If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal

O que é um AVC?

Nossos cérebros são tão complexos e a forma como eles funcionam ainda é um grande mistério. Não é de estranhar que a maioria de nós passa o dia sem pensar nele nem por um segundo. Mas tudo muda se você tiver um derrame.
Um acidente vascular cerebral é uma interrupção do fluxo sanguíneo dentro do cérebro, o que causa a morte de células cerebrais. Isso pode acontecer de duas maneiras:
  • Um coágulo de sangue pode bloquear um vaso sanguíneo no cérebro, causando um acidente vascular cerebral isquêmico. Se o coágulo se dissolve rapidamente o bloqueio é apenas temporário, chamamos de acidente isquêmico transitório (AIT) ou mini-derrame.
  • Um vaso sanguíneo pode vazar ou explodir dentro do cérebro, causando uma hemorragia cerebral. Se isso acontece, chamamos de acidente vascular cerebral hemorrágico.

O que mantém o seu cérebro funcionando?

A maior parte do cérebro é composto por neurônios, ou células nervosas especializadas, conectadas em redes que enviam e recebem mensagens. Eles coordenam tudo o que o nossos corpos fazem. No entanto, a fim de funcionar corretamente, o cérebro precisa de um fornecimento constante de oxigênio e nutrientes em grandes quantidades. Oxigênio e nutrientes viajam no sangue e são entregues às células do cérebro através de dois pares de artérias principais chamadas as artérias carótidas e vertebrais. Estas artérias principais ramificam-se em uma densa rede de pequenos vasos sanguíneos que cobrem a superfície e o ramificam-se no tecido cerebral, garantindo o suprimento de cada célula.

Como o cérebro é organizado e o que pode dar errado.

O cérebro é formado por três partes, tronco cerebral, cerebelo e encéfalo. Diferentes áreas do cérebro são geralmente responsáveis por ações e funções diferentes:
Tronco cerebral: conecta o cérebro à extremidade superior da medula espinhal e controla muitas das funções básicas incluindo a frequência cardíaca e pressão sanguínea, respiração, consciência, sono e alimentação.
Cerebelo: está conectado à parte posterior do tronco cerebral. Ajuda a controlar a coordenação e equilíbrio e a ajustar os movimentos musculares (função motora).
Encéfalo: é a maior parte do cérebro e está dividido em duas metades ou hemisférios, que são, por sua vez, divididos em quatro lobos - frontal, parietal, temporal e occipital. O lado direito do cérebro controla o lado esquerdo de seu corpo e vice-versa.
  • O lobo frontal controla o movimento e a função executiva, que é nossa habilidade de tomar boas ou más decisões, fazer planos e gerenciar o tempo. Também está envolvido na formação das memórias.
  • O lobo parietal processa aquilo que vemos, ouvimos, cheiramos e tocamos, o que nos permite localizar exatamente onde estamos fisicamente e nos permite coordenar mão-olho.
  • O lobo temporal controla a audição e memória, o reconhecimento de faces e linguagens e é importante para armazenar memórias de longo prazo.
  • O lobo occipital processa os sinais de nossos olhos e é primariamente responsável pela maioria das coisas relacionadas à visão.
Um derrame pode acontecer em qualquer parte do cérebro. Cerca de oito em cada dez acidentes vasculares cerebrais são causadas por uma obstrução devido a um coágulo (isquemia), enquanto dois em cada dez são causados por um sangramento (hemorrágico).
  • Acidentes vasculares cerebrais isquêmicos são mais comuns. Existem dois tipos, acidentes vasculares cerebrais trombóticos e embólicos. Um AVC trombótico ocorre quando o coágulo se forma em uma das principais artérias que conduzem ao cérebro, enquanto um AVC embólico ocorre quando um coágulo sanguíneo se forma em algum outro lugar do corpo e viaja em sua corrente sanguínea e em seguida, aloja-se em seu cérebro. Coágulos sanguíneos soltos estão geralmente ligados à aterosclerose, uma formação de placa bacteriana (uma combinação de materiais gordurosos, cálcio e tecido cicatricial) no interior das paredes das artérias, que se estreitam e interferem ou bloqueiam o fluxo sanguíneo. Coágulos de sangue se formam quando uma placa se rompe.
  • Acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos são menos comuns, mas são mais mortais. Uma hemorragia não controlada pode inundar uma área do cérebro, causando pressão localizada e inchaço que danifica ou mata as células cerebrais. Acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos também podem causar escassez de oxigênio e nutrientes, que escapam pelo vazamento. Sangramentos podem ocorrer na superfície do cérebro, logo abaixo do crânio ou em uma artéria estourada nas profundezas do cérebro. Hipertensão arterial e/ou defeitos em artérias geralmente são responsáveis por hemorragia cerebral. Os defeitos comuns incluem aneurismas, que são áreas fracas na parede dos vasos sanguíneos que se enchem de sangue, como um balão pequeno, e podem estourar, particularmente se a pessoa tiver pressão alta e malformações dos vasos sanguíneos, que normalmente estão presentes desde o nascimento.
Perda de fluxo sanguíneo devido a um bloqueio, mesmo por períodos muito curtos de tempo, pode ser suficiente para causar a morte dos neurônios nessa área, devido à falta de oxigênio e nutrientes. Após isto, cada derrame é diferente e às vezes o cérebro pode compensar até certo ponto, deslocando a função cerebral da parte danificada do cérebro para a área correspondente no lado não danificado do cérebro. Isto significa que os danos causados por qualquer tipo de acidente vascular cerebral podem ser permanentes, mas podem ser apenas temporários. Sinais e sintomas causados por um mini-derrame geralmente duram menos de uma hora e geralmente não produzem danos permanentes.

