias. Eu fico estonteado com essa imagem, porque aqui é uma galáxia, aqui é outra galáxia. Esse ponto pequeno também é uma galáxia. Isso aqui, provavelmente, também é uma galáxia. Isso aqui. Centenas de milhares de planetas e de estrelas em cada um desses pontos, todos eles contidos... (deixe-me voltar para a imagem original)... todos eles contidos nesse minúsculo espaço do céu. Aqui foi colocada a Lua do lado para comparar o tamanho (no caso, no céu noturno). Tudo isso contido nesse minúsculo espaço no céu noturno. Isso é simplesmente incrível! Não é à toa que essa imagem ganhou o destaque que ela ganhou. Por exemplo, se a gente pegasse o meio dessa imagem e escolhêssemos um espaço no céu como aquele, por exemplo, aqui, a gente poderia infinitamente continuar dando zoom e, provavelmente, a gente veria mais e mais galáxias. E isso só mostra como a gente é pequeno em comparação ao Universo. E, na verdade, essa é a intenção desse vídeo: mostrar como a gente é pequeno, e dar uma noção de escala do quão grande é o Universo. Eu espero que vocês tenham gostado. E, se vocês, por acaso, quiserem procurar essa imagem na internet em resolução alta, como eu tive neste vídeo aqui, vocês podem procurar por "Hubble deep sky". Procurem a versão "high res" (high resolution) dessa imagem e vocês vão ficar da mesma maneira que eu fiquei fazendo esse vídeo. E vocês podem brincar com essa imagem, achar várias galáxias e isso nunca vai acabar. Vocês têm diversão para a tarde toda. Então, valeu pessoal! E até o próximo vídeo!