Se você está vendo esta mensagem, significa que estamos tendo problemas para carregar recursos externos em nosso website.

If you're behind a web filter, please make sure that the domains *.kastatic.org and *.kasandbox.org are unblocked.

Conteúdo principal

Direção da corrente

O sinal positivo para a corrente corresponde à direção para a qual uma carga positiva se moveria. Em fios de metal, a corrente é carregada por elétrons carregados negativamente, assim a seta que indica corrente positiva aponta para a direção contrária a que os elétrons se movem. Esta tem sido a convenção faz 270 anos, desde que Ben Franklin marcou cargas elétricas com sinais + e - . Esta convenção foi definida cerca de 150 anos antes da descoberta do elétron. Versão original criada por Willy McAllister.

Quer participar da conversa?

Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.

Transcrição de vídeo

RKA1JV - No vídeo passado, nós vimos a corrente elétrica indo para o pólo positivo, ou seja, quem percorre o fio são os elétron. Em uma solução iônica como o cloreto de sódio, nós vimos que tanto o sódio anda dentro da solução, como o cloro anda dentro da solução. Ou seja, tanto a parte positiva anda na solução como a parte negativa anda na solução. O que nós vamos ver, nesse vídeo, é o sentido convencional da corrente elétrica. O sentido convencional da corrente elétrica é do maior potencial da parte positiva para a parte negativa. Esse é o sentido convencional. Embora você saiba que são os elétrons que se movimentam dentro do cobre, e aqui na solução iônica tanto os íons positivos como íons negativos se movimentam, o sentido convencional da corrente elétrica é do pólo positivo para o pólo negativo e você poderia se perguntar o porquê disso. Quem convencionou foi Benjamin Franklin. Benjamin Franklin foi quem deu o nome positivo e negativo para a corrente elétrica. O positivo eram as cargas que se chamava vítrias, por Duffey. E as negativas eram as cargas resinosas. Mas, Benjamin Franklin, no ano de 1747, não conhecia a estrutura atômica. Por mais de 150 anos até que apareceu o J. J. Thompson, que foi quem descobriu o elétron, que pode se verificar que quem se movimentava eram os elétrons, ou seja, em 1897. Daqui para cá se passaram 150 anos de estudos em que o maior potencial era a parte positiva e o menor potencial era parte negativa. Para 2017, são mais 120 anos adotando o sentido convencional. Você poderia se perguntar: "Por que a gente não muda tudo? Não muda para colocar o sentido real da corrente elétrica?" Simplesmente porque não faz diferença nenhuma. Se você tem aqui vários elétrons, e tem uma lacuna aqui, você verifica que são os elétrons que se movimentam. Por exemplo, se esse elétron vai ocupar essa lacuna e essa parte vai ficar onde vai faltar o elétron, vai ficar dessa forma aqui. Agora esse elétron se movimenta para cá, então, a lacuna fica aqui, esse é o sentido convencional. Enquanto o sentido real é da esquerda para a direita, que é a movimentação dos elétrons, o sentido convencional é da direita para a esquerda. Nós chamamos essa parte de maior potencial e esta parte de menor potencial. Verifique que os elétrons saem ou são repelidos pela parte de menor potencial e vão para a parte de maior potencial, enquanto as lacunas, que seriam as partes positivas, vão do maior potencial para o menor potencial. Portanto, não faz diferença. Depois de 150 anos, mais 120, 270 anos de estudos sobre toda a parte de engenharia elétrica, tendo por convenção o movimento do maior potencial para o menor potencial, não faz sentido modificar o sentido convencional da corrente elétrica. Uma vez que o estudo é o mesmo, ou seja, tanto faz você dizer que está faltando um elétron como chegou um próton, embora o próton não se movimente. Em um fio, você tem a movimentação das cargas negativas, que é o sentido real, e você tem o sentido convencional, que é das cargas positivas. Que vão do maior potencial para o menor potencial. É como se aqui fosse mais (+), por isso que é atraído pelos elétrons, e aqui fosse um menos (-), o sentido convencional é do positivo para o negativo enquanto o sentido real é do negativo para o positivo. Mas vamos adotar o sentido convencional.