Sinais e sintomas de que você está tendo um derrame

Geralmente, os sintomas de um acidente vascular cerebral (AVC) vem de repente e incluem um ou mais dos seguintes sinais:
  • Seu rosto pode inclinar estranhamente em um lado.
  • você pode não ser capaz de levantar o braço em um lado.
  • você pode se sentir confuso e ter dificuldade em entender o que as pessoas estão dizendo.
  • seu discurso pode soar arrastado e confuso quando você falar.
  • você pode ter dificuldades em ver com um ou ambos os olhos.
Devido a diferentes partes do seu cérebro controlarem atividades diferentes, uma vasta gama de sinais e sintomas podem desenvolver-se dependendo de onde o estrago está ocorrendo:
Área de danosPossíveis efeitos
Tronco cerebralUm AVC no tronco cerebral é incomum, mas muitas vezes fatal. AVCs no tronco cerebral podem causar problemas com a respiração, função cardíaca, equilíbrio e coordenação, mastigar, engolir, falar e ver, bem como fraqueza e paralisia de ambos os lados do seu corpo.
CerebeloAVCs no cerebelo são menos comuns do que no cérebro (a parte maior do cérebro), mas podem causar efeitos graves, incluindo problemas com equilíbrio e coordenação, tontura, dores de cabeça, náuseas e vômitos.
Cérebro - hemisfério esquerdoDerrames no hemisfério esquerdo normalmente causam fraqueza ou paralisia do lado direito do corpo e problemas cognitivos, incluindo dificuldades para ler, falar, pensar, aprender e lembrar de novas informações.
Cérebro - hemisfério direitoDerrames no hemisfério direito normalmente causam problemas de visão, percepção de profundidade, perda de memória e julgamento, também podem causar fraqueza ou paralisia do lado esquerdo, e uma tendência a ignorar coisas sobre o lado esquerdo, incluindo seu próprio braço e perna.

O que aumenta o risco de acidente vascular cerebral?

Há coisas que não se pode controlar como o sexo, história familiar e idade da pessoa e que afetam a probabilidade de ter um derrame. O risco é maior se você é homem. O risco de ter um AVC também parece se relacionar à famílias, desta forma, o risco é maior se um dos parentes próximos teve um derrame. O risco de acidentes vasculares cerebrais também aumenta à medida que se envelhece. Existem ainda outros fatores de risco que aumentam suas chances de ter um derrame. Estes são chamados fatores de risco "modificáveis", o que significa que potencialmente podem ser tratadas ou controladas. Estes fatores de risco tendem a ser interligados e ligados ao estilo de vida. O mais importante para qualquer tipo de acidente vascular cerebral é a hipertensão arterial, que pode danificar e enfraquecer as artérias tornando-as mais suscetíveis a obstrução e/ou rompimento. Hipertensão arterial é responsável por mais de 50% dos acidentes vasculares cerebrais. Outros importantes fatores de risco incluem fibrilação atrial, o que significa ter um batimento cardíaco irregular, colesterol alto, diabetes, inatividade física e tabagismo. Quanto mais fatores de risco você tiver, maior a sua probabilidade de ter um AVC.

