If you're seeing this message, it means we're having trouble loading external resources on our website.

Se você está atrás de um filtro da Web, certifique-se que os domínios *.kastatic.org e *.kasandbox.org estão desbloqueados.

Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:10:31

Transcrição de vídeo

Então aqui estamos. Temos nossos dois pulmões e um coração. Vou rapidamente colocar os nomes. Temos nossos pulmões direito e esquerdo, e um coração. Quero ter certeza de nomear todas as 4 câmaras do coração. Exclui um monte de vasos. Só quero focar em algumas coisas aqui principalmente o vaso sanguíneo azul saindo do coração - o que eu desenhei em azul - que eu vou nomear aqui como artéria pulmonar. Lembre-se, artérias se afastam dos pulmões. Então essa é nossa artéria pulmonar, ainda que tenha sangue não oxigenado nela. Meio contrasenso, mas acho que você entende agora. Então essa é nossa artéria pulmonar, e ela está indo para os pulmões esquerdo e direito. Supondo que há, vamos dizer, 5 litros de sangue fluindo pelo coração a cada minuto isso significa que 5 litros vão passar através desse vaso. E um pouco disso vai para a direita, e um pouco disso vai para a esquerda. Suponha que eu disse que 2 litros e meio vão para o pulmão esquerdo por minuto. Vamos apenas presumir isso. Então você sabe que a outra metade dos 5 litros - o resto dele - 2 litros e meio - devem ir para o direito. Porque o que quer que vá por esse tubo - quase como um canudo - em uma extremidade tem que sair pela outra extremidade. Então você apenas, basicamente, soma o que está saindo, e tem que ser igual ao que está entrando. Então aqui temos a ideia do fluxo. E falamos sobre fluxo em outros videos, mas basicamente, eu só quero reiterar isso. É um volume dentro de um período de tempo. Nesse caso, estamos usando litros por minutos. Mas na verdade qualquer tipo de volume por tempo pode ser descrito como fluxo sanguíneo. Agora, digamos que aconteça uma tragédia, e eu acabe sofrendo uma cirurgia no pulmão. Digamos que esse lobo inferior, abaixo dessa linha amarela está meu lobo inferior e acima está meu lobo superior. Digamos que meu lobo inferior tem que ser removido. Certo? É uma coisa drástica de acontecer mas digamos que é o que acontece. O que mudaria em termos do meu fluxo sanguíneo? Bem, a coisa que vai mudar é minha resistência vai mudar, certo? Antes de eu fazer a cirurgia, vamos pensar nisso. Antes de fazer essa cirurgia, eu tinha determinada quantidade de resistência nesse vaso sanguíneo e também alguma resistência nesse vaso sanguíneo. E digamos que é mais ou menos o mesmo, só para facilitar as coisas. Digamos que a resistência era quase a mesma. De novo, eu fiz a cirurgia. E antes que retirassem o lobo inferior - só para ter certeza que está claro o que ocorreu nessa cirurgia - então removeu o lobo inferior. Antes da cirurgia - vou escrever ANTES aqui - qual era a resistência? Bem, a resistência que eu estava enfrentando era - lembre-se, nós temos um galho aqui. Precisamos somar a resistência total. Você lembra como fazer isso. Resistência total - vou chamar de R total - é igual a 1 dividido por 1 sobre R - porque nós falamos que essa á a resistência bem aqui - 1 sobre R mais 1 sobre R. E essa segunda aqui é por causa daquele cara. Então a gente meio que soma tudo. E eu diria, OK. Bem, isso é igual a 1 sobre 2 dividido por R. E eu posso virar a coisa toda. E tenho R dividido por 2 ou meio R. Então essa é minha resistência total - meio R. É meio um contrasenso - o fato de que você na verdade tem metade da resistência só porque você tem uma bifurcação. Certo? A bifurcação na estrada - essa bifurcação bem aqui - oferece a alternativa de ir por uma de duas direções, e como resultado, a resistência cai pela metade. Então, depois da minha cirurgia, qual era minha resistência? Bem, na minha cirurgia, tudo isso meio que foi embora. Isso agora não existe. Porque minha cirurgia removeu os lobos inferiores, isso foi embora. Então qual é meu novo R total? Bem, se eu tiver que calcular de novo, Eu diria, ok, R total. Nesse caso, é muito fácil porque é apenas o que sobrou, certo? Nesse caso, o total será apenas R. Então, realmente, minha resistência foi de meio R para R. E, realmente, minha resistência, ao apenas remover o lobo inferior ela dobrou. Minha resistência foi bem para cima. Esse é o primeiro ponto interessante - removendo metade de um lobo, minha resistência subiu lá para cima. Então desse lado, minha resistência depois da cirurgia é bem maior que costumava ser. Agora, lembre-se desse fluxo - 5 litros por minuto. Agora, você ainda tem todo aquele sangue vindo, mas agora há maior resistência do lado esquerdo. O que o sangue vai fazer? Bem, ele vai dizer "por que eu iria por aqui se eu posso ir por ali?" Então mais do sangue irá meio que por aqui porque há mais resistência pelo lado esquerdo. E então eu posso - não sei exatamente qual quantidade de fluxo seria - mas eu posso estimar. E eu diria, bem, minha estimativa é de que o fluxo será menor. Então eu vou mesmo refazer esses números. Vou te dar novos números. E digamos que os novos fluxos - vou escrevê-los em verde - serão 3 litros por minuto e 2 litros por minuto. Eles ainda tem que somar 5, é claro. Isso não mudou. Mas você tem mais sangue indo para o pulmão direito. Aqui deixa eu apresentar uma palavra nova. Nós falamos sobre fluxo, mas agora deixa eu falar sobre perfusão. Às vezes as pessoas acham que elas são a mesma coisa. Às vezes elas as utilizarão meio que como sinônimos. Mas na verdade, perfusão é volume sobre tempo. E até agora você está pensando, bem, é meio que o mesmo. Mas na verdade é tudo dividido pela quantidade de tecido, e quando eu digo quantidade eu poderia tanto estar falando sobre um volume de tecido ou o peso de tecido. Então quantidade de tecido. Só para meio que fazer isso um pouco mais concreto, vou imaginar que vou usar 100 gramas aqui. E isso é usado frequentemente. Não sempre. Algumas vezes você verá outras unidades, mas eu vou usar 100 gramas aqui. Então vamos pensar nesse cenário todo com os novos números: 2 litros por minuto e 3 litros por minuto, em termos de perfusão. O que isso significaria? Bem, digamos que eu pese os dois pulmões. E aqui eu tenho apenas um lobo superior que sobrou do meu lado esquerdo. Digamos que isso pesa meio quilo; meio quilo. E digamos, do lado direito eu tenho um quilo. Digamos que isso é um quilo. Esses são os pesos dos meus dois lados. E para descobrir a perfusão, então tudo o que você está fazendo é pegando o fluxo - porque lembre-se, esse pedação todo, toda essa parte bem aqui é só fluxo - e dividindo-o pela quantidade de tecido. Então eu poderia descobrir a perfusão facilmente. Eu poderia dizer OK, bem, do lado direito - vamos fazer o lado direito primeiro - eu tenho 3 litros por minuto. Vou escrever como 3.000 mililitros, só para ficar mais fácil de ver. 3.000 mililitros por minuto dividido por - eu diria 1 quilo, que é o mesmo que 1.000 gramas. Então quanto no final isso dá? Se eu for usar 100 gramas como meu denominador, eu diria bem, isso dá - vamos ver, os zeros se anulam - então eu tenho 300 mililitros por minuto por 100 gramas de tecido pulmonar. Certo? E isso é para o lado direito. Eu poderia fazer o mesmo pelo lado esquerdo. Eu poderia dizer, o quanto seria para o lado esquerdo? Seria - eu tenho 2,000 mililitros. Certo? Nós dissemos 2 litros. E é claro, o 2 e o 3 eu estava meio que só estimando. Mas nós temos que realmente medir para ver qual é o verdadeiro fluxo. Mas aqui eu tenho 500 gramas. E então isso funciona para 400 mililitros por minuto por 100 gramas. O que eu queria mostrar para você é uma coisa interessante, que você pode realmente ter, de um lado - se eu disser qual lado, o direito ou o esquerdo, depois da minha cirurgia, qual lado tem mais fluxo sanguíneo? Bem, então, esse lado tem maior fluxo sanguíneo. Certo? O lado direito tem maior fluxo. Mas se eu disser qual tem mais perfusão, bem, verifica-se que realmente aquele lobo superior esquerdo está realmente tendo mais perfusão. Então só porque um lado tem maior fluxo não significa necessariamente que tem mais perfusão. Muitas vezes é o caso porque você pode ver como fluxo e perfusão estão super relacionados. Mas só depende de exatamente qual é o peso pelo tecido. Um exemplo clássico disso - vou escrever aqui - que você pode escutar as pessoas falando sobre algumas vezes é - se você diz esse lado é alto e esse lado é baixo - vamos fazer fluxo e perfusão - eles irão dizer bem, ser você tem o fluxo e está tentando falar sobre órgãos diferentes, um dos órgãos com o maior fluxo no corpo seria realmente seu fígado. Vamos dizer que esse seria seu fígado. Esse é seu fígado. E então, com um fluxo sanguíneo um pouquinho menor seriam seus rins, certo? Digamos que esses seriam seus rins. Vou escrever R de rim. Ou melhor, acho que vou soletrar. Tenho espaço suficiente. E então, algo que tem quase nenhum fluxo relativamente aos outros dois seriam os ossos. E realmente, comparado a isso, se você fosse falar agora sobre perfusão, seria realmente um pouco diferente. Então para perfusão - usando esses mesmos três órgãos - se eu fosse tipo elencá-los com base em qual deles tem maior perfusão, ou perfusão sanguínea, o rim realmente é o melhor. Aqui você tem que pegar uma determinada quantidade de tecido, e vai ser a mesma quantidade. Estou apenas imaginando se eu pegar um pedacinho de tecido renal. E se eu fizer exatamente a mesma coisa e pegar um pedacinho de tecido do fígado. E essa é a forma de pensar sobre isso, se você quer equilibrar as coisas, você tem que pegar a mesma quantidade de tecido. Nesse caso, seria 100 gramas, digamos. Talvez essas caixas são 100 gramas de tecido. Seria algo assim, e esse seria o osso. E o fígado acaba não indo tão bem. Recebe uma perfusão menor em termos das 100 gramas. O rim vai um pouco melhor no que diz respeito a perfusão. E os ossos - tristes ossos, coitados - não recebem muito fluxo sanguíneo. E até mesmo se fizer por 100 gramas de tecido, eles não recebem muita perfusão também. Essa é uma outra forma de pensar sobre isso, e você pode escutar esses exemplos, por isso eu queria dá-los. [Legendado por Gabriela Moritz] [Revisado por Jessica Falkenstein]