If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:9:57

Transcrição de vídeo

Vou pegar essa bexiga, você o vê na mesa e não consegue resistir. Você pega a bexiga e começa a pensar como fazer um experimento com ele. Talvez não seja o que você está pensando, mas você deveria, pois vamos nos divertir enchendo a bexiga com ar. Vamos encher a bexiga. O que aconteceria? Fica maior, certo? Você sabe que o volume da bexiga vai aumentar enquanto colocar pressão. Mas vamos medir isso. Então vamos colocar um pouco de pressão e a bexiga fica um pouco maior, note que há um pouco de pressão por aqui, e fica um pouco maior, então pode colocar um X bem aqui. Muito bem. Agora, colocamos um pouco mais de pressão, um sopro um pouco maior. e você faz o mesmo, acha a pressão e verifica que a bexiga está maior, vou colocar um X aqui. E você faz isso de novo com mais pressão, percebendo que a bexiga continua crescendo, então percebe que quanto mais pressão você coloca, mais a bexiga cresce. Além disso, o crescimente está sendo linear, certo? então quanto mais pressão, o volume aumenta proporcionalmente. Nem todos os balões vão agir dessa forma, mas vamos assumir que este vai. Então ele fica cada vez maior com o aumento de pressão. Você vê que tem outra coisa na mesa, e pega uma varinha de plástico, como esta e mergulha no sabão, e faz uma bolha de sabão. E você sopra bem fraquinho, como antes. E percebe que mesmo com um sopro fraco, sua bolha fica grande. Interessante não é? Fica com volume grande. E se soprarmos com mais força? um sopro intermediário, o volume aumenta muito mais, como se fosse isso. Um volume bem maior. Pode ver onde estou querendo chegar, pois vou assoprar com muito mais força, e talvez fique desse tamanho. Você fica com essa bolha enorme, e ela não vai estourar, faz de conta que não vai estourar. Agora você tem três pontos X em azul para a bolha, e você conecta os pontos, como fizemos antes, formando a linha da bolha, e você já pode ver algo interessante, Pode ver que a bexiga tem uma inclinação menor do que a bolha. A bolha cresce mais rápido, se pensar nisso, vamos pegar a fórmula da inclinação, que é aumento do volume sobre corrida, no nosso caso será pressão, se você dividir o aumento pela pressão você obtém a inclinação, no nosso caso vamos chamar a inclinação de complacência. Complacência. Uma palavra interessante e muito importante. Parece simples, certo? Indica o aumento de algo e depende da pressão que você aplica, e nesse caso a bolha tem mais complacência do que a bexiga. Certo, já aprendemos algumas coisas, e vou adicionar mais uma palavra nova, que é o inverso. Então, e se eu inverter e colocar a pressão aqui e o volume aqui. Posso fazer isso, certo? Posso usar os mesmos dados e informações, e apenas inverter os eixos. E se eu fizer isso, nesse caso a linha da bexiga estaria aqui, assim, porque tudo que estou fazendo é invertendo a disposição da tabela e a linha da bolha ficaria aqui. Algo assim. Então, minha bolha e bexiga trocaram de lugar porque os eixos foram invertidos. Digo, em uma forma você poderia literalmente virar o gráfico e você teria a mesma coisa - não tem nada de mágica. Mas uma coisa que é diferente é que agora, se eu vou calcular a taxa de aumento, ou a inclinação, eu tenho que inverter o volume e a pressão, certo? Então agora minha pressão está no topo e meu volume está embaixo. Se está assim, pressão e volume aqui, podemos chamá-lo de "elastância" No primeiro chamamos de complacência, e agora chamamos de elastância. Você pode ver que eles basicamente são o inverso um do outro. Eles são o inverso um do outro. Então essas duas palavras, serão bem comuns, mas quero que você veja como elas são o mesmo tipo de coisa, só uma é o inverso da outra. Agora que sabe disso, vou fazer um espaço aqui, assim, e vou trazer o ponto final. E vai ser isso. E se eu tiver uma artéria? Ao invés de balões e bolhas, vamos conversar sobre os vasos sanguíneos. E se você tem uma artéria, como esta, e você decide que você quer bloquear um lado, talvez com sua mão, assim, e digamos que você faça a mesma coisa com uma veia. Você decide que você quer pegar uma veia e bloquear um lado Estou tentando desenhar esses 2 no mesmo tamanho, então faça de conta que os dois tem mesmo tamanho e mesmo comprimento. Feche um lado. Este lado está bloqueado com a sua mão, nada como passar, certo? Só tem um caminho aberto. E agora assumimos que você feche esse outro lado ficando apenas uma pequena abertura aqui. Você tampou a veia do mesmo jeito, só tem uma pequena passagem, e e essa abertura leva até uma bomba de bicicleta. Sei que parece estranho - porque cargas d'água haveria uma bomba de bicicleta conectada a uma artéria ou veia? Bem, você já vai entender. Aqui está a bomba de bicicleta. E vou bombear bastante minha artéria e veia do mesmo jeito que fiz com a bexiga e a bolha. E você vai começar a ver um padrão bem interessante. Então, digamos que eu bombear a artéria. Imediatamente o que acontece, se colocar uma pressão alta, digamos que eu use a mesma pressão que usei na bexiga, vou ficar com algo parecido com isso, minha artéria vai começar a encher, e vamos tirar isso aqui. Agora minha artéria está um pouco gorda, como uma salsicha. Se usar a mesma quantidade de pressão para a veia, ela vai se parecer com isso. Vai ficar enorme, e vou ter que apagar essas linhas para mostrar que minha veia está ficando enorme. Então, com pouca pressão a artéria fica maior, mas a veia fica muito maior. Então, com a mesma pressão você verá uma grande diferença no volume isto é um ponto crítico e bem importante, pois a artéria e a veia estão se comportando como a bexiga e a bolha. na verdade é muito parecido mesmo. Então, se eu quizer fazer um gráfico de volume e pressão, poderia apagar a palavra "bexiga" e "bolha" e substituí-las por 'artéria' e 'veia', Eu poderia escrever apenas artéria e veia e, essencialmente, eles estariam se comportando da mesma maneira. Artéria aqui, artéria aqui e, veia nos outros dois pontos. Então você pode ver agora que a artéria tem uma complacência menor em relação a veia, e maior elastância do que uma veia. Vamos falar sobre complacência: imagine um tubo de ferro bem rígido completamente sólido, que não vá ceder, não importa o que você faça. Para esse tubo, você teria algo assim, teria uma complacência muito menor. Então, se você pensa sobre o complacência, quando falamos de rigidez, pense nessas curvas, e que a inclinação irá indicar o quanto algo é complacente, e que artérias são mais complacentes do que uma tubulação rígida, certamente, porém menos complacentes do que veias. [Legendado por: Anna Luísa Beserra] [Revisado por: Claudia Alves]