Qual a sua probabilidade de ter um acidente vascular cerebral?

Todos os anos, quase 17 milhões de pessoas no mundo têm um derrame e quase 6 milhões de pessoas morrem por causa disso. Os acidentes vasculares cerebrais são responsáveis por quase 10% de todas as mortes em todo o mundo, sendo o assassino número dois, depois das doenças cardíacas. A morte por AVC é maior na Europa Oriental, Rússia e sudeste da Ásia e é geralmente mais comum em países de baixa renda. Acidente vascular cerebral em pessoas jovens e de meia-idade está acontecendo com mais frequência do que nunca, com a maioria dos derrames acontecendo em pessoas com menos de 75 anos de idade. Infelizmente, aproximadamente 5 milhões de pessoas no mundo estão vivendo com deficiências permanentes por causa dos acidentes vasculares cerebrais.

Como evitar um AVC?

O seu médico pode ajudá-lo a reduzir os riscos de acidente vascular cerebral, orientando você a enfrentar os fatores de risco. Como primeiro passo, isto provavelmente envolverá mudanças na sua dieta e exercício, que podem ajudar de várias maneiras. Além de simplesmente fazer você se sentir melhor, comer de forma mais saudável e exercitar-se frequentemente, pode ajudar a reduzir sua pressão arterial e os níveis de colesterol além de prevenir diabetes e ajudá-lo a perder peso. Se as mudanças de estilo de vida não forem suficientes, o médico pode prescrever medicamentos para ajudar a controlar alguns desses fatores. Outras maneiras de evitar um acidente vascular cerebral incluem beber com moderação, parar de fumar e reduzir o stress na sua vida. Seu médico também pode orientá-lo sobre tudo isto se você precisar.

Diagnóstico e tratamento de um acidente vascular cerebral

Um derrame é uma emergência médica! Quanto mais rápido você receber tratamento médico, melhor.
Se você tem sinais ou sintomas de um AVC, você precisa obter um diagnóstico adequado e o tratamento logo que possível, para minimizar os danos ao cérebro. Você pode precisar de vários testes para ajudar a diagnosticar o que está errado e quais partes do seu cérebro foram afetados, bem como para orientar seu tratamento.
Seu médico provavelmente irá começar com um exame físico, seguido de uma tomografia computadorizada, para decidir se você está tendo um derrame e que tipo é. Outros exames que podem fornecer ao seu médico informações úteis são: ressonância magnética (que ajuda a visualizar qualquer dano ao tecido cerebral), uma angiografia (que examina o fluxo de sangue através do cérebro), os exames de sangue e urina, um ecocardiograma (que mostra o quanto as válvulas do coração estão trabalhando e o tamanho de suas câmaras cardíacas) um eletroencefalograma (que verifica a atividade elétrica do seu coração) e um exame neurológico para verificar como sua função cerebral foi afetada pelo derrame.
Tratamento de um acidente vascular cerebral isquêmico - se a tomografia confirmar que você está tendo um acidente vascular cerebral isquêmico, seu médico provavelmente lhe dará um anticoagulante ativador de plasminogênio tecidual logo que possível. Essa droga funciona, dissolvendo o coágulo, que restaura o fluxo de sangue no seu cérebro e que pode reduzir os danos. Às vezes os médicos tentarão romper o coágulo fisicamente, embora isso seja muito menos comum.
Tratamento de um acidente vascular cerebral hemorrágico - seu médico irá procurar a fonte do sangramento e tentar controlá-lo, a fim de reduzir a pressão e quaisquer danos que possa causar. Você pode precisar de cirurgia para fazer isto para reparar quaisquer danos nos vasos sanguíneos.
Após a recuperação da emergência inicial, seu médico irá tratar seus fatores de risco, com modificações de estilo de vida e medicamentos se, necessário.

Considere o seguinte:

Apesar de mini-derrames normalmente não causarem danos permanentes no cérebro, não se descuide. Por que dizemos isso? Um mini-derrame deve ser considerado um aviso de que algo vai dar errado. Você pode pensar em um mini-derrame como ter sorte porque o coágulo de sangue foi rapidamente dissolvido por conta própria. No entanto, não há nenhuma maneira de prever isso e o que vai acontecer quando outro coágulo se formar. Enquanto para muitas pessoas, não há um mini-derrame de aviso antes de um derrame completo, se você tiver um, há uma boa chance de que você terá um AVC completo dentro dos próximos 3 meses. Então, leve a sério! Vá ver o seu médico para descobrir porque isso aconteceu e procure tratamento para evitar a ocorrência de um derrame futuro.

