If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:11:14

Transcrição de vídeo

... Vamos falar sobre arteriolosclerose. ... Primeiramente vamos tratar de alguns pontos importantes. Por que arteriolosclerose é importante? Sabemos basicamente que vasos sanguíneos, macios e flexíveis como esses aqui são muito elásticos e podem expandir, se tornam muito rígidos e firmes como canos. E é esse item que vamos estudar o porquê da sua importância. Você perde conformidade. Vou escrever isso em outra cor- Perda de conformidade. E isso é um ponto importante, certo? Queremos ter certeza de que não perdemos conformidade. E é exatamente isso que acontece com arteiolosclerose. E também sabemos onde isso está ocorrendo porque temos uma pequena pista. Sabemos baseados no fato de termos um O-L-O aqui, que é diferente de arterioesclerose. E que esse processo ocorre nas pequenas artérias e arteríolas. E só para ter uma noção de tamanho, eu quero mencionar rapidamente que é algo normalmente em torno de 0,01 milímetros a até cerca de 1 milímetro. Bem pequeno e muito difícil de se ver a olho nú. Então eu desenhei um exemplo de corte de como esse vaso poderia se parecer case olhássemos através um microscópio. Obviamente dentro deste vaso você teria células sanguïneas aqui. E tem pequenas plaquetas aqui. Mas tem também algo muito, muito importante que nem sempre falamos ou pensamos muito sobre elas, que são umas pequenas proteínas aqui. Então temos proteína passeando no vaso sanguïneo. e essas são as proteínas séricas (ou proteínas do plasma). ... Séricas, proteínas séricas. E isso significa que estão no sangue ou no plasma. E que a proteina normalmente deve ficar no meio do vaso sanguíneo. Ela não deveria se infiltrar para dentro do vaso sanguíneo. Porém na arteriolosclerose, o maior problem, o problema principal, é que essa proteína preenche este espaço, a espaço da túnica média. Então este é o segundo, a túnica (ou camada) média, e normalmente possuem somente células musculares liso. Contudo se as proteínas séricas se instalam lá, vamos dizer que elas conseguem transpor esta barreira. Esta é a barreira principal. Esta é a membrana basal. Se elas conseguem atravessar a membrana basal e se estabelecer na túnica média, então temos um problema. De fato, vou desenhar aqui algumas proteínas. Se essas proteínas conseguem sair, então temos um problema. De fato, é exatamente assim que a arteriolosclerose acontece. Este é o processo. Se realmente voce olhar através de um microscópio e começa a enxergar proteína cor de rosa na túnica média, voce pode estar quase certo de que arteriolosclerose está acontecendo. De fato, eles chamam isso de hialina. Voce deve ver essa palavra hialina - arteriolosclerose. Hialina se refere ao fato de que sob o microscópio este vaso parece ter alguma coisa rosa transparente na túnica média que não era para estar lá. E essa coisa rosa transparente é a proteína sérica. Vou colocar transparente entre aspas porque eu não considero muito transparente. E eu sempre me surpreendi com o que isso significa. Mas em algum momento alguém achou que parecia. Então o termo hialino é na verdade somente descritivo e arteriolosclerose é o processo. Então agora, vamos pensar nisso rapidinho. Pense no fato de se voce tiver proteína se movendo do lúmen do vaso sanguíneo na direção da túnica média, há várias formas, ou processos, que isso logicamente pode ocorrer, certo? Uma das formas é que ela pode estar sendo forçada à sair. Talves a proteína sérica esteja sendo forçada para fora do lúmen e tem tanta força que está direcionando através da membrana basal. E isso é exatamente o que acontece em pessoas que tem hipertensão. Então se voce tem hipertensão ou pressão sanguínea alta, a pressão sanguínea é tão alta, ou tanta força na região central do vaso sanguíneo, empurrando para fora as paredes do vaso sanguíneo - vou apagar tudo isso por um segundo - que literalmente força essas proteínas para fora. Então essa pode ser uma forma, certo? Forçar a proteína para fora. ... E isso é o que acontece na hipertensão. Agora, na diabetes, que é outra doença que muitas vezes ouvimos falar junto com a arteriolosclerose hialina - na diabetes, uma coisa diferente está acontecendo. Então vamos ver como acontece na diabetes. Novamente, o segredo é tentar entender como a proteína vai parar na túnica média. Então a proteína - e vou