Conteúdo principal
Tempo atual:0:00Duração total:7:43

Transcrição de vídeo

Eu quero descobrir como o sangue sai do meu coração, que vou desenhar aqui, e vai para o meu dedo, vou desenhar meu pé aqui e mostrar de qual dedo estou falando Vamos falar desse aqui. Agora, para começar a viagem, ele sai do ventrículo esquerdo e entra na maior artéria do corpo que é aorta. Aorta é muito grande e por isso ela é a maior artéria e a partir dela, não vou desenhar todos os ramos da aorta, o sangue desce pelo meu ventre, indo em direção a minha perna esquerda e direita. Vamos observar apenas a perna esquerda, esta artéria, bem aqui em cima, vai ser um pouco menor, poderia dizer que é uma artéria de médio porte. Ah, agora o sangue começa a descer pelo meu tornozelo. Vamos dizer que estamos a uma certa distância do meu tornozelo, e você sabe que há, com certeza, pequenos ramos, vamos seguir o ramo que vai para o meu pé, este de cima. Vamos dizer que ele vai para o meu pé, e esta será uma artéria ainda menor. Vamos chamá-la de pequena artéria . Pequena artéria. A partir daí, vamos entrar no que chamamos de arteríolas. Então, elas serão ainda mais pequenas, certo? Vão se ramificar Estes ramos são bem pequenos, vieram da minha pequena artéria, vamos seguir esse aqui, e esta é a minha arteríola. Arteríola. Tenho que passar por esses ramos diferentes, para finalmente chegar aos raminhos. Tenho que desenhá-los bem fininhos para mostrar como diminuem os vasos. Vou desenhar três deles. Vamos desenhar quatro, só por diversão. Quatro ramos, eles vão para as pequenas células do meu dedo, vou desenhar algumas para convencê-lo de que estamos chegando. Uma, duas bem aqui e talvez uma aqui, essas são as células do meu dedo. Células do dedo do pé. Depois dessas células tirarem tudo o que precisam. Elas precisam de glucose e de um pouco de oxigênio. Retiram o que for preciso, mas também descartam os resíduos, Com certeza, elas têm resíduos de dióxido de carbono que precisamos descartar. Agora, tudo isso é despejado no que chamamos de vênula. Uma vênula, e essa vênula vai basicamente alimentar muitas outras vênulas. Talvez exista uma vênula aqui em baixo, e talvez outra aqui em cima. Talvez sejam desse segundo dedo, e todas elas vão se juntar, e novamente, formarão um conjunto gigante de veias. Talvez as veias despejam o sangue aqui e outras veias despejam o sangue aqui, e todas essas veias despejam o sangue dentro de uma veia enorme que chamamos de veia cava inferior. Vou escrever isso aqui. Veia cava inferior. Trata-se de uma veia grande que transporta todo o sangue da metade inferior do corpo. Existe uma outra bem aqui, chamada de veia cava superior, esta transporta o sangue dos braços e da cabeça. Essas duas veias, a veia cava superior e a veia cava inferior levam o sangue de volta ao coração e, é claro, as duas são consideradas veias. Vamos voltar, agora, para falarmos das artérias grandes e médias. Essas duas juntas são conhecidas como artérias elásticas. Artérias elásticas. A razão para serem chamadas de artérias elásticas é: elas têm uma proteína, nas paredes dos vasos sanguíneos, chamada elastina. Elas têm muito dessa proteína elastina e se você pensar na palavra elastina ou elástico, dá pra ver que são palavras similares, você pode pensar em um elástico de borracha ou em uma bexiga, provavelmente esse é o jeito mais fácil de pensar nisso. Se você tem um vaso sanguíneo, umas dessas artérias grandes, por exemplo, vamos dizer que o sangue está sob muita pressão, pois o coração está bombeando a alta pressão. Essa artéria, literalmente, vai inflar e se você olhasse de longe ela iria parecer uma linguiça. Algo parecido com isso, onde está inchado. O que aconteceu da primeira para a segunda imagem foi que a energia de pressão, pois o coração bombeia sangue pressurizado, e há energia no sangue, certo? A energia de pressão é convertida em energia elástica. Na verdade, é uma conversão de energia. Não costumamos pensar dessa forma, mas é exatamente isso que acontece quando convertemos energia de pressão em energia elástica, assim você equilibra essas altas pressões. Então, você equilibra as altas pressões. Altas pressões. Isso é muito importante, pois o o sangue que chega às nossas artérias, não vamos esquecer, está sob alta pressão Logo, o sistema arterial é um sistema de alta pressão. Faz todo o sentido que aquelas primeiras artérias, as de grande e médio porte, sejam capazes de lidar muito bem com a pressão. Vou desenhar uma pequena linha aqui para manter isso em ordem. A pequena artéria e a arteríola, essas duas, às vezes são chamadas de artérias musculares. A razão, novamente, se você olhar a parede da artéria, você terá a resposta. A parede da artéria possui musculatura. Na verdade, especificamente, é um músculo liso. Logo, não é o tipo de músculo que você tem no coração ou no bíceps, mas sim músculo liso que está dentro da parede da artéria, e existem muitos deles. Novamente, se você tem um vaso sanguíneo e imaginar toneladas de músculo liso do lado de fora, vou desenhar assim. Pequenos filamentos de músculo liso. Se esses filamentos decidirem que querem se contrair, se espremerem, terá algo parecido com um canudo fino, pois agora os músculos estão apertados. Eles estão bem apertados, não estão? Cria-se algo parecido com um canudo fino um processo chamado de vasoconstrição. Vaso, de vaso sanguíneo, e constrição é igual a comprimir. Vasoconstrição é a compressão do vaso sanguíneo, isso implica em resistência. Assim, se tentar soprar um canudo fino também há resistência. Aqui é a mesma ideia, na verdade muita resistência e mudança na constrição ou vasoconstrição acontece a nível da arteríola, por isso elas são importantes quero que se lembre delas. A partir daí, o sangue vai para os capilares Não nomeei eles na primeira vez, vou escrever aqui. Às vezes, eles são chamados de leitos capilares Vou escrever aqui fora. E então o sangue será coletado em vênulas e eventualmente em veias, uma coisa importante sobre as veias, vou parar por aqui e falar rápido disso, é que elas têm essas pequenas válvulas e essas válvulas asseguram que o sangue siga uma única direção. Então, isso é muito importante, as válvulas nas veias. Lembre-se, outra coisa importante, é que elas lidam com grandes volumes. Diferentemente do lado arterial, onde tudo está sob grande pressão, aqui em baixo com o lado da veia, temos que pensar em grandes volumes. Lembre-se que cerca de dois terços do seu sangue em algum momento passa por uma veia ou vênula em algum lugar. [Legendado por: Karina Borges] [Revisado por: Claudia Alves]