Quer participar da conversa?

  • Avatar blobby green style do usuário sandriellisantos60
    O artigo é muito bom, parabéns pelo trabalho, obrigada por disponibiliazar para nós.
    (2 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar male robot johnny style do usuário FEBEM-SP 2024
    o tratamento para um AVEI trombótico - carótida e vertebral, é o mesmo para um AVEI embólico - corrente sanguínea?
    (1 voto)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
    • Avatar male robot hal style do usuário Raí・S
      O tratamento para um Acidente Vascular Encefálico Isquêmico (AVEI) pode variar dependendo da causa subjacente, seja trombótica (formação de coágulo local) ou embólica (coágulo proveniente de outra parte do corpo). No entanto, há algumas semelhanças e diferenças importantes nos tratamentos.

      Semelhanças no Tratamento:
      Trombólise: Tanto para AVEI trombótico quanto para AVEI embólico, a administração de trombolíticos, como o alteplase (tPA), é comum se o paciente chegar ao hospital dentro de uma janela terapêutica (geralmente 4,5 horas após o início dos sintomas). Este tratamento visa dissolver o coágulo e restaurar o fluxo sanguíneo.

      Antiplaquetários e Anticoagulantes: Após o tratamento inicial, os antiplaquetários (como aspirina) são frequentemente utilizados para prevenir futuros acidentes vasculares. Nos casos de origem embólica (especialmente em pacientes com fibrilação atrial), anticoagulantes como varfarina ou novos anticoagulantes orais (NOACs) podem ser indicados.

      Cuidados de Suporte: Cuidados gerais para suporte vital e monitoramento neurológico intensivo são aplicados em ambos os casos. Isso inclui controle da pressão arterial, glicemia, e tratamento de complicações.

      Diferenças no Tratamento:
      Intervenção Endovascular: Nos casos de AVEI causado por um grande coágulo em uma grande artéria (seja trombótico ou embólico), pode-se realizar trombectomia mecânica, uma intervenção endovascular para remover o coágulo diretamente. A decisão de realizar esta intervenção pode depender da localização do coágulo e do tempo desde o início dos sintomas.

      Etiologia e Tratamento de Longo Prazo:

      AVEI Embólico: Se a causa for embólica, é fundamental identificar a origem do êmbolo. Isso pode incluir a investigação de doenças cardíacas (como fibrilação atrial, defeitos valvulares ou endocardite), o que pode levar à necessidade de anticoagulação a longo prazo.
      AVEI Trombótico: Se o AVEI é devido a aterosclerose das artérias carótidas ou vertebrais, pode ser necessário tratar a estenose significativa dessas artérias. Isso pode incluir intervenções como endarterectomia carotídea ou angioplastia com colocação de stent.
      Considerações Adicionais:
      Exames Complementares: Em ambos os casos, exames de imagem como tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM), e angiografia são usados para confirmar o diagnóstico e determinar a localização e extensão do coágulo.
      Reabilitação: A reabilitação é um componente crucial do tratamento pós-AVEI para todos os pacientes, visando recuperar funções e melhorar a qualidade de vida.
      Conclusão:
      Embora existam abordagens comuns no tratamento inicial do AVEI, como trombólise e cuidados de suporte, as estratégias específicas podem variar dependendo se o evento foi trombótico ou embólico. A investigação da causa subjacente e a personalização do tratamento são cruciais para prevenir futuros eventos e melhorar os resultados a longo prazo.
      (1 voto)
  • Avatar starky tree style do usuário Manuella undertale
    sempre queria saber sobre o cerebro....
    (1 voto)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar blobby green style do usuário Maya
    Amei saber também. Alias Ciências é minha matéria preferida.
    (1 voto)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar duskpin sapling style do usuário kauanoliveira.1507
    brigado vc tirou as minhas duvidas
    (1 voto)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar leafers sapling style do usuário Maria Eduarda Rodrigues de Oliveira
    gostei...
    (1 voto)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar blobby green style do usuário valdileiasilva
    filposaertuiplk
    (0 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
  • Avatar blobby green style do usuário julialima.2906
    gostei
    (0 votos)
    Avatar Default Khan Academy avatar do usuário
Você entende inglês? Clique aqui para ver mais debates na versão em inglês do site da Khan Academy.