colocar proteína sérica - na túnica média. Porque isso é um resumo do que está acontecendo, certo? Isto é o segredo do que está acontecendo. Então na diabetes a forma que acontece é que a na verdade a membrana basal vaza. Não é que a proteína esteja sendo forçada a sair. Voce está facilitando a proteína a ir para a túnica média porque a membrana basal - em inglês basement membrane, vou escrever BM - se torna vazada. E como ela se torna vazada é uma estória interessante. E voces vão aprender conforme vamos estudando isso, passo a passo, alguns fatos interessantes. Fato número 1: Sabemos que há muita glicose nos vasos sanguíneos. Então muita glicose nos vasos sanguíneos de alguém com diabetes. Vou desenhar alguma glicose. Esses pequenos pontos roxos serão glicose. Bem justo. Então muita glicose no vaso sanguíneo. Passo no. 2: A glicose está penetrando nas células endoteliais. Vou desenhar somente algumas delas aqui. Algumas dessas células recebem muita dessa glicose roxa dentro delas. Voce deve estar pensando por que essas células endoteliais têm glicose dentro delas? Eu pensei que glicose só penetra com insulina. e todo o problema da diabetes é que não se tem insulina permitindo que a glicose entre ou tenha algum outro tipo de dificuldade para que a glicose entre. Então como a glicose está entrando nessas células? E o fator número 1 é que a glicose pode penetrar nas células endoteliais sem a ajuda da insulina. Então células endoteliais recebendo glicose sem - ai está o pulo do gato - sem insulina. Elas não precisam de insulina para receber glicose. Há outros meios para receberem glicose. Então agora voce vê que se houver muita glicose nos vasos sanguíneos, porque cada célula no corpo parecer precisar de insulina para recebê-la e é impossibilitada de recebê-la. Ela fica meio que solta no meio dos vasos sanguíneos. Se elas ficam lá e as células endoteliais não precisam de insulina para receber glicose, elas vão ficar carregadas com glicose, certo? Então as células endoteliais ficarão carregadas com glicose. Vou empurra um pouco para cima para ter mais espaço. Elas ficam carregadas de glicose. E vamos desenhar isso aqui. Vou desenhar para que vocês possam visualizar. Essas são as células endoteliais e abaixo delas temos a membrana basal. Esta é a membrana basal. E essas células endoteliais têm um monte de glicose nelas, certo? Então esta é toda a glicose que elas podem pegar. E elas, é claro, elas mesmos possuem proteína. Elas têm proteína fazendo todo tipo de coisas interessantes. Então vamos desenhar algumas proteínas aqui. Talves esta proteína aqui e esta proteína aqui, talvez outra proteína aqui. Então essas proteínas estão passeando por aqui. fazendo seu trabalho de sempre dentro das células, e de repente você tem um monte de glicose aqui. O que acontece é que esta glicose começa a grudar, ou se ligar, nessas proteínas. E de repente essas proteínas têm um monte de glicose nelas que elas normalmente não deveriam ter. Então essas proteínas são consideradas glicosilada. Na verdade, um termo mais comprido para isso é que elas se tornam o que chamamos avançada - vou escrever aqui - glicosilação avançada - uma palavra chique - produto final da glicosilação. .... Isso tudo está acontecendo porque uma proteína natural, proteína natural ou enzima, que estava fazendo esta função, de fato, deixa eu ser consistente com as cores. A proteína natural que estava fazendo esta função na célula, nas células endoteliais, vem a ser o que chamamos de produtos final da glicosilação avançada (AGE) .... Esses AGEs são basicamente a mesma proteína, mas agora com glicose neles. Na verdade eles não fazem um trabalho tão bom como esperado. É um tipo de resultado mínimo. Eles não estão trabalhando como deveriam. E um dos seus trabalhos é garantir que a membrana basal esteja fazendo um bom trabalho de formar uma barreira. E que a membrana basal se torne vazada. Então a membrana basal na verdade fica mais espessa - o que é contraintuitivo, certo - ficar mais espessa. Porque você pensa que se ela é mais espessa ela estará sendo uma barreira melhor, mas na verdade está fazendo um trabalho pior sendo uma barreira - e vaza. e isso é na verdade uma coisa importante. Porque esse vazamento é o que está permitindo todas as proteínas séricas atravessarem e se instalarem na túnica média. Vamos parar por aqui. Traduzido por Liliana Kawase